A di­men­são pa­tri­mo­ni­al do Ka­bo­co­meu

Gru­po car­na­va­les­co cor­re o ris­co de de­sa­pa­re­cer

Jornal Cultura - - Primeira Página - EUGÉNIO COELHO E TONI FRAMPÉNIO

Vá­ri­os mo­ti­vos con­cor­rem pa­ra a atri­bui­ção de di­men­são pa­tri­mo­ni­al ao gru­po car­na­va­les­co União Ope­rá­rio Ka­bo­co­meu. Pri­mei­ro por ser o gran­de di­na­mi­za­dor da Ka­zu­ku­ta, es­ti­lo de dan­ça ca­rac­te­rís­ti­co da cul­tu­ra na­ci­o­nal, com ori­gens no Kim­da­bi­re, no Ico­lo e Ben­go, as­si­mi­la­da pe­los gru­pos car­na­va­les­cos lu­an­den­ses no pri­mei­ro pe­río­do do Can­ci­o­nei­ro do Car­na­val em An­go­la (19301960), ten­do co­mo re­pre­sen­tan­tes nes­ta épo­ca os gru­pos: União Chi­que, no mus­se­que Pe­dro­sa, União Cru­za­dor, União Fe­cha, Os Pa­ti­tos, Gon­çal­ves Ve­lho, Ki­man­gan­du, to­dos do qui­ló­me­tro 7, União Li­ceu, Ma­lun­gem, União Kwanza, es­tes no bair­ro ope­rá­rio, União Água Luz no Mu­se­que Mar­çal, União Ma­bu­ba, União Mu­son­di­nho e União Pa­gan­tes com des­ta­que pa­ra “União João Be­lo”, os úni­cos a usa­rem guar­da-chu­vas. Em 1952 sur­ge o gru­po União Ope­rá­rio Ka­bo­co­meu, que in­cor­po­ra de ma­nei­ra in­te­li­gen­te e cri­a­ti­va a Ka­zu­ku­ta do União João Be­lo e a par­tir da dé­ca­da de se­ten­ta ir­ma-se co­mo prin­ci­pal re­pre­sen­tan­te do es­ti­lo Ka­zu­ku­ta em Luanda.

Se­gun­do re­la­tos e do­cu­men­tos, o no­me do gru­po es­tá in­trin­se­ca­men­te li­ga­do a ac­ti­vi­da­des de­sen­vol­vi­das por um gru­po de ope­rá­ri­os do Sam­bi­zan­ga, nas obras dos Ar­ma­zéns Di­o­go & Com­pa­nhia. No ano de 1951, es­tes ho­mens ha­vi­am fei­to gran­des obras pa­ra es­ta com­pa­nhia, e o do­no icou tão sa­tis­fei­to que no inal do ano, pa­ra

ce­le­brar, com­prou dois bar­ris de vi­nho e mui­to ba­ca­lhau, e a ka­zu­ku­ta co­me­çou aí, em meio a fes­ta de im de ano. De vol­ta ao Sam­bi­zan­ga, a fes­ta con­ti­nu­ou e, no ano se­guin­te ( 1952), fo­ram en­co­ra­ja­dos pe­los mais ve­lhos reu­ni­dos no quin­tal do avô Ndo­na, mãe de Jo­a­quim Des­li­za, fun­da­dor e pri­mei­ro co­man­dan­te do gru­po a for­mar um gru­po car­na­va­les­co ba­se­a­do na Ka­zu­ku­ta. Daí em di­an­te, o gru­po se­guiu com o rit­mo fes­ti­vo nas ta­ber­nas, mer­ca­dos, lo­jas, on­de quer que os ope­rá­ri­os se reu­nis­sem pa­ra dan­çar, pa­ra lo­go em se­gui­da gas­tar o di­nhei­ro re­ce­bi­do pe­los ser­vi­ços pres­ta­dos. E eles jun­ta­ram os dois ter­mos, “Aca­bou e co­meu”, em ter­mos de receitas das exi­bi­ções que fa­zi­am e “Ca­bou­co”, que era o ca­bou­co dos pré­di­os que eles fa­zi­am na cons­tru­ção. E as­sim icou per­pe­tu­a­do o no­me do gru­po “Ka­bo­co­meu”. Por­tan­to, o Ka­bo­co­meu é ori­gi­ná­rio do modo co­mo os an­ti­gos ope­rá­ri­os vi­vi­am e se di­ver­ti­am em co­mu­ni­da­de.

CON­TRI­BU­TO DO KA­BO­CO­MEU

Em 1978 re­a­li­za- se o car­na­val da Vi­tó­ria. O gru­po já bem cons­ti­tuí­do apa­re­ce em gran­de, e de­mos­tra na sua per­for­man­ce e te­a­tra­li­za­ção co­mo os to­pó­gra­fos co­lo­ni­ais rou­ba­vam os ter­re­nos das la­vras do po­vo nas ime­di­ções, e sa­gra-se pri­mei­ro ven­ce­dor do car­na­val após a in­de­pen­dên­cia. Des­de 1978, o gru­po per­pe­tua- se no ima­gi­ná­rio co­lec­ti­vo da cul­tu­ra lu­an­den­se co­mo em­ble­ma da Ka­zu­ku­ta.

No ano de 1979 es­te gru­po foi agra­ci­a­do pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca com uma se­de pa­ra as su­as ac­ti­vi­da­des, si­tu­a­da na Zo­na da Fres­cu­ra, no bair­ro Sam­bi­zan­ga. No mes­mo ano, o gru­po foi con­vi­da­do por Agostinho Neto pa­ra ani­mar o pa­lá­cio pre­si­den­ci­al ( o úni­co gru­po na his­tó­ria do car­na­val) num en­con­tro com al­tas igu­ras afri­ca­nas.

Ao lon­go do seu per­cur­so, o Ka­bo­co­meu con­tri­bui de modo sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra o can­ci­o­nei­ro da música po­pu­lar lu­an­den­se, quer pe­la ade­qua­ção da le­tra ao en­re­do e ao es­pí­ri­to do car­na­val lu­an­den­se, quer pe­la poé­ti­ca, be­le­za e bom gos­to ca­rac­te­rís­ti­ca da música po­pu­lar. So­mos in­for­ma­dos que can­ções co­mo “Rua São Paulo, Nos­so La­men­to, Di­vór­cio pre­ser­vam es­te gé­ne­ro ca­rac­te­rís­ti­co do Car­na­val, com tex­tos que trans­mi­tem va­lo­res com­por­ta­men­tais e cí­vi­cos, no rit­mo sin­co­pa­do ca­rac­te­rís­ti­co do gru­po”. De acor­do com Rai­mun­do Sal­va­dor “… al­gu­mas das gran­des com­po­si­ções em­ble­má­ti­cas da música po­pu­lar an­go­la­na emer­gi­ram des­ses gru­pos car­na­va­les­cos. João Do­min­gos, que é can­ta­da por Bon­ga e pe­lo fi­na­do André Min­gas, é do Ka­bo­co­meu. Ma­ri­a­na Yo é do Co­man­dan­te Des­li­za. E ou­tras can­ções”. A es­te tí­tu­lo, não só a tra­di­ção Sem­ba, co­mo o pró­prio Ku­du­ro de­vem mui­to da sua for­ma­ção e de­sen­vol­vi­men­to ao Ka­bo­co­meu.

Pa­ra Jo­mo Fo­tu­na­to “o Ka­bo­co­meu é um gru­po pa­tri­mo­ni­al por pre­ser­var um dos es­ti­los de dan­ça ca­rac­te­rís­ti­cos da cul­tu­ra na­ci­o­nal” e que, com ou­tros, cor­re o ris­co de de­sa­pa­re­cer. A tí­tu­lo de exem­plo, na úl­ti­ma edi­ção do Car­na­val de Luanda (2019), ao lon­go de três di­as, cer­ca de 43 gru­pos des ila­ram na en­tão Ave­ni­da Agostinho Neto, sen­do 15 na or­dem de des ile In­fan­til, 10 gru­pos na Clas­se B, e 18 gru­pos na Clas­se A, den­tre os qu­ais 34 gru­pos re­pre­sen­ta­ram o es­ti­lo Sem­ba, 5 re­pre­sen­tan­tes do es­ti­lo Ka­zu­ku­ta, 1 Ca­be­ci­nha, 1 pa­ra Di­zan­da, 1 pa­ra Ka­be­tu­la.

Ao lon­go de mais de 40 anos de exis­tên­cia, o Ka­bo­co­meu es­tá na ori­gem de vá­ri­os gru­pos car­na­va­les­cos re­pre­sen­tan­tes da Ka­zu­ku­ta. Des­ta­can­do-se os “Cas­su­les Ka­zu­ku­ta do Sam­bi­zan­ga”, “Cas­su­les Ka­zu­ku­ta do Ho­ji Ya Hen­da”, am­bos da clas­se in­fan­til, União Ka­zu­ku­ta do Sam­bi­zan­ga e Ju­ven­tu­de Uni­da do Ka­pa­lan­ga.

Em 2003, o Co­man­dan­te Des­li­za foi, em con­jun­to com o União Ope­rá­rio Ka­bo­co­meu, o gran­de ho­me­na­ge­a­do da edi­ção do Car­na­val. No ano 2005, o fun­da­dor e eter­no co­man­dan­te do gru­po fa­le­ceu no hos­pi­tal Jo­si­na Ma­chel, ví­ti­ma de do­en­ça.

Ape­sar dos al­tos e bai­xos, co­mo a per­da de qua­tro mem­bros num aci­den­te de vi­a­ção, a con­cor­rên­cia e ri­va­li­da­de de gru­pos hos­tis ao seu su­ces­so, e de sen­tir-se mui­tas ve­zes in­jus­ti­ça­do em re­la­ção à clas­si ica­ção, o Ka­bo­co­meu ja­mais de­sis­tiu, man­ten­do­se sem­pre en­tre os pri­mei­ros oi­to lu­ga­res nos des iles do car­na­val, com ex­ce­ção do ano 2015 em que icou em dé­ci­mo pri­mei­ro lu­gar, e des­ceu pa­ra a se­gun­da di­vi­são, o que pa­ra o gru­po foi a pi­or hu­mi­lha­ção de sem­pre. Ape­sar de tu­do, es­te­ve sem­pre en­tre as me­lho­res can­ções.

O ES­TI­LO KA­ZU­KU­TA

Mo­der­ni­da­de e a tra­di­ção, es­tão re­la­ci­o­na­das não ape­nas com a es­tru­tu­ra do En­tru­do, mas tam­bém com o con­teú­do. O con­teú­do re­tém a iden­ti­da­de cul­tu­ral dos gru­pos car­na­va­les­cos. Nes­te sen­ti­do, o Ka­bo­co­meu re­pre­sen­ta um ca­so par­ti­cu­lar, pois o seu con­teú­do es­sen­ci­al; a Ka­zu­ku­ta é tam­bém a sua raiz. A ka­zu­ku­ta é sem dú­vi­da o ele­men­to sa­gra­do do Ka­bo­co­meu. Ora, a dan­ça ka­zu­ku­ta en­glo­ba to­do uma sé­rie de ele­men­tos, e to­dos eles for­mam um to­do, e é na per­fei­ta har­mo­nia en­tre es­tes ele­men­tos que o gru­po en­con­tra a sua es­sên­cia e ina­li­da­de.

Se­gun­do a et­no­mu­si­co­lo­gia, ci­ên­cia que es­tu­da a música a par­tir de seus as­pec­tos cul­tu­rais, so­ci­as, es­pi­ri­tu­ais, das pes­so­as que as fa­zem, e com abor­da­gens his­tó­ri­cas, bi­o­ló­gi­cas, cog­ni­ti­vas e não ape­nas no seu as­pec­to iso­la­do co­mo so­no­ri­da­de. De acor­do com o tra­ba­lho apre­sen­ta­do pe­lo et­no­mu­si­có­lo­go an­go­la­no Pa­tri­ce Ngan­gu­la, na cos­mo­vi­são afri­ca­na exis­tem con­di­ções pres­cri­tas pa­ra a in­ven­ção da música e da dan­ça pa­tri­mo­ni­al. 1.Voz; sons cor­po­rais; can­tos 2. Ex­pres­sões cul­tu­rais, mo­vi­men­tos dan­ça 3. Ins­tru­men­tais mu­si­cais O cor­po e a voz são os pri­mei­ros ins­tru­men­tos hu­ma­nos. Den­tro da can­ção, te­mos os gé­ne­ros/ gru­po et­no­lin­guís­ti­co/ lín­gua ma­ter­na. As ex­pres­sões cor­po­rais en­glo­bam os ges­tos, o mo­vi­men­to, as for­mas de ora­li­da­de li­ga­das à ex­pres­são cor­po­ral. Os ins­tru­men­tos en­glo­bam o ma­te­ri­al de que são fei­tos os mes­mos, a li­ga­ção es­pi­ri­tu­al com os mes­mos. Re­co­nhe­ce­mos, an­tes de mais, que a va­ga imagem da re­la­ção en­tre es­tes ele­men­tos por nós apre­sen­ta­da não pas­sa de uma pá­li­da som­bra da per­fei­ta idi­os­sin­cra­sia en­tre es­tes ele­men­tos. Con­for­me a es­plên­di­da apre­sen­ta­ção e ex­pli­ca­ção do pro­fes­sor, ten­ta­re­mos, não obs­tan­te:

A can­ção é sem­pre can­ta­da em lín­gua pa­tri­mo­ni­al “Kim­bun­du”, os ins­tru­men­tos de­vem obe­de­cer à com­po­si­ção dos mes­mos, de modo a re­pro­du­zir uma so­no­ri­da­de pe­cu­li­ar e a dan­ça per­fei­ta­men­te es­ta mís­ti­ca re­la­ção en­tre os ele­men­tos da Ka­zu­ku­ta. E com al­gu­ma sa­pi­ên­cia ex­pli­cam es­te ca­rác­ter. A ma­nu­ten­ção des­tes ele­men­tos é vi­tal, qual­quer mudança, por me­nos sig­ni ica­ti­va que pa­re­ça, po­de que­brar o rit­mo, a har­mo­nia pa­tri­mo­ni­al.

O KA­BO­CO­MEU E A MO­DER­NI­ZA­ÇÃO

O Ka­bo­co­meu não en­ten­de a mo­der­ni­da­de no pla­no pu­ra­men­te con­cep­tu­al, coi­sa que considera pro­pia dos aca­dé­mi­cos. Há mo­der­ni­za­ção do gru­po na prá­ti­ca, as­sim co­mo ino­va­ções e sim­bi­o­se de ele­men­tos no­vos e ve­lhos. Pa­ra o co­man­dan­te Manuel Jú­ni­or « a re­le­vân­cia e ac­tu­a­li­da­de são per­fei­ta­men­te acei­tes » . Pa­ra Lu­cas Rai­mun­do Manuel, se­gun­do co­man­dan­te do Ka­bo­co­meu des­de 1992, a mo­der­ni­za­ção deve ser re­ce­bi­da pe­lo gru­po com a au­to-es­ti­ma fun­da­da na nos­sa iden­ti­da­de cul­tu­ral. O tra­ba­lho re­a­li­za­do aju­dou-nos a en­ten­der que ca­da gru­po tem as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as. Cer­ta­men­te, e com o ad­ven­to das au­tar­qui­as, a es­tru­tu­ra do car­na­val lu­an­den­se so­fre­rá al­te­ra­ções pro­fun­das nos pró­xi­mos anos, quer a ní­vel da es­tru­tu­ra, quer dos con­teú­dos do En­tru­do. Pa­ra António Jo­a­quim não ha­ve­rá uma mo­der­ni­za­ção uni­for­me, con­cep­tu­al­men­te pal­pá­vel ou uma mo­der­ni­da­de to­ta­li­zan­te, mas mo­der­ni­da­des pa­ra­le­las, ou se­ja, ca­da gru­po, de acor­do com as su­as ca­ra­te­rís­ti­cas par­ti­cu­la­res e con­di­ções inan­cei­ras, de­ve­rá for­jar a sua pró­pria mo­der­ni­da­de.

De fac­to, as en­tre­vis­tas, re­vis­tas e do­cu­men­tá­ri­os so­bre o gru­po le­vam­nos a com­pre­en­der que o Ka­bo­co­meu co­me­çou a mo­der­ni­zar-se an­tes do Car­na­val da Vic­tó­ria. A ka­zu­ku­ta her­da­de do gru­po “União João Be­lo” ja­mais per­ma­ne­ceu in­tac­ta. A ní­vel da jin­ga; as no­vas ge­ra­ções in­cor­po­ra­ram a es­sên­cia dos rit­mos do Ku­du­ro que, as­sim co­mo a Ka­zu­ku­ta, é o gri­to e for­ça dos rit­mos an­ces­trais que gri­tam e se ex­pres­sam na cor­po­rei­da­de dos jo­vens. No­vos pas­sos po­dem ser de­no­ta­dos na ka­zu­ku­ta de ho­je. Tam­bém a ní­vel da in­du­men­tá­ria o gru­po apre­sen­ta mu­dan­ças. O uso de ben­ga­la­das na au­sên­cia do guar­da- chu­va. Pa­ra a ge­ra­ção Des­li­za, o uso de más­ca­ras era in­con­ce­bí­vel, mas ho­je as ge­ra­ções, se­guin­do o es­pí­ri­to do nos­so tem­po, vão dei­xan­do cer­tos as­pec­tos pa­ra trás, e is­to re lec­te uma cer­ta aber­tu­ra às mu­dan­ças dos tem­pos con­sen­ti­das pe­los mais ve­lhos. Por­tan­to, não exis­te na­da mais fal­so e su­per ici­al que a ideia de que “o gru­po re­sis­te à mo­der­ni­da­de”. Não obs­tan­te, a di­re­ção do gru­po ape­la ao bom uso da tra­di­ção. Acre­di­ta­mos que “is­to é pos­sí­vel atra­vés de uma me­mó­ria vi­gi­lan­te, que não ata­ca ce­ga­men­te a tra­di­ção. A tra­di­ção não é um cor­po fe­cha­do, mas aber­to, nes­te sen­ti­do não é ini­mi­ga da mo­der­ni­da­de, e por­tan­to, da mo­der­ni­da­de afri­ca­na. A tra­di­ção não es­tá sim­ples­men­te na ori­gem, mas tam­bém a im de ofe­re­cer mo­de­los utó­pi­cos pa­ra o agir actual”.

En­tre­tan­to, pa­ra o Ka­bo­co­meu, a ques­tão que sub­sis­te a to­do o dis­cur­so so­bre a mo­der­ni­za­ção do Car­na­val e dos gru­pos não é tan­to a sal­va­guar­da da tra­di­ção, mas o in­ves­ti­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra mo­der­ni­zar. Ora, a mo­der­ni­da­de é um pro­ces­so que en­vol­ve in­ves­ti­men­tos de vá­ria or­dem, mas é so­bre­tu­do o in­ves­ti­men­to de or­dem pe­cu­niá­ria que de­ter­mi­na o grau de mo­der­ni­da­de aces­sí­veis aos gru­pos car­na­va­les­cos. Não exis­te mo­der­ni­da­de sem in­ves­ti­men­to inan­cei­ro, e o Ka­bo­co­meu não co­nhe­ce quais­quer apoi­os ou in­ves­ti­men­tos há mais de 20 anos. A tí­tu­lo de exem­plo, to­me­mos o ca­so par­ti­cu­lar do ano cor­ren­te. Até ao mês de Fe­ve­rei­ro (pou­co de um mês an­tes do des ile) o gru­po não dis­pu­nha de quais­quer re­cur­sos pa­ra pre­pa­rar-se pa­ra o des ile. O car­na­val se pre­pa­ra um ano an­tes, os gru­pos le­vam pe­lo me­nos um ano pa­ra or­ga­ni­zar um bom des ile. Ca­da as­pec­to da pre­pa­ra­ção en­vol­ve di­nhei­ro. Os va­lo­res que a APROCAL

dis­po­ni­bi­li­zou che­ga­ram ao gru­po um mês an­tes do even­to, fal­tan­do o es­pa­ço ne­ces­sá­rio pa­ra a or­ga­ni­za­ção do des ile.

Se­gun­do o se­cre­tá­rio do gru­po, Jo­a­quim Manuel, o con­tex­to actual exi­ge gran­des ce­ná­ri­os, mai­or qua­li­da­de nos ade­re­ços e ou­tros as­pec­tos. A con­cor­rên­cia com gru­pos co­mo “União Mun­do da Ilha” e “União Re­cre­a­ti­vo do Ki­lam­ba”, pa­ra ci­tar ape­nas al­guns, não tem si­do fá­cil, pois re­pre­sen­tam ad­ver­sá­ri­os de con­di­ção eco­nó­mi­ca pri­vi­le­gi­a­da, ou pe­lo me­nos, com me­lho­res con­di­ções de apoio. Co­mo con­cor­rer com os mes­mos com jus­ti­ça e dig­ni­da­de? Che­ga­mos no tem­po em que o car­na­val per­deu o seu ca­rác­ter re­cre­a­ti­vo. Pa­ra al­guns, tra­ta-se sim­ples­men­te de um in­ves­ti­men­to inan­cei­ro, um even­to com ins lu­cra­ti­vos, o mais for­te é quem tem me­lho­res con­di­ções inan­cei­ras. Pa­ra o vo­ca­lis­ta do gru­po, vi­ve­mos os tem­pos do “Car­na­val fo­ra de épo­ca”.

O gru­po la­men­ta ain­da do fac­to de não po­der acom­pa­nhar a evo­lu­ção do En­tru­do, pois que não é pos­sí­vel sa­tis­fa­zer a mo­der­ni­da­de, agra­dan­do os no­vos re­gu­la­men­tos com par­cos re­cur­sos e sem pa­tro­ci­na­do­res. A mai­or di icul­da­de do gru­po tem si­do o car­ro ale­gó­ri­co, diz o co­man­dan­te Manuel António Jú­ni­or. Nos úl­ti­mos anos, o gru­po acu­mu­lou vá­ri­as dí­vi­das. Ho­je, o gru­po en­con­tra-se com­ple­ta­men­te en­di­vi­da­do.

Es­te ano, o gru­po en­fren­tou gra­ves di icul­da­des inan­cei­ras, pa­ra par­ti­ci­par no des ile do Car­na­val. O co­man­dan­te te­ve de re­cor­rer à sua ilha, Mi­ma Ir­ri­qui­e­ta An­tó­nia, que ce­deu um em­prés­ti­mo de 1.000.000 kz (Um Milhão de Kwan­zas) ao gru­po, a im de avan­çar com os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra o des ile cen­tral, pois o car­na­val pre­pa­ra- se ao lon­go do ano, tra­ba­lha- se com o tem­po, há as­pec­tos que não po­dem ser dei­xa­dos pa­ra a úl­ti­ma ho­ra, da­do que o di­nhei­ro da­do aos gru­pos pe­la APROCAL che­ga tar­di­a­men­te, tan­to é que, se não fos­se o em­prés­ti­mo fei­to por uma ci­da­dã de boa von­ta­de, não ha­ve­ria Ka­bo­co­meu no car­na­val 2019, diz o co­man­dan­te.

Po­de­mos con­cluir com Rol­dão Fer­rei­ra que “a mo­der­ni­da­de re­pre­sen­ta um de­sa io so­ci­al que re­quer o apoio de to­da a so­ci­e­da­de, pois o que es­tá em jogo é a per­da ou sal­va­guar­da dos re­fe­ren­ci­ais iden­ti­tá­ri­os do Car­na­val lu­an­den­se (…) O car­na­val evo­lui­rá na me­di­da do de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­cul­tu­ral do país, mas pa­ra is­so é ne­ces­sá­rio in­ves­tir no car­na­val, ca­so con­trá­rio te­re­mos que as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de his­tó­ri­ca do seu de­sa­pa­re­ci­men­to”.

A MO­DER­NI­ZA­ÇÃO E OS PARADIGMAS

De acor­do com Jo­mo For­tu­na­to “…a mo­der­ni­da­de, en­quan­to es­tá­dio adul­to da tra­di­ção, er­gue-se num pro­ces­so de rup­tu­ra par­ci­al com a tra­di­ção, con­ser­van­do de­ter­mi­na­dos có­di­gos e li­nhas de for­ça, re­pre­sen­ta­ti­vas dos va­lo­res do pas­sa­do”. Ora, o pa­ra­dig­ma mo­der­no na cul­tu­ra do car­na­val lu­an­den­se é um fe­nó­me­no re­cen­te. Se­gun­do Rol­dão Fer­rei­ra, co­me­ça no ano 2000 com o sur­gi­men­to do gru­po car­na­va­les­co “Uni­dos do Ca­xin­de” em 2000, o mai­or apo­lo­gis­ta da mo­der­ni­da­de no car­na­val lu­an­den­se, e ven­ce­dor das edições 2005/2010 do car­na­val Na­ci­o­nal. Des­de en­tão, o ele­men­to mo­der­no tem si­do in­cor­po­ra­do no car­na­val lu­an­den­se, com des­ta­que pa­ra o União Re­cre­a­ti­vo Ki­lam­ba nas úl­ti­mas edições a. A ques­tão que a mo­der­ni­da­de en­quan­to de­sa io do car­na­val lo­cal le­van­ta con­sis­te na pre­ser­va­ção dos ele­men­tos que es­tão na ba­se da ma­triz cul­tu­ral do Car­na­val lu­an­den­se. As­sim, a ne­ces­si­da­de de mo­der­ni­za­ção se­gue-se à cri­a­ção de ba­ses ca­pa­zes de ga­ran­tir a sal­va­guar­da dos as­pec­tos tra­di­ci­o­nais e po­pu­la­res do Car­na­val lo­cal e pre­ser­va­ção dos gru­pos que con­ser­vam ele­men­tos pa­tri­mo­ni­ais em meio a um con­tex­to de cres­cen­tes in­te­ra­ções glo­bais. Pa­ra o Ka­bo­co­meu é sen­sa­ta a mo­der­ni­za­ção que di­a­lo­ga com a tra­di­ção, rein­cor­po­ran­do-os no sen­ti­do de rein­ven­tá- los ou atu­a­li­zá- los den­tro dos no­vos mo­de­los.

SO­BRE A OR­GA­NI­ZA­ÇÃO E LE­GA­LI­DA­DE DO KA­BO­CO­MEU

Ou­tro es­pec­to em que as ins­ti­tui­ções com­pe­te­ten­tes de­vem pres­tar au­xí­lio ao gru­po (é pos­sí­vel que o Ka­bo­co­meu não se­ja o úni­co nes­ta con­di­ção) é a fal­ta de per­so­na­li­da­de ju­rí­di­ca, ou ca­rác­ter ins­ti­tu­ci­o­nal re­co­nhe­ci­do, o que da­ria mai­or cre­di­bi­li­da­de ao gru­po jun­to das ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, fa­ci­li­tan­do a ma­nu­ten­ção e ge­ren­ci­a­men­to dos apoi­os que cer­ta­men­te vi­ri­am.

Por ou­tro la­do, não há um cen­tro de arquivos ou ba­se de da­dos pa­ra apoio do pú­bli­co in­te­res­sa­do em in­for­mar-se so­bre o his­to­ri­al do gru­po. Tu­do ain­da fun­ci­o­na mais na ba­se da ora­li­da­de, in­for­ma­ções de mai­or re­le­vo são ine­ren­tes à me­mó­ria dos mais ve­lhos. Em ter­mos de aces­so e acom­pa­nha­men­to das no­vas tec­no­lo­gi­as, o gru­po en­con­tra-se bas­tan­te li­mi­ta­do, o que di­fi­cul­ta a ac­ção dos es­tu­di­o­sos e to­dos aque­les que bus­cam in­for­ma­ções so­bre o gru­po. Tam­bém em ter­mos de di­vul­ga­ção atra­vés dos mei­os vir­tu­ais, o gru­po não deu ain­da pas­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos. Po­de­mos con­cluir que o Ka­bo­co­meu ca­re­ce de uma no­va or­dem de tra­ba­lho, e uma no­va dis­tri­bui­ção de ta­re­fas que le­ve em con­ta as nos­sas ne­ces­si­da­des da so­ci­e­da­de. Pre­ci­sa- se de cri­ar con­di­ções pa­ra os jo­vens in­te­res­sa­dos to­ma­rem as ré­de­as das no­vas ne­ces­si­da­des, co­mo cri­a­ção de Si­tes, pá­gi­nas no Fa­ce­bo­ok ( ape­sar de exis­tir, en­con­tra- se sem ac­ti­vi­da­de a pe­lo me­nos 6 anos), Ca­nal no Youtu­be, e ou­tras for­mas de co­mu­ni­ca­ção e di­vul­ga­ção, que cer­ta­men­te su­ge­rem di­men­sões da mo­der­ni­da­de que não de­vem ser co­lo­ca­dos de fo­ra nes­te equa­ci­o­na­men­to.

Não exis­te mo­der­ni­da­de sem in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro, e o Ka­bo­co­meu não co­nhe­ce quais­quer apoi­os ou in­ves­ti­men­tos há mais de 20 anos.

Jo­vem dan­ça­ri­no

Rol­dão Fer­rei­ra

Ka­bo­co­meu na No­va Mar­gi­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.