Sér­gio Ro­dri­gues: “Bu­ar­que é um ma­go das pa­la­vras”

Jornal Cultura - - Primeira Página - JOSÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

OJor­nal Cul­tu­ra traz ho­je às su­as pá­gi­nas, uma apre­ci­ção so­bre o Pré­mio Ca­mões 2019, o bra­si­lei­ro Chi­co Bu­ar­que da Holn­da, fei­ta por Sér­gio Ro­dri­gues ( nas­ci­do em 1962) um es­cri­tor, crí­ti­co li­te­rá­rio e jor­na­lis­ta mi­nei­ro que vi­ve no Rio de Ja­nei­ro des­de 1980. Ven­ce­dor do Gran­de Pré­mio Portugal Te­le­com 2014 ( actual Oce­a­nos) com o ro­man­ce O Dri­ble, que tem co­mo pa­no de fun­do uma his­tó­ria do fu­te­bol bra­si­lei­ro, Sér­gio Ro­dri­gues é au­tor de no­ve tí­tu­los, di­vi­di­dos en­tre fic­ção e não fic­ção, e tem li­vros lan­ça­dos na Fran­ça, na Es­pa­nha, em Portugal e nos EUA. Jor­na­lis­ta pro­fis­si­o­nal com 35 anos de car­rei­ra, Sér­gio Ro­dri­gues tra­ba­lhou co­mo cor­res­pon­den­te es­tran­gei­ro, re­pór­ter, che­fe de re­por­ta­gem, edi­tor e co­lu­nis­ta nas prin­ci­pais em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção do Bra­sil. Há dois anos, é um dos ro­tei­ris­tas do talk show Con­ver­sa com Bi­al, da TV Glo­bo. En­tre seus ou­tros li­vros, des­ta­cam- se o ro­man­ce his­tó­ri­co El­za, a Ga­ro­ta e

a co­le­tâ­nea de con­tos A Vi­si­ta de João Gil­ber­to aos No­vos Bai­a­nos, que vai ser lan­ça­da nes­te mês pe­la Com­pa­nhia das Le­tras.

Co­mo re­ce­beu a no­tí­cia da atri­bui­ção do Pré­mio Ca­mões 2019 a Chi­co Bu­ar­que da Holanda?

Com mui­ta ale­gria. Chi­co Bu­ar­que de Hol­lan­da é sem dú­vi­da al­gu­ma um dos mai­o­res ar­tis­tas bra­si­lei­ros vi­vos, e ver sua obra re­co­nhe­ci­da pe­lo pré­mio Ca­mões tem re­le­vân­cia es­pe­ci­al nes­te mo­men­to de tre­vas po­lí­ti­cas em que a cul­tu­ra e a ar­te vêm sen­do sis­te­ma­ti­ca­men­te ata­ca­das no país co­mo po­lí­ti­ca de go­ver­no. No obs­cu­ran­tis­mo do go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro, a no­tí­cia caiu co­mo chu­va em ter­ra se­ca.

Em 2010, Chi­co Bu­ar­que já fo­ra ga­lar­do­a­do com o Pré­mio Portugal Te­le­com, pe­lo seu ro­man­ce “Lei­te Der­ra­ma­do”. Es­ta obra tam­bém re­ce­beu no Bra­sil o pres­ti­gi­a­do pré­mio Ja­bu­ti, co­mo me­lhor li­vro do ano de fic­ção e me­lhor li­vro de fic­ção no vo­to po­pu­lar. Que qua­li­da­des des­ta­ca no es­ti­lo de es­cri­ta de Chi­co Bu­ar­que?

O Ja­bu­ti tal­vez já não se­ja tão pres­ti­gi­a­do quan­to foi um dia, mas o fa­to é que Chi­co o le­vou pa­ra ca­sa três ve­zes: além de “Lei­te Der­ra­ma­do”, com “Es­tor­vo” e “Bu­da­pes­te” – es­te, a meu ver, o seu me­lhor li­vro, um ro­man­ce ri­go­ro­so e con­cei­tu­al que é ao mes­mo tem­po de lei­tu­ra pra­ze­ro­sa. O Portugal Te­le­com ( ho­je re­no­me­a­do Oce­a­nos), que tem peso bem mai­or que o Ja­bu­ti, Chi­co o con­quis­tou cu­ri­o­sa­men­te com um de seus li­vros que con­si­de­ro me­nos bem re­a­li­za­dos, “Lei­te Der­ra­ma­do”. Chi­co Bu­ar­que é um gran­de mes­tre da lín­gua, um ma­go das pa­la­vras. Sua cul­tu­ra da lín­gua por­tu­gue­sa com­bi­na uma ra­ra eru­di­ção com um ou­vi­do de sen­si­bi­li­da­de não me­nos ra­ra pa­ra o que se fa­la ho­je, o modo co­mo o idi­o­ma es­tá sem­pre a se rein­ven­tar. Tan­to vir­tu­o­sis­mo po­de le­var os seus ro­man­ces a des­cam­bar nos mo­men­tos me­nos fe­li­zes pa­ra um cer­to es­te­ti­cis­mo, um po­li­men­to ex­ces­si­vo da frase que pro­vo­ca per­da de es­pon­ta­nei­da­de. “Lei­te der­ra­ma­do” tem al­gu­mas das mais be­las fra­ses es­cri­tas em nos­sa lín­gua nos úl­ti­mos tem­pos, e ain­da as­sim – ou tal­vez por is­so mes­mo – não che­ga a de­co­lar co­mo nar­ra­ti­va, a meu ver. Em “Bu­da­pes­te” e “O Ir­mão Ale­mão”, es­sas du­as di­men­sões, a da tes­si­tu­ra da pro­sa e a do pul­so nar­ra­ti­vo, se en­con­tram mais equi­li­bra­das.

Pa­ra além de es­cri­tor, Chi­co Bu­ar­que de Holanda é mú­si­co. Que pa­ra­le­lis­mo e in­ter­fe­rên­ci­as es­ti­lís­ti­cas po­de­mos en­con­trar en­tre a música e a li­te­ra­tu­ra des­te au­tor bra­si­lei­ro?

Chi­co é mui­tís­si­mo mai­or co­mo com­po­si­tor do que co­mo au­tor de li­vros. Con­si­de­ro até uma co­var­dia com­pa­rar um la­do ao ou­tro e es­tou con­ven­ci­do de que o pré­mio Ca­mões, co­mo o No­bel de Bob Dy­lan, sa­be bem dis­so. Es­ta­mos fa­lan­do do ar­tis­ta que é, mui­to pro­va­vel­men­te, o mai­or no­me da música po­pu­lar bra­si­lei­ra em to­dos os tem­pos, um cam­po mui­to pro­du­ti­vo e ri­co de ta­len­tos, tal­vez o mais re­le­van­te da cul­tu­ra bra­si­lei­ra por tu­do o que se fez no sé­cu­lo XX. Mes­mo em ter­re­no tão com­pe­ti­ti­vo, ele se des­ta­ca por­que é sim­ples­men­te fe­no­me­nal a en­ver­ga­du­ra do can­ci­o­nei­ro bu­ar­qui­a­no, de qua­li­da­de nun­ca abai­xo de ex­ce­len­te e es­ten­di­do ao lon­go de mui­tas dé­ca­das. O prin­ci­pal pon­to de con­ta­to en­tre a sua pro­du­ção poé­ti­ca nas le­tras de música e os seus li­vros e pe­ças te­a­trais é a in­ti­mi­da­de ex­cep­ci­o­nal com a lín­gua por­tu­gue­sa.

O fac­to de Chi­co Bu­ar­que ter nas­ci­do nu­ma fa­mí­lia on­de o pai é o his­to­ri­a­dor, Sér­gio Bu­ar­que de Holanda, e a mãe, a pi­a­nis­ta Maria Amé­lia Ce­sá­rio Al­vim, te­rá con­tri­buí­do pa­ra quem é ele ho­je nes­tes dois do­mí­ni­os da Ar­te?

O ber­ço é com cer­te­za pri­vi­le­gi­a­do. Por meio so­bre­tu­do dos con­tac­tos so­ci­ais do seu pai, um in­te­lec­tu­al de re­no­me, Chi­co te­ve aces­so pes­so­al, ain­da bem jo­vem, aos mai­o­res no­mes das ar­tes e das le­tras no país. Mais do que da sua pró­pria ca­sa, po­rém, acre­di­to que ele se­ja fru­to de um mo­men­to úni­co de efer­ves­cên­cia e op­ti­mis­mo da cul­tu­ra bra­si­lei­ra, en­tre o fim dos anos 1950 e o iní­cio dos anos 1960. É fi­lho da bos­sa no­va, de Bra­sí­lia, do Ci­ne­ma No­vo, de um so­nho de Bra­sil mo­der­no, in­te­li­gen­te e jus­to que lo­go iria se frus­trar. Mas aí já era tar­de, Chi­co Bu­ar­que já es­ta­va pron­to.

Na sua lu­ta con­tra o re­gi­me mi­li­tar, Chi­co Bu­ar­que viu vá­ri­as mú­si­cas cen­su­ra­das e foi ame­a­ça­do, ten­do se exi­la­do na Itá­lia em 1969. De que for­ma es­te exí­lio mar­cou a pro­du­ção ar­tís­ti­ca do es­cri­tor e can­tor?

Não acho que o au­to- exí­lio, que foi bre­ve, te­nha marcado de modo sig­ni­fi­ca­ti­vo a sua pro­du­ção. A guer­ra sim­bó­li­ca con­tra a di­ta­du­ra, sim. Há quem ar­gu­men­te que da­ta da­que­les anos a sua me­lhor pro­du­ção.

Chi­co Bu­ar­que é na ver­da­de um cul­tor do ri­gor ar­tís­ti­co, por­que a pe­ça Go­ta d'água, em parceria com Paulo Pon­tes, re­ce­beu o pré­mio Mo­liè­re. Que pon­tos es­sen­ci­ais se des­ta­ca na dra­ma­tur­gia de Chi­co Bu­ar­que?

A pro­du­ção de Chi­co Bu­ar­que pa­ra te­a­tro é bas­tan­te va­ri­a­da. De modo ge­ral, acho que po­de­mos des­ta­car o pa

Sér­gio Ro­dri­gues

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.