A ofen­sa que trans­mu­dou o Di­tu­ta, con­to de Oc­ta­vi­a­no Cor­reia

Jornal Cultura - - Primeira Página - OC­TA­VI­A­NO COR­REIA

A mai­or ofen­sa que po­de­mos fa­zer aos ho­mens é ir de en­con­tro aos seus cos­tu­mes

Ba­rão de Mon­tes­qui­eu

Lhe cha­ma­ram de Di­tu­ta por lhe te­rem da­do nas­ci­men­to num dia em que as nu­vens de chu­va se des­ce­ram de um tão ras­tei­ras que es­con­de­ram até os ra­mos de qua­se to­car no chão dos mu­ti­a­tis e as­sim se ica­ram me­a­çan­do de um nun­ca mais cho­ver du­ran­te di­as. Mas Di­tu­ta ain­da foi só até ao tem­po de na es­co­la che­gar nos exa­mes da quar­ta com o mu­la­to pro­fes­sor Ma­cun­di­nho co­mo lhe cha­ma­vam de es­con­di­dos por cau­sa do seu des­ta­ma­nho e pe­lo si­nal pre­to na ca­ra co­mo se era um fei­jão ma­cun­de. Di­tu­ta se vi­rou Ka­ban­gu­la quan­do co­me­çou ter de se de­fen­der dos miú­dos ou­tros mais ve­lhos da es­co­la com re­vi­an­gas e gol­pes ain­da pa­re­ci­am de ca­po­ei­ran­go­la lhes man­dan­do cha­pa­da e pon­ta­pés nos bem mais al­tos e for­tes que ica­vam des­co­nhe­cer de on­de que es­ta­va a vir o ven­to dos gol­pes. Mas no den­tro do Di­tu­ta­ka­ban­gu­la ti­nha mais ou­tras des­tre­zas nas exis­tên­ci­as do cor­po e no li­ceu lhe pas­sa­ram de

no­me­ar Bun­gu­la por mais nin­guém dan­çar igual que a dan­ça de­le igual com uma tre­mi­dei­ra de ná­de­gas que pa­re­cia ma­te­te agua­do em co­lher nas mãos de ve­lho e ain­da foi es­se mes­mo bun­gu­lar que mar­cou a ho­ra que a vi­da de Di­tu­ta se trans­vi­rou num pa­ra sem­pre ir­re­pa­rá­vel.

A noi­te es­ta­va quente na re­bi­ta de­mi­ran­do Di­tu­ta bun­gu­lan­do bem no cen­tral da pis­ta quan­do lhe gri­ta­ram lá do meio do anó­ni­mo das pes­so­as “Di­tu­ta é ma­ri­cas”. Di­tu­ta se di­re­ci­o­nou pa­ra as pa­la­vras em pre­o­cu­pa­ção de iden­ti icar o sem no­me que lhe des­tra­ta­ra com a ofen­sa exi­gin­do que se de­sa­co­bar­das­se o fa­lan­te com um gri­to tão gri­ta­do que a re­bi­ta se des­mu­si­cou e dan­çan­tes se es­ta­tu­a­ram no es­pan­to da ex­cla­ma­ção “o di­xi­to que me des­tra­tou ain­da na mi­nha for­ça de ho­mem que se de­sa­co­bar­de e se mos­tre” e o si­lên­cio se pe­sou ain­da mais quan­do os olhos dos ali se tres­vi­ra­ram num to­do pa­ra um só mes­mo la­do e nos anos pas­sa­dos e até ho­je nin­guém que per­deu lem­bran­ça da som­bra do Di­tu­ta vo­an­do pe­lo ra­san­te das ca­be­ças sem to­car em ne­nhu­ma até ex­plo­dir no pei­to do de­nun­ci­a­do pe­los olhos de acu­sa­ção. Uma gol­fa­da pe­sa­da de san­gue se de­sin­te­ri­o­ri­zou das vei­as ras­ga­das en­san­guei­ran­do o chão da sa­la e as rou­pas da­que­les mais che­ga­dos. Na­que­le re­lâm­pa­go de rai­va Di­tu­ta ti­nha vi­ra­do de no­vo Ka­ban­gu­la apli­can­do no des­tra­tan­te um gol­pe úl­ti­mo de vi­da. Me dis­se­ram de­pois e es­se di­to é voz de cer­te­za no to­do da ci­da­de que o Di­tu­ta fei­to som­bra vo­a­do­ra le­ve co­mo o ven­to de­sa­pa­re­ceu vo­an­do pe­la ja­ne­la da sa­la do bai­le e nun­ca mais que foi en­con­tra­do nem vis­lum­bra­do nem de pu­ro aca­so.

“Vi­rou ca­chim­bam­ba só de vi­ver de noi­te” se ga­ran­ti­am al­guns na cer­te­za e ou­tras mui­tas pes­so­as fa­la­vam num bai­xi­nho de sus­to com o me­do den­tro da ca­be­ça de­las de um cru­zar no ca­mi­nho do Di­tu­ta “se vi­rou bi­cho quin­zar” e se per­deu pa­ra um nun­ca mais nos es­cu­ros das ma­tas”.

(In: A Avó que nas­ceu du­as ve­zes – Con­tos do De­sim­pos­sí­vel)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.