Ne­gra Nas­cen­te

Jornal Cultura - - Letras -

No ei­to da nas­cen­te se­gue a tor­ren­te O can­to dos he­róis no fu­ne­ral da pá­tria Li­ber­da­de, san­gue, que­re­la an­te o po­en­te A nos­tal­gia no con­fa­bu­lar do po­vo, um can­to no­vo Oh! Can­ta Áfri­ka nes­ta ri­bal­ta, dos ho­mens a ter­ra má­tria Sob a al­ma do im­bon­dei­ro a tra­di­ção de nos­sa gen­te Nas cha­mas da la­rei­ra nos­sa his­tó­ria, nos­sa can­ção - e no ei­to da nas­cen­te se­gue a tor­ren­te! O can­to dos he­róis do além trans­bor­da Te­di­o­so mas es­me­ro re­vo­lu­ci­o­nan­do a cor­da Atentos no ond­jan­go in­ter­pre­tam os ve­lhos as sí­la­bas da can­ção: um aler­ta, uma men­sa­gem an­te a mi­sé­ria no ros­to da na­ção mas lá te­lú­ri­co ne­gro can­to res­soa: fu­gaz e fú­ne­bre do além ecoa Al­ti­voz os ve­lhos can­tos à li­ber­da­de com es­me­ro en­to­am Na fu­ma­gem da la­rei­ra, as­sis­tem os ho­mens o has­te­ar da ban­dei­ra- e no ei­to da nas­cen­te se­gue a tor­ren­te!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.