“P

Jornal Cultura - - Letras -

or­tan­to, só os ci­clos eram eter­nos”, as­sim co­me­ça um dos cé­le­bres ro­man­ces da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, Ge­ra­ção da Uto­pia, on­de Pe­pe­te­la, o au­tor, nar­ra os em­pe­nhos de uma ge­ra­ção de cons­truir uma re­a­li­da­de so­ci­al e po­lí­ti­cal pós- co­lo­ni­al. Não sen­do di­fe­ren­te, a ex­po­si­ção in­di­vi­du­al do ar­tis­ta an­go­la­no Mai­o­mo­na Vua re­tor­na aos eter­nos ci­clos que for­ma­ram as lu­tas pas­sa­das e con­sis­tem as pre­o­cu­pa­ções pre­sen­tes.

This is it, Father, apre­sen­ta­da no Me­mo­ri­al An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to (MAAN), em Lu­an­da, evo­ca a per­ma­nên­cia des­tes ci­clos co­mo um ele­men­to na­tu­ral das nar­ra­ti­vas his­tó­ri­cas e as com­ple­xi­da­des da sua com­pre­en­são.

A pin­tu­ra as­sim co­mo os tra­ba­lhos de es­cul­tu­ra de Mai­o­mo­na Vua man­têm uma for­te pre­o­cu­pa­ção téc­ni­ca e a cap­ta­ção de um sen­ti­do es­té­ti­co de­vi­da­men­te ar­ti­cu­la­do. O equi­lí­brio en­tre o pro­ces­so de cri­a­ção e o aca­ba­men­to das obras ge­ra a ilu­são de que elas te­ri­am pas­sa­do por al­gum pro­ces­so in­dus­tri­al. E, pa­ra anu­lar es­sa pos­sí­vel con­clu­são so­bre as pin­tu­ras e as es­cul­tu­ras, es­tá um ví­deo de bas­ti­do­res à en­tra­da do es­pa­ço.

A ex­po­si­ção e ca­da obra de for­ma úni­ca é pe­ren­tó­ria ao dei­xar a im­pres­são de que es­ta­mos di­an­te al­gu­ma coi­sa obs­ti­na­da­men­te pre­sen­te, em­bo­ra o ar­tis­ta os dei­xas­se re­pre­sen­ta­ti­vo atra­vés de uma com­bi­na­ção de téc­ni­cas in­te­res­san­tes – nos vá­ri­os ca­sos on­de faz uso da ro­da den­ta­da e de mas­ca­rás mol­da­das em ar­gi­la apli­ca­das so­bre a ma­dei­ra, em equi­lí­brio com os de­se­nhos de areia ori­gi­ná­ri­os da tra­di­ção Cokwe ten­do tu­do is­so na ba­se uma pin­tu­ra em acrí­li­co.

É nes­ta obs­ti­na­ção que elas en­cer­ram as re­a­li­da­des re­tra­ta­das den­tro dos dis­cur­sos cí­cli­cos. Nes­te sen­ti­do, apre­sen­tam-se, por exem­plo, o ci­clo das cri­ses, re­pre­sen­ta­do em três pe­ças que cru­zam as cri­ses inan­cei­ras, am­bi­en­tais e as mo­rais, on­de o ar­tis­ta mes­cla a obra com as re­sis­tên­ci­as des­sas cri­ses quer das pers­pec­ti­vas po­lí­ti­cas, ge­ral­men­te ali­a­das ao si­lên­cio, co­mo as re­sis­tên­ci­as na pers­pec­ti­va do ac­ti­vis­mo, mar­ca­do pe­la ne­ces­si­da­de do dis­cur­so cons­tan­te.

Se­guem- se as eter­nas pre­o­cu­pa­ções quo­ti­di­a­nas, que são igual­men­te ex­pres­si­vas atra­vés dos tí­tu­los – por exem­plo Ven­de­rei pa­ne­las pa­ra cui­dar do meu fi­lho ou ain­da Ne­gra de ca­ra­pi­nha du­ra e o mo­der­no. E a is­to ob­ser­va- se que, por al­gum des­cui­do ou in­ten­ção cu­ra­to­ri­al, a pe­ça Os pe­ca­dos de Adão e Eva, fi­gu­ras que na tra­di­ção cris­tã te­ri­am co­me­ça­do os ci­clos, es­tá si­tu­a­da no fi­nal do es­pa­ço ex­po­si­ti­vo, o que é in­te­res­san­te por mar­car tan­to o fim co­mo o prin­cí­pio, so­bre­tu­do por ha­ver ali uma ou­tra en­tra­da ( ge­ral­men­te fe­cha­da) pa­ra a ga­le­ria do MAAN.

O pró­prio ar­tis­ta é ob­jec­to. Uma das obras mais an­ti­gas do con­jun­to, A dan­ça das li­nhas, da­ta­da em 2001, de­mons­tra co­mo o ar­tis­ta vi­veu seus pró­pri­os pe­río­dos que, di­fe­ren­te de ou­tros ca­sos, pa­re­cer ter que­bra­do, sen­do que es­ta é dis­tin­ta do es­ti­lo ac­tu­al por apre­sen­tar tra­ços vin­dos de uma in luên­cia cu­bis­ta.

O jo­go en­tre o co­me­ço e o im de um ci­clo é dis­tin­gui­do pe­la in le­xão das idei­as. Mas os ci­clos for­mam uma es­tru­tu­ra com­ple­xa de se con­fe­rir em uma ob­ser­va­ção des­cui­da­da dos seus sen­ti­dos. As­sim co­mo Pe­pe­te­la, que con­fes­sa em uma re­cen­te en­tre­vis­ta, que so­men­te pas­sa­dos vin­te e se­te anos des­de a pu­bli­ca­ção de Ge­ra­ção da Uto­pia, com­pre­en­dia o ver­da­dei­ro sen­ti­do da fra­se ini­ci­al do li­vro. Apoi­an­do-se na his­tó­ria con­tem­po­râ­nea afri­ca­na, Pe­pe­te­la per­ce­be que “os ci­clos vão avan­çan­do em es­pi­ral” e crê que po­de se dar o im, as­sim co­mo fo­ram os ci­clos co­lo­ni­ais, os ci­clos das in­de­pen­dên­ci­as afri­ca­nas (que eclo­di­ram nos anos 1960), e mais tar­de os ci­clos dos par­ti­dos úni­cos e he­ge­mó­ni­cos, e ago­ra a acon­te­cer com os ci­clos dos re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os. Em­bo­ra os ci­clos vão avan­çan­do, man­ter a cons­ci­ên­cia de que eles ain­da exis­tem e re­po­si­ci­o­nar as vi­sões é fun­da­men­tal. Mai­o­mo­na Vua ex­põe a ape­tên­cia de re­vi­são atra­vés da sua ori­gi­nal e ir­re­sis­tí­vel abor­da­gem vi­su­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.