Câ­no­ne li­te­rá­rio ame­ri­ca­no

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultu­ral -

oni Mor­ri­son tem si­do cha­ma­da de "a mai­or cro­nis­ta da ex­pe­ri­ên­cia ame­ri­ca­na que já co­nhe­ce­mos", mes­tre que es­cre­ve em "pro­sa lu­mi­no­sa e en­can­ta­tó­ria que se as­se­me­lha à de ne­nhum ou­tro es­cri­tor em in­glês".

Por que Mor­ri­son é con­si­de­ra­da uma igu­ra tão im­por­tan­te no mun­do li­te­rá­rio e na cul­tu­ra ame­ri­ca­na? Que im­pac­to tem o seu tra­ba­lho co­mo es­cri­to­ra e edi­to­ra no mun­do?

Os li­vros de Mor­ri­son fa­zem par­te do cur­rí­cu­lo de in­glês em es­co­las se­cun­dá­ri­as em to­do o país. Pa­ra mui­tos, o seu tra­ba­lho é con­si­de­ra­do par­te in­te­gran­te do câ­no­ne li­te­rá­rio ame­ri­ca­no e, par­ti­cu­lar­men­te, do câ­no­ne li­te­rá­rio ne­gro-ame­ri­ca­no. Mas, co­mo ob­ser­va o The Washing­ton Post, o seu tra­ba­lho tam­bém foi de­sa ia­do, com al­gu­mas es­co­las e po­lí­ti­cos pro­cu­ran­do proi­bir li­vros co­mo "Ama­da".

O crí­ti­co Wes­ley Mor­ris, do Ti­mes, es­cre­ve so­bre o que o au­tor sig­ni icou pa­ra ele e pa­ra sua fa­mí­lia num en­saio in­ti­tu­la­do “To­ni Mor­ri­son Me En­si­nou a Pen­sar”:

Vo­cê pre­ci­sa de ser ca­paz de ler pa­ra po­der ler. Es­pe­ci­al­men­te se To­ni Mor­ri­son pro­du­ziu a es­cri­ta. Eu pe­lo me­nos pen­sei que sa­bia o que era pa­ra os meus olhos na­ve­ga­rem atra­vés de uma pá­gi­na, atra­vés de uma des­cri­ção ou uma fa­ça­nha de ca­rac­te­ri­za­ção. Aos 11 anos, pen­sei em ler. En­tão eu li Mor­ri­son. A mi­nha mãe me dis­se que eu não es­ta­va pron­to. Não pa­ra To­ni. Mi­nha tia Ka­tie pe­gou o meu olho de me­ni­no na sua no­va e gran­de có­pia de "Ama­da" e me dis­se: Is­so é pa­ra pes­so­as adul­tas . Eu ten­tei mes­mo as­sim. En­tão To­ni pa­re­cia me di­zer: To­da a lei­tu­ra que vo­cê fez an­tes? Is­so não vai con­tar. Vo­cê tem que me ler . Ela ia nos pôr a tra­ba­lhar, não co­mo uma ta­re­fa, não pa­ra nos cu­rar, mas por­que a es­cri­ta é uma ar­te e o leitor de­ve­ria ter um pou­co de ar­te pró­pria.

Tracy K. Smith es­cre­veu na se­ção Ti­mes Opi­ni­on, do New York Ti­mes: “Eu não acre­di­to que ha­ja um es­cri­tor que en­ten­da me­lhor a Amé­ri­ca e a ame com mais fe­ro­ci­da­de do que To­ni Mor­ri­son”. Ela elu­ci­da al­gu­ma das ques­tões es­sen­ci­ais que o tra­ba­lho de Mor­ri­son pro­põe pa­ra to­dos nós:

A vi­da ne­gra é a te­la do cor­po de tra­ba­lho de Mor­ri­son. Ela pro­duz as con­di­ções e os per­so­na­gens que a fas­ci­na­ram co­mo ar­tis­ta. Mas acre­di­to que o as­sun­to de­la é a Amé­ri­ca, es­te lu­gar fun­da­do em con li­tos e im­pul­si­o­na­do pe­la ne­ces­si­da­de de de inir um gru­po con­tra ou­tro. A sua obra ques­ti­o­na: quem so­mos nós? O que cons­truí­mos e des­trui­mos jun­tos? O que sig­ni ica con­si­de­rar o ou­tro pro­fun­da­men­te, hu­mil­de­men­te, es­pe­ran­ço­sa­men­te? E qu­ais são as con­sequên­ci­as pa­ra a nos­sa re­cu­sa de con­si­de­rar o ou­tro? Nos ro­man­ces e en­sai­os de Mor­ri­son, es­sas ques­tões ope­ram nos es­pa­ços ín­ti­mos - em fa­mí­li­as, ami­za­des, ca­sa­men­tos - que ser­vem pa­ra de­ter­mi­nar os ter­mos do nos­so en­vol­vi­men­to com o mun­do em ge­ral. E o inver­so tam­bém é ver­da­dei­ro: os ter­mos do mun­do mais am­plo se in il­tram ine­vi­ta­vel­men­te nas re­giões mais pri­va­das de nos­sas vi­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.