O le­ga­do de Amé­lia Min­gas

Jornal Cultura - - Primeira Página - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

A per­pe­tu­a­ção da me­mó­ria do con­tri­bu­to da mu­lher an­go­la­na na ges­ta­ção e edi ica­ção do país tem re­gis­tos me­mo­rá­veis, um dos qu­ais se en­cer­ra na obra li­te­rá­ria. Es­ta­mos a re­cor­dar De­o­lin­da Ro­dri­gues, com o seu po­e­ma Áfri­ca, es­ta­mos a re­ler men­tal­men­te o po­e­ma Tes­ta­men­to, de Al­da La­ra e, nes­te mo­men­to, te­mos em ci­ma da ban­ca de jor­na­lis­ta o li­vro In­ter­fe­rên­ci­as do Kim­bun­du no Por­tu­guês Fa­la­do em Lwan­da, da in­sig­ne pro­fes­so­ra e lin­guis­ta Amé­lia Min­gas.

Co­me­ce­mos pe­la guer­ri­lhei­ra ac­ti­va, De­o­lin­da: "Ma­mã Áfri­ca/ Ge­ras­te-me no teu ven­tre/ nas­ci sob o tu­fão co­lo­ni­al/ chu­chei teu lei­te de cor/ cres­ci atro ia­da/ mas cres­ci ju­ven­tu­de/ rá­pi­da co­mo a es­tre­la que cor­re/ quan­do mor­re o ngan­ga.// Ho­je sou mu­lher/ não sei já se mu­lher se ve­lhi­nha/ mas é a ti que ve­nho/ Áfri­ca Ma­mã Áfri­ca. // Tu que me ge­ras­te não me ma­tes/ não pra­gue­jes um re­ben­to teu,/ se­não não tens fu­tu­ro.// Não se­jas ma­tri­ci­da/ Sou An­go­la,/ a tua An­go­la."

Al­da La­ra diz, no seu Tes­ta­men­to, "À pros­ti­tu­ta mais no­va/ Do bair­ro mais ve­lho e es­cu­ro,/ Dei­xo os meus brin­cos, la­vra­dos/ Em cris­tal, lím­pi­do e pu­ro.../ (...) Quan­to aos meus po­e­mas lou­cos,/ Es­ses, que são de dor/ Sin­ce­ra e de­sor­de­na­da.../ Es­ses, que são de es­pe­ran­ça,/ De­ses­pe­ra­da mas fir­me,/ Dei­xo- os a ti, meu amor.../ Pa­ra que, na paz da ho­ra,/ Em que a mi­nha al­ma ve­nha/ Bei­jar de lon­ge os teus olhos,/ Vás por es­sa noi­te fo­ra.../ Com pas­sos fei­tos de lua,/ Ofe­re­cê- los às cri­an­ças/ Que en­con­tra­res em ca­da rua..."

Amé­lia Min­gas es­cre­veu, na pá­gi­na 91 da sua obra: "Sem­pre que du­as co­mu­ni­da­des de cul­tu­ras e lín­guas di­fe­ren­tes en­tram em con­tac­to, é fa­vo­re­ci­da a in­tro­du­ção de ele­men­tos de uma lín­gua (em prin­cí­pio a pri­mei­ra) na ou­tra, o que não po­de dei­xar de mo­di­fi­car a se­gun­da lín­gua a ser apren­di­da. (...) A par­tir des­tes pon­tos de re­fle­xão, e ten­do em con­ta o ti­po de re­la­ções que ca­rac­te­ri­zam a si­tu­a­ção co­lo­ni­al pa­re­ce evi­den­te que o por­tu­guês, mais do que o kim­bun­du ( ape­sar da sua con­di­ção de lín­gua não pres­ti­gi­a­da), foi o que so­freu a um ní­vel mais ele­va­do o fe­nó­me­no da in­ter­fe­rên­cia."

Es­tas três igu­ras fe­mi­ni­nas da His­tó­ria po­lí­ti­ca e cul­tu­ral de An­go­la já não es­tão con­nos­co. Ne­las en­con­tra­mos um pon­to de con luên­cia: o amor à ter­ra e ao po­vo. Se De­o­lin­da Ro­dri­gues le­vou es­se amor ao pon­to mais al­to da lu­ta e do mar­tí­rio, o seu mai­or de­lí­rio exis­ten­ci­al de afri­ca­na foi a in­com­pre­en­são de uma lu­ta en­tre ir­mãos no ma­quis (Tu que me ge­ras­te, não me ma­tes). Al­da La­ra, médica de pro is­são, dei­xa-nos a vi­são de uma An­go­la idí­li­ca, on­de o amor do­mi­ne e on­de os de­ser­da­dos en­con­trem uma mão de afec­to e uma pa­la­vra de amor.

Amé­lia Min­gas pas­sou pe­lo exí­lio da lu­ta pe­la in­de­pen­dên­cia. An­tes, já ti­nha si­do uma jo­vem cons­ci­en­te da mis­são sa­gra­da de en­si­nar. E foi a en­si­nar que ela nos dei­xou, há di­as, quan­do o Ca­cim­bo se des­pe­de de nós, com a li­ção das lín­guas que se trans­for­mam e se in­ter­pe­ne­tram, inin­ter­rup­ta, im­per­cep­ti­vel e na­tu­ral­men­te, co­mo tu­do o que se vê nes­ta nos­sa An­go­la ain­da em bus­ca da sua uni­da­de, pa­ra con­se­guir ler os si­nais que es­tas três mu­lhe­res e ou­tras nos dei­xa­ram: o amor ao po­vo, ba­se do pa­tri­o­tis­mo e do de­sen­vol­vi­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.