Me­mó­ri­as em trân­si­to

Jornal Cultura - - LETRAS - JOÃO NGO­LA TRINDADE

Se pen­sar­mos que a nos­sa cos­mo­vi­são se­ja cri­a­da no «nos­so» mi­cro­cos­mo do qual «nun­ca saí­mos», se o as­so­ci­ar­mos a tu­do qu­an­to nos ro­deia, co­nhe­ce­mos e diz res­pei­to a nós, o “es­tran­gei­ro” se­rá cer­ta­men­te um mun­do ine­xis­ten­te pa­ra al­guns, e com o qual mui­tos não se iden­ti­fi­cam.

Aos fac­to­res men­ci­o­na­dos adi­ci­o­na-se a in­di­fe­ren­ça, a dis­tân­cia (fí­si­ca e psi­co­ló­gi­ca) que se­pa­ra uns e ou­tros e a so­bre­va­lo­ri­za­ção do “na­ci­o­nal” em de­tri­men­to do “es­tran­gei­ro”.

Com­pa­ra­do a um ob­jec­to en­co­ber­to nas tre­vas e ex­cluí­do da me­mó­ria, o “es­tran­gei­ro”, ou des­co­nhe­ci­do, ga­nha es­pa­ço no ima­gi­ná­rio quan­do re­ve­la­do na obra de um es­cri­tor.

O vi­vi­do, as vi­vên­ci­as, ex­pe­ri­ên­ci­as, apon­ta­men­tos, ano­ta­ções, diá­ri­os e a ima­gem apre­en­di­da con­for­mam a me­mó­ria que in­for­ma o pro­ces­so cri­a­ti­vo.

O efé­me­ro - ir­re­pe­tí­vel tal­vez se­ja o ter­mo mais ade­qua­do pa­ra re­fe­rir aqui­lo que recebe sig­ni­fi­ca­do e va­lor - sub­sis­te na me­mó­ria sob a for­ma de “ves­tí­gi­os” (ALBERTI 2004:3334) so­bre os quais se cons­trói a obra li­te­rá­ria. Des­te mo­do, o pro­ces­so cri­a­ti­vo de­sen­ro­la-se com a ac­ção da me­mó­ria, a fi­xa­ção e a per­ma­nên­cia do ins­tan­tâ­neo.

Es­cre­ver é de fac­to um ac­to de cri­a­ção a par­tir do pre­e­xis­ten­te, um pro­ces­so de trans­for­ma­ção da ma­té­ria, de pro­du­ção, pre­ser­va­ção e trans­mis­são da me­mó­ria, um mo­do de re­cri­a­ção da ima­gem por meio da pa­la­vra.

An­co­ra­da na ge­o­gra­fia, a obra de um es­cri­tor - ve­mo-lo co­mo o emis­sor de ima­gens de uma re­a­li­da­de que des­co­nhe­cía­mos - é um tes­te­mu­nho de fac­tos re­gis­ta­dos du­ran­te a sua per­ma­nên­cia (cur­ta ou pro­lon­ga­da) num País, ci­da­de, mu­ni­cí­pio, vi­la, etc.

Vi­a­jan­do com as pa­la­vras, ul­tra­pas­sa­mos a fron­tei­ra que nos se­pa­ra (va) do ou­tro mun­do, pe­ne­tra­mos no seu in­te­ri­or, fi­ca­mos com a sen­sa­ção de ser­mos par­te des­te mun­do e iden­ti­fi­ca­mo-nos com ele.

Qu­ei­ra­mos ou não, o es­cri­tor “re­flec­te sem­pre em ca­da um dos seus ac­tos, a re­a­li­da­de am­bi­en­te” (NE­TO 2009:17), de ma­nei­ra que a re­pre­sen­ta­ção da re­a­li­da­de im­pli­ca co­nhe­ci­men­to da mes­ma.

De acor­do com Agostinho Ne­to (2009:17), pa­ra o es­cri­tor an­go­la­no, a in­ter­pre­ta­ção da exis­tên­cia não dei­xa de es­tar sub­me­ti­da a re­gra men­ci­o­na­da an­te­ri­or­men­te.

En­quan­to al­guns es­cri­to­res an­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.