Pe­re­gri­na­ção Cri­ou­la, de Paulo Bran­co Li­ma

Jornal Cultura - - LETRAS -

Lan­ça­do em Ju­nho pas­sa­do pe­la chan­ce­la Aqua­re­la Bra­si­lei­ra Li­vros, o ro­man­ce Pe­re­gri­na­ção Cri­ou­la, da au­to­ria do es­cri­tor de ori­gem an­go­la­na Paulo Bran­co Li­ma, sal­dou-se num su­ces­so de ven­das du­ran­te os me­ses do Ve­rão eu­ro­peu de 2019, pers­pec­ti­van­do­se uma no­va edi­ção pa­ra bre­ve.

Pe­re­gri­na­ção Cri­ou­la con­sis­te nu­ma fic­ção des­cre­ven­do a vi­a­gem de um ma­ri­nhei­ro a bor­do de um na­vio-es­co­la de tra­ços con­tem­po­râ­ne­os, du­ran­te uma jor­na­da ao ar­qui­pé­la­go de Cabo Verde. Atra­vés de um dis­po­si­ti­vo fic­ci­o­nal cen­tra­do no pro­ces­so de es­cri­ta de um diá­rio de na­ve­ga­ção, o nar­ra­dor, à me­di­da que to­ma con­tac­to com as ilhas cri­ou­las e o po­vo cabo-ver­di­a­no, vai par­ti­lhan­do o seu ca­mi­nho in­te­ri­or mar­ca­do pe­la au­to-des­co­ber­ta e bus­ca iden­ti­tá­ria. Nes­se con­fron­to, o li­vro des­do­bra-se num olhar pós-mo­der­no so­bre Pe­re­gri­na­ção, a obra mag­na de Fer­não Mendes Pin­to. Fun­ci­o­nan­do co­mo jo­go in­ter-tex­tu­al, re­cu­pe­ram-se vá­ri­as per­so­na­gens da obra qui­nhen­tis­ta, re­con­fi­gu­ran­do-se, de igual mo­do, e nu­ma es­trei­ta con­vi­vên­cia en­tre a Lín­gua Portuguesa e o Cri­ou­lo cabo-ver­di­a­no, frag­men­tos cru­ci­ais co­mo a en­tre­ga da es­pin­gar­da no Ja­pão, os de­mó­ni­os de Po­cas­ser ou a ilha de Ca­lem­pluy.

Nas pa­la­vras de Abí­lio Her­nan­dez, do­cen­te de His­tó­ria e Es­té­ti­ca do Ci­ne­ma da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, “Paulo Bran­co Li­ma per­cor­re os la­bi­rin­tos da me­mó­ria e do pas­sa­do pa­ra que no fi­nal da er­rân­cia se pos­sa pro­du­zir o equi­lí­brio e a ca­tar­se. Des­ta er­rân­cia, não é só o iti­ne­rá­rio que nos é ofe­re­ci­do, é tam­bém o re­tra­to dos iti­ne­ran­tes, dos que va­guei­am, is­to é, dos que er­ram, per­se­guin­do a fe­li­ci­da­de.”

Pa­ra Pi­res La­ran­jei­ra, es­pe­ci­a­lis­ta em Li­te­ra­tu­ras e Cul­tu­ras Afri­ca­nas, tra­ta-se de “um li­vro de es­cri­ta co­me­di­da, me­tó­di­ca, vi­su­al, que des­cre­ve com mi­nú­cia e em­pol­ga pe­la for­ça da pa­la­vra di­rec­ta­men­te tes­te­mu­nhal, mas cru­za­da com a ma­triz re­nas­cen­tis­ta: ma­ri­nhei­ros-apren­di­zes, ro­ti­nas aper­ta­das, tra­ba­lhos e di­as du­ros, es­pa­ços e su­jei­tos en­clau­su­ra­dos num oce­a­no de es­pan­tos e águas aber­tas, à des­co­ber­ta de si. Co­mo em Mendes Pin­to ou no ro­man­ce re­por­ta­gem nor­te-ame­ri­ca­no, a aven­tu­ra na sim­pli­ci­da­de das vi­das jo­vens, na ri­que­za da nar­ra­ti­va de for­ma­ção. Um en­con­tro com o mun­do no­vo das ilhas cri­ou­las, nu­ma poé­ti­ca da re­la­ção, co­mo di­zia Glis­sant.”

Co­mo des­ta­ca So­raia Si­mões (Mu­ral So­no­ro/ Ins­ti­tu­to de His­tó­ria Con­tem­po­râ­nea/FCSH NO­VA) na sua re­cen­são crí­ti­ca pu­bli­ca­da no si­te Esquerda.Net “à pri­mei­ra vis­ta, des­de lo­go pe­la ca­pa, pa­re­ce que es­ta­mos pe­ran­te mais uma obra de glo­ri ica­ção do pas­sa­do qui­nhen­tis­ta na­ci­o­nal, mas não. O au­tor, cen­tran­do-se nu­ma ro­ta ma­rí­ti­ma por la­ti­tu­des afri­ca­nas, de­sen­vol­ve des­cri­ções por­me­no­ri­za­das de ma­ri­nha­ria e do fun­ci­o­na­men­to in­ter­no do ve­lei­ro que, à me­di­da que os epi­só­di­os avan­çam, vão ga­nhan­do con­tor­nos ines­pe­ra­da­men­te crí­ti­cos do pe­río­do co­lo­ni­al por­tu­guês.”

“Paulo Bran­co Li­ma per­cor­re os la­bi­rin­tos da me­mó­ria e do pas­sa­do pa­ra que no fi­nal da er­rân­cia se pos­sa pro­du­zir o equi­lí­brio e a ca­tar­se. Des­ta er­rân­cia, não é só o iti­ne­rá­rio que nos é ofe­re­ci­do, é tam­bém o re­tra­to dos iti­ne­ran­tes, dos que va­guei­am, is­to é, dos que er­ram, per­se­guin­do a fe­li­ci­da­de.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.