O im­pac­to eco­nó­mi­co de ser mãe pre­co­ce

No­vo es­tu­do, em vá­ri­os paí­ses, re­ve­la que mu­lhe­res que dão à luz an­tes dos 18 anos são afec­ta­das eco­no­mi­ca­men­te pa­ra to­da a vi­da

Jornal Cultura - - DIÁLOGO INTERCULTU­RAL - FRANCISCO NE­TO

Ono­vo es­tu­do, con­du­zi­do pe­lo Po­pu­la­ti­on Coun­cil e Wo­men De­li­ver, en­con­trou uma for­te e con­sis­ten­te as­so­ci­a­ção ne­ga­ti­va ao lon­go da vi­da en­tre dar à luz an­tes dos 18 anos e o po­ten­ci­a­men­to eco­nó­mi­co de uma mu­lher. A pes­qui­sa, di­vul­ga­da a 6 de Ju­nho de 2019 na Con­fe­rên­cia Wo­men De­li­ver 2019, a mai­or con­fe­rên­cia mun­di­al so­bre igual­da­de de gé­ne­ro e saú­de, di­rei­tos e bem-es­tar de me­ni­nas e mu­lhe­res, apon­ta pa­ra a ne­ces­si­da­de crí­ti­ca de for­ta­le­cer a saú­de e os di­rei­tos sexuais e re­pro­du­ti­vos e ex­pan­dir as opor­tu­ni­da­des eco­nó­mi­cas pa­ra me­ni­nas e mu­lhe­res ao lon­go das su­as vi­das.

"A ca­pa­ci­da­de de ga­nhar e con­tro­lar o di­nhei­ro re­pre­sen­ta mais do que ape­nas ganhos - in­flu­en­cia a ca­pa­ci­da­de de uma mu­lher de fa­zer es­co­lhas es­tra­té­gi­cas de vi­da", dis­se Stepha­nie Psa­ki, PhD, vi­ce­di­rec­to­ra do Girl Cen­ter do Po­pu­la­ti­on Coun­cil. "Es­te é um dos pri­mei­ros es­tu­dos a mos­trar con­sis­ten­te­men­te em mui­tos paí­ses e am­bi­en­tes que ter um fi­lho ce­do po­de afec­tar o po­ten­ci­al de ganhos fu­tu­ros."

Com ba­se nos da­dos do Inquérito De­mo­grá ico e de Saú­de (DHS) na­ci­o­nal­men­te re­pre­sen­ta­ti­vos em 43 paí­ses de ren­di­men­to bai­xo e mé­dio, re­pre­sen­tan­do mais de 600 mi­lhões de mu­lhe­res, a aná­li­se con­cluiu que:

1

. O par­to an­tes dos 18 anos é ge­ne­ra­li­za­do. Ape­sar do de­clí­nio glo­bal nas ta­xas de gra­vi­dez em ado­les­cen­tes nos úl­ti­mos 25 anos, o es­tu­do cons­ta­tou que per­ma­ne­ce co­mum em mui­tos paí­ses de bai­xa e mé­dia ren­da, par­ti­cu­lar­men­te na Áfri­ca Sub­sa­ri­a­na, on­de em qua­se uma dú­zia de paí­ses pe­lo me­nos 30% das mu­lhe­res têm um ilho an­tes dos 18 anos.

2

. As mu­lhe­res que têm um ilho an­tes dos 18 anos têm me­nos pro­ba­bi­li­da­des de ga­nhar di­nhei­ro pe­lo seu tra­ba­lho ao lon­go da vi­da. Mais es­pe­ci ica­men­te, as mu­lhe­res (de 20 a 24 anos) que têm um ilho an­tes dos 18 anos têm mai­or pro­ba­bi­li­da­de de es­ta­rem em­pre­ga­das a cur­to pra­zo; no en­tan­to, eles são me­nos pro­pen­sos a ga­nhar di­nhei­ro no cur­to pra­zo e em to­da a sua vi­da re­pro­du­ti­va. 3tra­ba­lha,

. A mai­o­ria das mu­lhe­res

mas se elas são pa­gas pe­lo seu tra­ba­lho é di­fe­ren­te. Em mui­tos paí­ses, as mu­lhe­res não têm con­tro­lo so­bre os seus pró­pri­os ganhos. Na mai­o­ria dos paí­ses es­tu­da­dos, a mai­o­ria das mu­lhe­res tra­ba­lha; no en­tan­to, se elas são pa­gos pe­lo seu tra­ba­lho ou não, is­so va­ria mui­to, as­sim co­mo sua ca­pa­ci­da­de de con­tro­lar seus ganhos. No To­go, por exem­plo, en­tre as mu­lhe­res ca­sa­das e que co­a­bi­tam, a mai­o­ria tra­ba­lha (86%), ga­nha di­nhei­ro (62%) e man­tém o con­tro­lo de seus ganhos (57%). Em con­tras­te, a gran­de mai­o­ria das mu­lhe­res ca­sa­das e que co­a­bi­tam no Bu­run­di tra­ba­lha (94%), mas so­men­te 16% ga­nham di­nhei­ro e 4% man­têm o con­tro­lo so­bre seus ganhos.

"O es­tu­do exa­mi­na ques­tões com­ple­xas, mas as im­pli­ca­ções são sim­ples - pa­ra agi­li­zar a igual­da­de de gé­ne­ro, as mu­lhe­res pre­ci­sam de ser ca­pa­zes de con­tro­lar a sua pró­pria fertilidad­e e seus pró­pri­os ganhos", dis­se Kat­ja Iver­sen, pre­si­den­te / CEO da Wo­men De­li­ver. "Pre­ci­sa­mos de in­ves­ti­men­to so­ci­al no aces­so a con­tra­cep­ti­vos mo­der­nos, abor­to se­gu­ro e edu­ca­ção se­xu­al abran­gen­te, bem co­mo na ex­pan­são de opor­tu­ni­da­des eco­nó­mi­cas pa­ra to­das as me­ni­nas e mu­lhe­res."

A aná­li­se uti­li­zou os da­dos mais re­cen­tes dis­po­ní­veis do DHS (2012–2018) de 43 paí­ses e in­cluiu to­das as mu­lhe­res com ida­des en­tre 20 e 49 anos, per­mi­tin­do con­clu­sões re­pre­sen­ta­ti­vas a ní­vel na­ci­o­nal que são com­pa­rá­veis en­tre paí­ses e ao lon­go do tem­po. Pou­cos es­tu­dos con­si­de­ra­ram os efei­tos de cur­to e lon­go pra­zo que um nas­ci­men­to an­tes dos 18 anos tem no po­ten­ci­al de ga­nho das mu­lhe­res.

"O es­tu­do con­fir­ma que os pri­mei­ros even­tos da vi­da po­dem mol­dar a tra­jec­tó­ria da vi­da de uma mu­lher jo­vem", dis­se Ju­lia Bun­ting, OBE, pre­si­den­te do Po­pu­la­ti­on Coun­cil. “Os for­mu­la­do­res de po­lí­ti­cas pre­ci­sam in­ves­tir nu­ma me­lhor com­pre­en­são das com­pen­sa­ções que as me­ni­nas e mu­lhe­res en­fren­tam e dar pri­o­ri­da­de a ac­ções que ga­ran­tam que me­ni­nas e mu­lhe­res te­nham uma ga­ma com­ple­ta de op­ções de vi­da.”

Qu­a­dro­deMa­lan­ga­ta­naVa­len­teNgwenya

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.