Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Artes 2019 des­com­pri­me as­sé­dio po­lí­ti­co con­tra a Li­te­ra­tu­ra

Jornal Cultura - - BARRA DO KWANZA -

sem pe­dir per­mis­são. Lo­go que en­tra­ra, an­tes mes­mo de fe­char a por­ta, meu olhar es­bar­rou com a chá­ve­na de ca­fé fu­me­gan­te que es­ta­va so­bre a sua se­cre­ta­ria: o meu estô­ma­go sol­tou um gri­to mai­or do que o do Hi­a­ce do co­bra­dor cor­da­to. Po­rém, o Ka­ma­tum­bo não se al­te­ra­ra. Não o ou­vi­ra, com cer­te­za.

Fe­chei a por­ta rui­do­sa­men­te. Ka­ma­tum­bo não vol­tou a ou­vir. Con­ti­nu­a­va com os seus olhos ixa­dos no do­cu­men­to que lia. Pu­xei a ca­dei­ra e sen­tei-me à fren­te de­le. Le­vei o meu olhar ao seu re­ló­gio. Eram 8 ho­ras e 37 mi­nu­tos. Com o meu olhar, re­cu­ei du­as ho­ras e meia no seu re­ló­gio.

Ka­ma­tum­bo le­vou a chá­ve­na à bo­ca. De­pois de dois cur­tos tra­gos, por­que o ca­fé es­ta­va mui­to quen­te, vol­tou a pou­sá-la. Olhou pa­ra o seu re­ló­gio. Es­pan­tou-se. Le­van­tou-se com brus­qui­dão. Foi à ja­ne­la. Aber­ta, es­ca­bi­chou a rua, nos dois sen­ti­dos. Cer­ta­men­te, fo­ra con ir­mar se as ho­ras no seu re­ló­gio es­ta­vam cer­tas. Fe­chou a ja­ne­la. No­va­men­te sen­ta­do, mais um sor­vo no seu ca­fé. En­cos­tou as costas à pol­tro­na. Co­lo­cou as du­as mãos so­bre a sua gran­de pan­ça. Fe­chou os olhos. O silêncio no lu­xu­o­so ga­bi­ne­te deu lu­gar aos seus res­so­nes. Dor­mi­ta­va.

Eu pren­di-lhe o meu olhar. Olha­va o so­be-des­ce da sua pan­ça, que era um po­ço de ve­ne­no. Era ve­ne­no­so aque­le homem. Acom­pa­nhan­do o seu bu­cho dan­çan­te, mu­dei de ideia. Não vou de­go­lá-lo. Vou abrir-lhe a bar­ri­ga pa­ra ex­pur­gar to­do o ve­ne­no que ne­la há… pen­sa­va. No ga­bi­ne­te, su­bi­ta­men­te, o res­to­lho cres­ceu. Os meus res­so­nes jun­ta­ram-se aos de­le. Ador­me­ci num re­pen­te.

- Ka­ma­tum­bo !!!!! – O vo­ci­fe­ro do che­fe do Ka­ma­tum­bo ar­ran­cou-nos do so­no.

Ka­ma­tum­bo sal­tou da sua pol­tro­na com gran­de sus­to. Le­van­tou o seu for­te bra­ço di­rei­to, apon­tan­do pa­ra a ca­dei­ra on­de eu es­ta­va, e gri­tou nu­ma voz em­bar­ga­da:

- Che­fe, olha a co­bra. Cui­da­do!! - Qual co­bra? Es­tás a so­nhar, seu pre­gui­ço­so dum raio. São ho­ras de dor­mir, ó Ka­ma­tum­bo?! Dor­mir en­quan­to te­mos mui­to tra­ba­lho por fa­zer?!!!

- É mes­mo co­bra, che­fe! – Ka­ma­tum­bo in­sis­tia, me­dro­so. – É co­bra, che­fe, mas a ca­ra de­le é de cão, che­fe. - Cão?!

- Sim, Che­fe. Da­que­le cão, não, da­que­le ci­da­dão que aten­di na sex­ta-fei­ra.

- Cão ci­da­dão que aten­des­te?! Põe­te da­qui pa­ra fo­ra. Es­tás de­mi­ti­do. Cão ci­da­dão és tu que pen­sas que me en­ga­nas. És um ini­mi­go dos no­vos tem­pos. Fo­ra, seu cão!!! – O ber­ro do che­fe ul­tra­pas­sou as pa­re­des do ga­bi­ne­te lu­xu­o­so. Al­can­çou os ou­vi­dos das pes­so­as que es­ta­vam na rua.

Le­van­tei-me. As­sim que dei o pri­mei­ro pas­so, Ka­ma­tum­bo, me­dro­so, lan­çou-se ao cor­po do seu che­fe. Es­te, ar­re­li­a­do, em­pur­rou-o ao chão. Ven­do-o nu­ma fo­to­gra­fia do­len­te, sol­tei uma gar­ga­lha­da de es­cár­nio. Aban­do­nei o ga­bi­ne­te. O che­fe de­le tam­bém saiu, mas an­tes de fe­char a por­ta dis­se-lhe:

- Tens dez mi­nu­tos pa­ra aban­do­nar es­te ga­bi­ne­te. E le­va a tua co­bra, cão!

Na en­tra­da do edi­fí­cio, era gran­de o gru­po de pes­so­as que a api­nha­va. Nos ros­tos, ha­via ale­gria. To­dos que­ri­am ver o Ka­ma­tum­bo a pas­sar, por­que o ul­ti­ma­to de dez mi­nu­tos que lhe fo­ra da­do tam­bém che­ga­ra aos seus ou­vi­dos.

OP­ré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Artes (PNCA), a mais dis­tin­ção do Es­ta­do an­go­la­no aos fa­ze­do­res de Artes e Le­tras, foi es­te ano en­tre­gue, na área da li­te­ra­tu­ra, ao irreverent­e es­cri­tor Jo­sé Eduardo Agua­lu­sa, ve­la­da ou, por ve­zes mes­mo os­ten­si­va­men­te os­tra­ci­za­do por cer­tas vo­zes da po­lí­ti­ca e da cul­tu­ra an­go­la­na, não tan­to pe­la sua es­cri­ta, mas pe­las su­as in­ter­ven­ções po­lé­mi­cas no do­mí­nio da po­lí­ti­ca e da po­e­sia da ge­ra­ção da guer­ri­lha. Es­ta "aber­tu­ra" su­ge­re uma cla­ra des­com­pres­são do as­sé­dio po­lí­ti­co que o Go­ver­no an­go­la­no vi­nha man­ten­do so­bre o mun­do da Li­te­ra­tu­ra, cu­ja pra­ça for­te era a União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos.

O fac­to de o ter jú­ri des­ta­ca­do a con­tri­bui­ção das obras de Agua­lu­sa “pa­ra o sur­gi­men­to do leitor eman­ci­pa­do” e “pa­ra o for­ta­le­ci­men­to da ci­da­da­nia e da li­ber­da­de de ex­pres­são” é um cla­ro ma­ni­fes­to de re­con­ci­li­a­ção do po­der com os es­cri­to­res con­trá­ri­os ao Es­ta­do pa­tri­mo­ni­al que vi­go­rou du­ran­te dé­ca­das no país.

A ac­ta do jú­ri do pré­mio re­fe­re que Jo­sé Eduardo Agua­lu­sa foi dis­tin­gui­do pe­lo seu con­tri­bu­to pa­ra a pro­jec­ção da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na no mun­do, gra­ças a um “ex­ten­so e vi­tal per­cur­so cri­a­ti­vo”. “Eduardo Agua­lu­sa é su ici­en­te­men­te ou­sa­do, dis­rup­ti­vo e com­pro­me­ti­do com as cau­sas e pro­ble­má­ti­cas so­ci­ais e po­lí­ti­cas fun­da­men­tais des­te tem­po, o que lhe per­mi­te, amiú­de, po­si­ções in­te­lec­tu­ais que pri­vi­le­gi­am o dis­sen­so, a con­tro­vér­sia e a po­lé­mi­ca re le­xi­va”.

Pa­ra além do es­cri­tor Jo­sé Eduardo Agua­lu­sa, o Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Artes 2019 con­sa­grou, nas artes plás­ti­cas, o pin­tor Se­bas­tião Jo­a­quim N'De­be­le Cas­su­le, co­nhe­ci­do co­mo “Don Se­bas Cas­su­le”, pe­lo per­cur­so, pe­la ino­va­ção e pe­la par­ti­ci­pa­ção em even­tos na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, que lhe va­le­ram já pré­mi­os den­tro e fo­ra

- Lá vem ele!!! – Aler­tou um de­les, as­sim que Ka­ma­tum­bo as­so­mou.

- Cão Ci­da­dão, fo­ra!!! Qu­e­ri­as en­ga­nar o che­fe? Fo­ra, Cão Ci­da­dão!!! – Eu­fó­ri­cos, em unís­so­no, gri­ta­ram os de­mais.

Por par­te das pes­so­as nas­ceu uma ex­plo­são de di­cho­tes con­tra o an­ti­go homem-for­te do lu­xu­o­so ga­bi­ne­te do do seu país. O jú­ri des­ta­ca ain­da a for­te componente cri­a­ti­va da sua obra, con­subs­tan­ci­a­da em tra­ba­lhos de pin­tu­ra e de­se­nho, de­sen­vol­vi­da ao lon­go de mais de 20 anos “com mui­ta pe­rí­cia”.

O com­po­si­tor, in­tér­pre­te e au­tor Alberto Te­ta Lan­do foi dis­tin­gui­do, a tí­tu­lo pós­tu­mo, “pe­lo con­jun­to da sua obra, lon­ga, ri­ca, be­la e du­ra tra­jec­tó­ria mu­si­cal que sou­be can­tar os di­fe­ren­tes mo­men­tos his­tó­ri­cos do país, mis­tu­ran­do o dra­ma das re­a­li­da­des do con­tex­to vi­vi­do e a es­pe­ran­ça de os an­go­la­nos re­vi­ve­rem a paz”. As su­as com­po­si­ções tor­na­ram-se clás­si­cos do can­ci­o­nei­ro an­go­la­no e con­ti­nu­am a ser in­ter­pre­ta­das por ar­tis­tas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, acres­cen­ta o jú­ri.

A pro­mo­to­ra Glo­bo Di­ku­lu foi ga­lar­do­a­da na ca­te­go­ria te­a­tro, pe­lo FESTECA – Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro do Ca­zen­ga, um fes­ti­val anu­al de te­a­tro, re­a­li­za­do ao lon­go de 14 anos de for­ma “con­tí­nua e as­cen­den­te”. O jú­ri des­ta­ca a cri­a­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca, a es­té­ti­ca dos es­pec­tá­cu­los e a for­ma pe­cu­li­ar de abor­dar ques­tões da re­a­li­da­de do país da Glo­bo Di­ku­lu, que se tem ser­vi­do do te­a­tro pa­ra “in lu­en­ci­ar po­si­ti­va­men­te o cres­ci­men­to intelectua­l e so­ci­o­cul­tu­ral dos jo­vens so­bre os usos e cos­tu­mes de An­go­la”.

O in­ves­ti­ga­dor An­tó­nio Domingos, “To­ni Mu­la­to”, re­ce­beu o pré­mio des­ti­na­do à área da dan­ça, pe­lo seu per­cur­so de­di­ca­do à re­cu­pe­ra­ção das dan­ças car­na­va­les­cas, par­ti­cu­lar­men­te a dan­ça “Ca­be­ci­nha”, uma das pou­cas dan­ças 10º an­dar da Co­man­dan­te Va­ló­dia, sem­pre acom­pa­nha­dos de lon­gas ca­chi­na­das. Ka­ma­tum­bo, com as mãos va­zi­as, tal co­mo aí che­ga­ra, pren­deu o olhar no chão. Per­de­ra to­da a pe­tu­lân­cia. Gran­de ver­go­nha do­mi­na­va-o. An­da­va len­ta­men­te, à gui­sa de cão que ti­nha a al­ma fe­ri­da. Fal­ta­va-lhe ape­nas a cau­da en­tre as per­nas. po­pu­la­res car­na­va­les­cas que man­têm os tra­ços cul­tu­rais da an­go­la­ni­da­de.

No ci­ne­ma e au­di­o­vi­su­al, o pré­mio cou­be a Do­ri­val­do Cor­tez, com o jú­ri a des­ta­car a “veia cri­a­ti­va” com que tem pro­du­zi­do obras au­di­o­vi­su­ais pa­ra a edu­ca­ção so­bre ci­da­da­nia na­ci­o­nal.

A his­to­ri­a­do­ra Cons­tan­ça Cei­ta foi a pre­mi­a­da no âm­bi­to da In­ves­ti­ga­ção em Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas e So­ci­ais, pe­la sua obra O es­tra­nho des­ti­no de um ser­ta­ne­jo na Áfri­ca Cen­tral e Aus­tral: A trans­cul­tu­ra­ção de Silva Por­to (1838-1890), aten­den­do ao “ca­rác­ter ino­va­dor, a per­ti­nên­cia ci­en­ti ica e aca­dé­mi­ca” e o con­tri­bu­to pa­ra “um me­lhor co­nhe­ci­men­to da so­ci­e­da­de an­go­la­na e por con­se­guin­te pa­ra uma me­lhor com­pre­en­são das so­ci­e­da­des afri­ca­nas”.

Es­cri­tor Jo­sé Eduardo Agua­lu­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.