Tum­ba de Genghis Khan até ho­je des­co­nhe­ci­da

Jornal Cultura - - BARRA DO KWANZA - Www.his­tory.com

Uma das igu­ras mais ti­tâ­ni­cas da his­tó­ria, que lu­tou atra­vés da Ásia pa­ra cri­ar o mai­or im­pé­rio de terras já co­nhe­ci­do. Vis­to co­mo um con­quis­ta­dor as­sas­si­no que ex­ter­mi­nou mi­lhões em seu ca­mi­nho - e co­mo um he­rói de vi­são de fu­tu­ro que pro­mo­veu a li­ber­da­de re­li­gi­o­sa, in­cen­ti­vou o co­mér­cio e até cri­ou o pri­mei­ro sis­te­ma pos­tal in­ter­na­ci­o­nal - o go­ver­nan­te mon­gol é ob­jec­to de fas­cí­nio con­tí­nuo.

A in­tri­ga diz res­pei­to não ape­nas à sua vi­da , mas à sua mor­te. De­pois de qua­se 800 anos, a lo­ca­li­za­ção do lo­cal de des­can­so fi­nal de Genghis Khan per­ma­ne­ce um mis­té­rio. A sua tum­ba e o seu conteúdo ofe­re­ce­ri­am uma vi­são sem pre­ce­den­tes do im­pé­rio mon­gol do sé­cu­lo XIII. Mas, se­gun­do o pró­prio pro­jec­to do Khan, nun­ca foi fei­to pa­ra ser en­con­tra­do.

Genghis Khan foi no­me­a­do Temü­jin quan­do nas­ceu por vol­ta de 1162. Seus anos de for­ma­ção fo­ram, no mí­ni­mo, tur­bu­len­tos. Aos no­ve anos, o pai de Temü­jin foi en­ve­ne­na­do até à mor­te por mem­bros de um clã tár­ta­ro ri­val. Ele, sua mãe e ir­mãos fo­ram aban­do­na­dos pe­lo seu pró­prio clã e dei­xa­dos pa­ra mor­rer de fo­me. Pou­co de­pois, Temü­jin as­sas­si­nou seu pró­prio meio-ir­mão. Em 1178, ele se ca­sou com Bör­te, de 17 anos, que foi ra­pi­da­men­te se­ques­tra­da por mem­bros de uma tri­bo Mer­kit e man­ti­da por oi­to me­ses. Temü­jin ata­cou os Mer­kits e re­cu­pe­rou Bör­te. Foi o pri­mei­ro do que se tor­na­ria uma vi­da in­tei­ra de ata­ques vi­o­len­tos e sa­que­a­do­res.

Em 1206, Temü­jin, ago­ra go­ver­nan­te das pla­ní­ci­es mon­góis, ha­via sub­ju­ga­do e uni­do su­as tri­bos em guer­ra, cri­an­do o Im­pé­rio Mon­gol. Ele adop­tou o no­me Genghis Khan ("lí­der uni­ver­sal") e ini­ci­ou uma sé­rie de con­quis­tas vi­o­len­tas que re­sul­ta­ri­am num im­pé­rio que se es­ten­dia por cer­ca de 15 mi­lhões de qui­ló­me­tros qua­dra­dos, da cos­ta do Pa­cí­fi­co da Chi­na à Eu­ro­pa Cen­tral. É im­pos­sí­vel sa­ber quan­tos mor­re­ram nas guer­ras de Genghis Khan, mas as es­ti­ma­ti­vas dos es­tu­di­o­sos che­gam a de­ze­nas de mi­lhões.

Co­mo a sua vi­da, a mor­te de Genghis Khan, num cam­po de ba­ta­lha chi­nês em 1227, ra­pi­da­men­te se tor­nou cer­ca­da por bo­a­tos e mi­to­lo­gia. Ti­fo, ma­lá­ria, bru­xa­ria, raios e sep­ti­ce­mia de uma fe­ri­da de fle­cha es­tão en­tre as cau­sas es­pe­cu­la­das da sua mor­te. Mui­to pro­va­vel­men­te, Genghis Khan mor­reu de uma cau­sa re­la­ti­va­men­te mun­da­na: fe­ri­men­tos in­ter­nos de­pois de cair do seu ca­va­lo. Mas é aqui que as coi­sas fi­cam in­te­res­san­tes no­va­men­te.

Na cul­tu­ra mon­gol do sé­cu­lo XIII, os de al­to sta­tus ten­di­am a ser en­ter­ra­dos nu­ma pla­ní­cie aber­ta, jun­ta­men­te com ca­va­los, ar­mas, ou­ro e pra­ta. Acre­di­ta­va-se que o fa­le­ci­do pre­ci­sa­ria des­ses itens e com­pa­nhei­ros na sua jor­na­da pa­ra a vi­da após a mor­te. Uma abor­da­gem al­ter­na­ti­va era in­gir en­ter­rar a pes­soa mor­ta per­to do seu yurt, mas, na ver­da­de, en­ter­rá-los nu­ma co­va nou­tro lu­gar, com o seu es­cra­vo fa­vo­ri­to. Es­sa pes­soa, ain­da vi­va, per­ma­ne­ce­ria na co­va por três di­as com o mes­tre fa­le­ci­do. Se so­bre­vi­ves­se à ex­pe­ri­ên­cia, era li­ber­ta­do e tratado com re­ve­rên­cia. In­de­pen­den­te­men­te dis­so, o tú­mu­lo se­ria pre­en­chi­do e pi­sa­do por ca­va­los e ga­do pa­ra es­con­der a lo­ca­li­za­ção.

Da­da a ex­ten­são da sua pi­lha­gem, o tú­mu­lo de Genghis Khan po­de con­ter to­dos os ti­pos de te­sou­ros an­ti­gos re­ti­ra­dos de vas­tas fai­xas da Chi­na e da Pér­sia. Mas nin­guém sa­be se o seu en­ter­ro es­ta­va de acor­do com a tra­di­ção, por­que a tum­ba nun­ca foi en­con­tra­da. Uma len­da con­ta que os es­cra­vos que o en­ter­ra­ram fo­ram mas­sa­cra­dos pa­ra ga­ran­tir que nun­ca traís­sem o lo­cal. (En­tão, ape­nas por uma boa me­di­da, aque­les que ize­ram o mas­sa­cre fo­ram mas­sa­cra­dos.)

Em­bo­ra a des­co­ber­ta da tum­ba de Genghis Khan se­ja ex­tre­ma­men­te em­pol­gan­te do pon­to de vis­ta ar­que­o­ló­gi­co, ho­je os mon­góis não gos­tam de pes­so­as bis­bi­lho­tan­do as pla­ní­ci­es pro­cu­ran­do os os­sos do seu an­ti­go lí­der. O le­ga­do de Genghis Khan é com­ple­xo - seu ex­ter­mí­nio ge­ne­ra­li­za­do de po­vos ven­ci­dos é di ícil de com­pre­en­der, mas ele tam­bém uni icou as tri­bos das es­te­pes em guer­ra, apoi­ou a li­ber­da­de re­li­gi­o­sa e ins­ti­tuiu um sis­te­ma de es­cri­ta e um cen­so. Por es­ses mo­ti­vos e mui­tos ou­tros, os mon­góis con­si­de­ram Genghis Khan um he­rói na­ci­o­nal e con­si­de­ram a ideia de ar­queó­lo­gos que per­tur­bam seus res­tos mor­tais um in­sul­to.

Es­sa pers­pec­ti­va não im­pe­diu que ar­queó­lo­gos e lei­gos en­tras­sem no pro­jec­to "Whe­re's Genghis?" Em 1990, após o tér­mi­no da ocu­pa­ção so­vié­ti­ca da Mon­gó­lia, o ar­queó­lo­go mon­gol Dr. Di­i­ma­a­jav Er­de­ne­ba­a­tar co-fun­dou a pri­mei­ra ex­pe­di­ção pa­ra en­con­trar o tú­mu­lo. Lo­go foi can­ce­la­do após in­dig­na­ção pú­bli­ca.

Um de­sen­vol­vi­men­to mais re­cen­te foi o uso de ima­gens de sa­té­li­te e crowd­sour­cing pa­ra pro­cu­rar pos­sí­veis lo­cais de tum­bas. Em 2010, o pro­je­to Val­ley of the Khans da Na­ti­o­nal Ge­o­graphic con­vi­dou vo­lun­tá­ri­os com aces­so à In­ter­net a vas­cu­lhar ima­gens de al­ta re­so­lu­ção da Mon­gó­lia e pon­tos de ban­dei­ra que pa­re­ci­am pos­sí­veis lo­cais de se­pul­ta­men­to. Dez mil pes­so­as par­ti­ci­pa­ram, si­na­li­zan­do 2,3 mi­lhões de lo­cais num pe­río­do de mais de três anos. Os pes­qui­sa­do­res iden­ti­fi­ca­ram 100 lo­cais aces­sí­veis, 55 dos quais fo­ram de­ter­mi­na­dos co­mo ten­do sig­ni­fi­ca­do ar­que­o­ló­gi­co. Mas ne­nhum des­ses 55 é, até on­de sa­be­mos, o tú­mu­lo de Genghis Khan.

Vá­ri­os lo­cais su­ge­ri­dos pa­ra se­pul­tu­ras apa­re­ce­ram no re­gis­to his­tó­ri­co. Um lu­gar fre­quen­te­men­te men­ci­o­na­do é Bur­kan Khal­dun , uma mon­ta­nha na pro­vín­cia de Khen­tii, no nor­des­te da Mon­gó­lia. Gen­gis Khan nas­ceu nas pro­xi­mi­da­des, e a mon­ta­nha pas­sou a ter um gran­de sig­ni­fi­ca­do es­pi­ri­tu­al pa­ra ele. A His­tó­ria Se­cre­ta dos Mon­góis , um tex­to mon­gol es­cri­to ano­ni­ma­men­te após a sua mor­te, afir­ma que Genghis Khan uma vez o elo­gi­ou da se­guin­te ma­nei­ra: “To­das as ma­nhãs vou sa­cri­fi­car a Burqan Qal­dun, to­dos os di­as ora­rei a ele: os fi­lhos de meus fi­lhos de­vem es­tar aten­tos a is­so e fa­zer o mes­mo!” Faz sen­ti­do co­mo um lo­cal de se­pul­ta­men­to, e ain­da as­sim ne­nhum ves­tí­gio do go­ver­nan­te mon­gol foi en­con­tra­do.

Burkhan Khal­dun ago­ra faz par­te da Área Es­tri­ta­men­te Pro­te­gi­da de Khan Khen­tii, o que sig­ni ica que os pes­qui­sa­do­res es­tão proi­bi­dos de vi­si­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.