A tra­du­ção li­te­rá­ria que ain­da (não) se faz

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - GAS­PAR MICOLO

Co­nhe­ci­do pe­la sua po­e­sia re­cen­te­men­te pre­mi­a­da, Hélder Sim­bad re­gres­sa ao mer­ca­do li­te­rá­rio com uma obra es­pe­ci­al: tra­du­ção li­te­rá­ria. Li­cen­ci­a­do em Lín­guas e Ad­mi­nis­tra­ção pe­la Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de An­go­la (UCAN), o es­cri­tor e crí­ti­co li­te­rá­rio apre­sen­ta, no dia 8 de No­vem­bro na UCAN, a sua pes­qui­sa "Tra­du­ção Li­te­rá­ria: Aná­li­se Con­tras­ti­va das Tra­du­ções de Co­ra­ção Te­lú­ri­co de Lo­pi­to Fei­jóo (In­glês/ Fran­cês)".

Re­ve­lan­do-se uma aná­li­se à tra­du­ção li­te­rá­ria em An­go­la, o au­tor, além do tra­ba­lho com­pa­ra­ti­vo das Tra­du­ções de Co­ra­ção Te­lú­ri­co de Lo­pi­to Fei­jóo, lem­bra o no­tá­vel va­zio de tra­du­ções no país, so­bre­tu­do aque­las re­a­li­za­das por pro is­si­o­nais an­go­la­no; jus­ti ican­do as­sim que, "a inér­cia nos es­tu­dos li­te­rá­ri­os, a fal­ta de ins­ti­tui­ções es­pe­cí icas e a ine­xis­tên­cia du­ma crí­ti­ca pre­o­cu­pa­da com os fac­tos li­te­rá­ri­os de­cor­ren­tes da tra­du­ção", le­va­ram o tra­du­tor a efec­tu­ar a pes­qui­sa.

No pri­mei­ro ca­pí­tu­lo, apre­sen­tan­do a ne­ces­sá­ria fun­da­men­ta­ção teó­ri­ca, a aná­li­se de Sim­bad in­ci­de em tor­no do con­cei­to de (1) Te­o­ria da Tra­du­ção, que é uma dis­ci­pli­na ca­re­cen­do de es­pe­ci­a­li­za­ção e vi­ve o dra­ma da de­fi­ni­ção de um es­pe­cí­fi­co ob­jec­to de es­tu­do. Se­gue-se o ines­go­tá­vel te­ma (2) a Na­tu­re­za da Li­te­ra­tu­ra, que, à par­ti­da, se evi­den­cia co­mo o pri­mei­ro obs­tá­cu­lo, dos mui­tos que o tra­du­tor li­te­rá­rio en­fren­ta, fa­zen­do da (3) Tra­du­ção Li­te­rá­ria a Tra­du­ção Pos­sí­vel, cu­ja (4) le­gi­ti­ma­ção se de­ve a Ma­ni­pu­la­ti­on Scho­ol que con­fe­riu Vi­si­bi­li­da­de ao tra­du­tor, apro­xi­man­do (5) a Tra­du­ção Li­te­rá­ria à Cri­a­ção Li­te­rá­ria (6). O au­tor to­ma a li­ber­da­de de usar o sin­tag­ma (7) In­tra­du­ti­bi­li­da­de da Po­e­sia Lí­ri­ca co­mo me­tá­fo­ra ex­pli­ca­ti­va re­fe­rin­do-se à com­ple­xi­da­de da tra­du­ção poé­ti­ca, fi­na­li­zan­do com uma im­por­tan­te abor­da­gem so­bre a tra­du­ção li­te­rá­ria em An­go­la (8) pro­pon­do o te­ma: a Tra­du­ção co­mo Re­co­nhe­ci­men­to de uma Ins­ti­tui­ção Li­te­rá­ria.

E, so­bre es­te úl­ti­mo pon­to, im­por­tar tra­zer as po­si­ções do au­tor, que, es­sen­ci­al­men­te, jus­ti icam a ne­ces­si­da­de da pes­qui­sa que efec­tu­ou. Sim­bad, re­cor­ren­do a tes­te­mu­nhos de au­to­res na­ci­o­nais, cons­ta­ta que "de­vi­do a fa­lên­cia das ins­ti­tui­ções, os es­cri­to­res em An­go­la ca­mi­nham com os pró­pri­os pés", bus­can­do as­sim "a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção com mei­os pró­pri­os". A tí­tu­lo de exem­plo, dá con­ta que as três ver­sões (in­gle­sa, fran­ce­sa e ita­li­a­na) do Co­ra­ção Te­lú­ri­co de Lo­pi­to Fei­jóo, nas­ce­ram da ini­ci­a­ti­va do pró­prio au­tor. To­ma ain­da co­mo exem­plo o ro­man­ce O Rei­no das Ca­su­a­ri­nas de Jo­sé Luís Men­don­ça, que foi tra­du­zi­do pa­ra o su­e­co por ini­ci­a­ti­va da tra­du­to­ra su­e­ca Gu­nil­la Win­berg, de­ten­to­ra da edi­to­ra San­ta Rei, que vi­ria a pu­bli­car a obra na Sué­cia, em 2017.

"As tra­du­ções de obras de au­to­res na­ci­o­nais de­mons­tram al­gum re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal, mas a ver­da­de é que, An­go­la ain­da não atin­giu os ní­veis de mui­tos paí­ses afri­ca­nos e o nú­me­ro de men­ções ou no­me­a­ções em pré­mi­os li­te­rá­ri­os in­ter­na­ci­o­nais fo­ra do es­pa­ço lu­só­fo­no po­de ser­vir de ba­ró­me­tro pa­ra me­dir o im­pac­to das obras dos es­cri­to­res an­go­la­nos lá fo­ra."

No se­gun­do ca­pí­tu­lo, Sim­bad apre­sen­ta uma abor­da­gem crí­ti­ca so­bre as an­ti­no­mi­as en­tre as ver­sões fran­ce­sa e in­gle­sa da obra Co­ra­ção Te­lú­ri­co, que nas­ce da ne­ces­si­da­de de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da po­e­sia do au­tor, ele­gen­do co­mo mo­de­lo de aná­li­se a te­o­ria de Ro­mam In­gar­den so­bre os ex­trac­tos de uni­da­des de sen­ti­do.

No ter­cei­ro e úl­ti­mo ca­pí­tu­lo, o dos ane­xos, o au­tor se­lec­ci­o­na tra­ba­lhos de qua­tro co­le­gas (He­le­na Ti­mó­teo, Abe­li­na Mas­san­ga, Luí­sa Fres­ta e Agostinho João), os quais jul­ga ne­ces­sá­ri­os por abor­dar o te­ma tra­du­ção. E aqui des­ta­ca­mos a abor­da­gem crí­ti­ca de Agostinho João so­bre a ver­são portuguesa de Un Océan, Deux Mers,Trois con­ti­nents, do es­cri­tor con­go­lês Wil­fri­ed N’son­dé, tra­ba­lho de re­co­nhe­ci­do mé­ri­to efec­tu­a­do pe­lo es­cri­tor e dra­ma­tur­go Me­na Abran­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.