Gran­des Mo­a­gens pou­pam em di­vi­sas

NO­VA UNI­DA­DE IN­DUS­TRI­AL Em­pre­en­di­men­to co­bre ses­sen­ta por cen­to das ne­ces­si­da­des anu­ais

Jornal de Angola - - PARTADA -

As Gran­des Mo­a­gens, cu­ja pri­mei­ra uni­da­de in­dus­tri­al vai ser inau­gu­ra­da na pró­xi­ma sexta-feira pelo mi­nis­tro da De­fe­sa, João Lou­ren­ço, vão per­mi­tir pou­par 200 mi­lhões de dó­la­res.

As Gran­des Mo­a­gens de An­go­la, cu­ja pri­mei­ra uni­da­de in­dus­tri­al vai ser inau­gu­ra­da na pró­xi­ma sexta-feira pelo mi­nis­tro da De­fe­sa, João Lou­ren­ço, vão per­mi­tir pou­par mais de 200 mi­lhões de dó­la­res, ao ne­ces­si­tar ape­nas de 96 mi­lhões con­tra uma mé­dia de 300 mi­lhões des­pen­di­dos, por ano, na importação da fa­ri­nha de tri­go.

Uma no­ta da ins­ti­tui­ção, que ci­ta da­dos do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res (CNC), re­fe­re que, em 2014 e 2015, An­go­la des­pen­deu 570 mi­lhões na importação de fa­ri­nha de tri­go, sen­do 250 mi­lhões para 470.000 to­ne­la­das em 2014 e 320 mi­lhões de dó­la­res para 510.000 to­ne­la­das em 2015. Com uma mé­dia de importação de cer­ca de 500.000 to­ne­la­das (300 mi­lhões de dó­la­res), em 2016, o país te­ve uma pou­pan­ça em di­vi­sas de 90 mi­lhões.

O em­pre­en­di­men­to, que em­pre­ga 150 an­go­la­nos, tem ca­pa­ci­da­de para for­ne­cer 60 por cen­to das ne­ces­si­da­des anu­ais de con­su­mo. An­tes da cri­se cam­bi­al, o mer­ca­do na­ci­o­nal con­su­mia, por ano, uma mé­dia de 650.000 to­ne­la­das por ano, mas esta quan­ti­da­de re­gis­tou uma que­da sig­ni­fi­ca­ti­va nos úl­ti­mos três anos.

Es­ti­ma-se que, até 2020, o con­su­mo de fa­ri­nha de tri­go em An­go­la ve­nha a ser, em mé­dia, de 730.000 to­ne­la­das por ano. O co­mu­ni­ca­do da ins­ti­tui­ção acre­di­ta que a aber­tu­ra da fábrica de fa­ri­nha de tri­go vai in­cen­ti­var ou­tros in­ves­ti­do­res a apos­ta­rem na fa­bri­ca­ção de pro­du­tos que uti­li­zam fa­ri­nha de tri­go no seu pro­ces­so, co­mo bis­coi­tos, pas­te­la­ria e mas­sas.

“Esta po­ten­ci­al in­te­gra­ção ver­ti­cal vai be­ne­fi­ci­ar o país na trans­fe­rên­cia de uma tec­no­lo­gia de ali­men­tos, na cri­a­ção de em­pre­gos, ao mesmo tem­po que vai ali­vi­ar os pro­ble­mas so­ci­ais, por úl­ti­mo, mas não me­nos im­por­tan­te, tor­nan­do-se um pro­du­tor lo­cal no cam­po de pro­du­tos bá­si­cos”, lê-se no co­mu­ni­ca­do.

A par dis­so, a ins­ti­tui­ção pre­vê o sur­gi­men­to de po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res na ca­deia de va­lor, no­me­a­da­men­te em pro­jec­tos de cul­ti­vo de tri­go que tam­bém es­tão em con­so­nân­cia com a pri­o­ri­da­de do Go­ver­no para o de­sen­vol­vi­men­to do sec­tor agrí­co­la.

Mai­or qua­li­da­de

A uni­da­de in­dus­tri­al de mo­a­gem de tri­go, ins­ta­la­da no Por­to de Lu­an­da, vai pro­du­zir fa­ri­nha de tri­go para con­su­mo hu­ma­no e fa­re­lo (sub­pro­du­to) uti­li­za­do co­mo ma­té­ria-pri­ma nas ra­ções para ani­mais.

As Gran­des Mo­a­gens de An­go­la, uma em­pre­sa de capital an­go­la­no, já re­ce­be­ram, no Por­to de Lu­an­da, o pri­mei­ro car­re­ga­men­to de tri­go a gra­nel para ser pro­ces­sa­do com a fle­xi­bi­li­da­de ne­ces­sá­ria para pro­du­zir fa­ri­nha de di­fe­ren­tes va­ri­e­da­des, con­for­me as ne­ces­si­da­des do mer­ca­do lo­cal.

“Os pro­du­tos pro­du­zi­dos na GMA te­rão uma qua­li­da­de su­pe­ri­or aos pro­du­tos se­me­lhan­tes ac­tu­al­men­te im­por­ta­dos, uma vez que os equi­pa­men­tos uti­li­za­dos na uni­da­de in­dus­tri­al são da mais avan­ça­da tec­no­lo­gia (Buh­ler) e as ma­té­ri­as-pri­mas a uti­li­zar são se­lec­ci­o­na­das em fun­ção das ne­ces­si­da­des lo­cais”, ga­ran­te.

As ins­ta­la­ções da GMA ocu­pam uma área to­tal de, apro­xi­ma­da­men­te, 30.000 me­tro qua­dra­dos, di­vi­di­dos por um edi­fí­cio in­dus­tri­al, dois ar­ma­zéns de pro­du­tos fi­nais, uma área de ar­ma­ze­na­men­to de ma­té­ri­as-pri­mas (si­los) para 45 di­as de pro­du­ção, área téc­ni­ca com­pos­ta por vá­ri­as uti­li­da­des, edi­fí­cio de es­cri­tó­ri­os com la­bo­ra­tó­rio pró­prio e pa­da­ria in­dus­tri­al à es­ca­la la­bo­ra­to­ri­al para for­ma­ção da in­dús­tria lo­cal, can­ti­na e parque para ca­miões. In­clui ainda equi­pa­men­tos es­pe­cí­fi­cos para des­car­re­gar e car­re­gar na­vi­os de gran­de ca­pa­ci­da­de.

A uni­da­de in­dus­tri­al te­rá uma ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to diário de 1.200 to­ne­la­das de tri­go, pro­du­zin­do cer­ca de 930 de fa­ri­nha de tri­go e 260s de fa­re­lo por dia. Para que is­so acon­te­ça, a GMA pas­sa a im­por­tar ma­té­ria-pri­ma di­rec­ta­men­te dos lo­cais onde esta é pro­du­zi­da, no­me­a­da­men­te da Fran­ça, Ale­ma­nha, Ca­na­dá, EUA, Ca­za­quis­tão e Aus­trá­lia, entre ou­tros re­cor­ren­do aos ser­vi­ços do seu de­par­ta­men­to de tra­ding e lo­gís­ti­ca. A ma­té­ria-pri­ma é ar­ma­ze­na­da em si­los ver­ti­cais após uma pré-lim­pe­za para re­mo­ção de im­pu­re­zas e/ou ou­tros re­sí­du­os, sen­do pos­te­ri­or­men­te mis­tu­ra­da de for­ma a atin­gir os pa­râ­me­tros de qua­li­da­de que se pre­ten­dem de acor­do com o ti­po de fa­ri­nha a pro­du­zir.

O en­sa­ca­men­to fi­nal da fa­ri­nha é efec­tu­a­do em sa­cos de 50 qui­lo­gra­mas, sen­do pos­te­ri­or­men­te ar­ma­ze­na­dos até à ex­pe­di­ção. O ar­ma­zém de fa­ri­nha tem uma ca­pa­ci­da­de para cin­co di­as de ar­ma­ze­na­men­to.

O sub­pro­du­to fa­re­lo vai ser pe­le­ti­za­do e ar­ma­ze­na­do em ar­ma­zém ho­ri­zon­tal, a gra­nel, para ser pos­te­ri­or­men­te ex­pe­di­do, quer por na­vio, por ca­mião, quer por com­boio, de­pen­den­do do seu des­ti­no fi­nal. O ar­ma­zém de fa­re­lo pe­le­ti­za­do tem ca­pa­ci­da­de para 30 di­as de ar­ma­ze­na­men­to.

AN­TÓ­NIO SO­A­RES|EDIÇÕES NO­VEM­BRO|CA­BIN­DA

No­va uni­da­de in­dus­tri­al vai im­pul­si­o­nar in­ves­ti­men­tos em mais pas­te­la­ri­as e pro­vo­car es­ta­bi­li­da­de de pre­ços no mer­ca­do de pa­ni­fi­ca­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.