Ar­tis­ta des­ta­ca pa­pel das ar­tes afri­ca­nas

Cri­a­ções das ar­tis­tas Keye­zua e Ri­ta Gt es­tão pa­ten­tes a par­tir de ho­je até do­min­go, no “Sis­terho­od is Fo­re­ver”

Jornal de Angola - - CULTURA - Amil­da Ti­bé­ria

As ar­tes plás­ti­cas afri­ca­nas po­dem “que­brar o si­lên­cio” e se im­por a ní­vel mun­di­al, ca­so co­me­cem a ex­pan­dir as his­tó­ri­as so­bre as su­as ori­gens, sob uma pers­pec­ti­va di­fe­ren­te do pon­to de vis­ta es­té­ti­co, de­fen­deu, em Lu­an­da, a ar­tis­ta Keye­zua.

Co­mo uma das con­vi­da­das da edi­ção do pro­jec­to “Sis­terho­od is Fo­re­ver”, que acon­te­ce a par­tir de ho­je até ao pró­xi­mo dia 21, na ga­le­ria Lon­don Art Fair, em Lon­dres, In­gla­ter­ra, nu­ma ini­ci­a­ti­va da ga­le­ria Mov’art, a ar­tis­ta cha­mou a aten­ção re­la­ti­va­men­te ao pa­pel de­ci­si­vo que as ar­tes afri­ca­nas po­dem ter na mu­dan­ça de uma vi­são es­té­ti­ca e ar­tís­ti­ca mun­di­al.

A par da ar­tis­ta por­tu­gue­sa Ri­ta Gt, Keye­zua é um dos no­mes do pro­jec­to, que pro­me­te mos­trar a gran­de­za das ar­tes afri­ca­nas. “Sis­terho­od is Fo­re­ver”, ex­pli­ca, é a de­sig­na­ção de uma sé­rie an­to­ló­gi­ca so­bre a his­tó­ria das mu­lhe­res e do fe­mi­nis­mo, atra­vés da vi­são da ac­ti­vis­ta e es­cri­to­ra Ro­bin Mor­gan.

A in­ser­ção de um pou­co da vi­da e quo­ti­di­a­no das mu­lhe­res an­go­la­nas nes­te pro­jec­to, abre, pa­ra a ar­tis­ta, no­vas por­tas pa­ra se ver a Áfri­ca, par­ti­cu­lar­men­te uma on­de o fe­mi­ni­no tem uma pre­sen­ça ac­ti­va.

A ex­po­si­ção, su­bli­nha, é re­sul­tan­te de uma co­la­bo­ra­ção en­tre ar­tis­tas de Lu­an­da e Lis­boa, as­sim co­mo ou­tras de ou­tros paí­ses, to­das com o fe­mi­ni­no co­mo en­fo­que. A ins­ta­la­ção, a ser exi­bi­da em Lon­dres evo­ca “ar­qui­tec­tu­ras e ima­gens ver­na­cu­la­res an­go­la­nas, que usam a sá­ti­ra e vá­ri­as ima­gens exó­ti­cas afri­ca­nas, por meio de pin­tu­ras e co­la­gens, mas usan­do o cor­po fe­mi­ni­no co­mo fon­te de diá­lo­go so­bre ir­man­da­de”.

Ao to­do são 24 mu­lhe­res de ori­gem ma­o­ri, cur­da, asiá­ti­ca e afri­ca­na que sob a or­ga­ni­za­ção de Mi­sal Ad­nan Yil­diz, mos­tram tra­ba­lhos so­bre a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de e re­con­tex­tu­a­li­za­ção das mu­lhe­res.

Ao lon­go do tra­ba­lho, as ar­tis­tas pro­cu­ram es­tu­dar e mos­trar a in­te­ra­ção cul­tu­ral co­mo meio de adi­ci­o­nar um acor­do jus­to à aná­li­se so­bre as mu­lhe­res, bem co­mo vá­ri­os ou­tros prin­cí­pi­os eman­ci­pa­do­res re­la­ci­o­na­dos com o fe­mi­ni­no.

O ob­jec­ti­vo do pro­jec­to é pro­por­ci­o­nar um cli­ma de re­fle­xão so­bre as re­a­li­da­des e ex­pe­ri­ên­ci­as vi­vi­das, for­ne­cen­do igual­men­te uma es­tru­tu­ra ca­paz de iden­ti­fi­car es­tra­té­gi­as que pos­sam apon­tar o de­do às con­di­ções de opres­são na so­ci­e­da­de con­tra as mu­lhe­res. Além de au­men­tar a vi­si­bi­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal e a re­le­vân­cia das mu­lhe­res nas ar­tes em An­go­la e Por­tu­gal, a ex­po­si­ção ser­ve ain­da pa­ra cri­ar um diá­lo­go con­tí­nuo so­bre “a cri­a­ção de co­a­li­zões com ba­se em afi­ni­da­des e es­pe­ci­fi­ci­da­des”.

“Lu­an­da tem si­do uma fon­te on­de am­bas as ar­tis­tas, ex­plo­ram o con­cei­to de ir­man­da­de atra­vés da iden­ti­da­de de no­vas prá­ti­cas de co­la­bo­ra­ção Áfri­caEu­ro­pa, fei­tas pa­ra irem além das iden­ti­da­des bi­ná­ri­as na­ci­o­nais e pós-co­lo­ni­ais”, dis­se.

A ex­po­si­ção é re­sul­tan­te de uma co­la­bo­ra­ção en­tre ar­tis­tas de Lu­an­da e Lis­boa, as­sim co­mo ou­tras de ou­tros paí­ses, to­das com o fe­mi­ni­no co­mo en­fo­que

A ex­po­si­ção, que é uma das atrac­ções des­ta 30ª edi­ção da Lon­don Art Fair, uma pla­ta­for­ma in­ter­na­ci­o­nal de Diá­lo­gos, con­ta, pe­la pri­mei­ra vez, com a par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na ex­clu­si­va de ar­tis­tas cu­jos tra­ba­lhos abor­dam o gé­ne­ro e a iden­ti­da­de cul­tu­ral.

Per­fil das ar­tis­tas

Keye­zua é uma ar­tis­ta an­go­la­na gra­du­a­da pe­la Royal Aca­demy of Arts. O seu tra­ba­lho ex­plo­ra o re­nas­ci­men­to afri­ca­no. Co­mo con­ta­do­ra de his­tó­ri­as do con­tem­po­râ­neo, a sua ar­te cres­ce em his­tó­ri­as in­di­vi­du­ais, re­tra­ta­das em fil­mes, pin­tu­ras, po­e­mas e es­cul­tu­ras. Tem qua­dros ex­pos­tos em An­go­la, Ho­lan­da, Áfri­ca do Sul, Es­ta­dos Uni­dos, In­gla­ter­ra, Etió­pia, Ni­gé­ria e Ma­li.

A ou­tra ar­tis­ta con­vi­da­da pa­ra es­ta ex­po­si­ção, as­se­gu­ra­da pe­la ga­le­ria Mov’Art, é Ri­ta Gt, que vi­ve e tra­ba­lha en­tre Por­tu­gal e An­go­la. Li­cen­ci­a­da em De­sign de Co­mu­ni­ca­ção pe­la Fa­cul­da­de de Be­las Ar­tes da Uni­ver­si­da­de do Por­to (2003), fez a pós-gra­du­a­ção na Es­co­la Mau­maus em Lis­boa(2004/2005).

In­ter­ven­ti­va e crí­ti­ca, nas men­sa­gens que trans­mi­te com a sua obra, a ar­tis­ta abor­da te­mas co­mo a me­mó­ria, a iden­ti­da­de ou a im­por­tân­cia da de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos. O fac­to de ter vi­vi­do em di­fe­ren­tes paí­ses faz com que te­nha uma vi­são alar­ga­da, equa­ci­o­nan­do e va­lo­ri­zan­do di­fe­ren­tes cul­tu­ras e pon­tos de vis­ta da his­tó­ria.

MARIA AUGUSTA | EDIÇÕES NOVEMBRO Ar­tis­tas Keye­zua e Ri­ta Gt mos­tram as re­cen­tes cri­a­ções na ga­le­ria Lon­don Art Fair

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.