Sin­prof po­de ser ex­pul­so de or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais

Sin­di­ca­to an­go­la­no de pro­fes­so­res tem quo­tas atra­sa­das, es­ti­ma­das em mi­lha­res de eu­ros e pe­de a in­ter­ven­ção das au­to­ri­da­des ban­cá­ri­as pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ade­li­na Iná­cio

dos Pro­fes­so­res (Sin­prof) po­de ser ex­pul­so de or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais de edu­ca­ção em que é mem­bro ca­so não pa­gue, até fi­nal des­te mês, as dí­vi­das de três anos que tem em atra­so, re­ve­lou on­tem, em Lu­an­da, a se­cre­tá­ria-ge­ral da or­ga­ni­za­ção, Her­mí­nia Fer­rei­ra do Nas­ci­men­to.

A sin­di­ca­lis­ta, que fa­la­va de­pois do en­con­tro com os de­pu­ta­dos da Co­mis­são de Saú­de, Edu­ca­ção, En­si­no Su­pe­ri­or , Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, ex­pli­cou que o Sin­prof es­tá fi­li­a­do em or­ga­ni­za­ções co­mo a In­ter­na­ci­o­nal da Edu­ca­ção (IE), In­ter­na­ci­o­nal da Edu­ca­ção pa­ra Re­gião de Áfri­ca (IERAF), a SA­TO (Or­ga­ni­za­ção de Pro­fes­so­res da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na), por não ter hon­ra­do com o pa­ga­men­to das quo­tas anu­ais.

O sin­di­ca­to de­ve pa­gar à In­ter­na­ci­o­nal da Edu­ca­ção (IE) mais de no­ve mil eu­ros. Em 2016, o Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res de­via pa­gar a es­ta or­ga­ni­za­ção 3.208 eu­ros, em 2017, 3.120 eu­ros e es­te ano 2.960. “Re­ce­be­mos um ul­ti­ma­to des­ta or­ga­ni­za­ção de que, ca­so não pa­gue­mos até 30 des­te mês, dei­xa­mos de fa­zer par­te des­ta or­ga­ni­za­ção”, dis­se a se­cre­tá­ria-ge­ral do Sin­prof.

Her­mí­nia Fer­rei­ra do Nas­ci­men­to, que so­li­ci­tou a in­ter­ven­ção da As­sem­bleia Na­ci­o­nal jun­to do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la e de ban­cos co­mer­ci­ais (pri­va­dos), in­for­mou aos de­pu­ta­dos que, des­de 2016, os ban­cos quer o BNA co­mo os ban­cos co­mer­ci­ais não têm dis­po­ni­bi­li­za­do cer­ca de qua­tro mil eu­ros anu­ais pa­ra o pa­ga­men­to das quo­tas.

A se­cre­tá­ria-ge­ral do Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res so­li­ci­tou igual­men­te o apoio dos de­pu­ta­dos pa­ra que o es­ta­tu­to da or­ga­ni­za­ção se­ja pu­bli­ca­do em Diá­rio da Re­pú­bli­ca. Se­gun­do a sin­di­ca­lis­ta, a fal­ta de pu­bli­ca­ção dos es­ta­tu­tos tem pro­vo­ca­do al­guns cons­tran­gi­men­tos nas re­la­ções com os ban­cos co­mer­ci­ais e ou­tras en­ti­da­des.

Her­mí­nia Fer­rei­ra la­men­tou a fal­ta de diá­lo­go en­tre os Mi­nis­té­ri­os das Fi­nan­ças, da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al e da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e Re­for­ma do Es­ta­do, e de ins­ti­tui­ções que in­ter­vêm nas de­ci­sões re­la­ti­vas aos pro­fes­so­res.

Pre­o­cu­pa­ções

Du­ran­te o en­con­tro, os sin­di­ca­lis­tas apre­sen­ta­ram as su­as pre­o­cu­pa­ções em re­la­ção ao ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo, a pas­sa­gem ime­di­a­ta dos pro­fes­so­res even­tu­ais pa­ra o re­gi­me de­fi­ni­ti­vo, a im­ple­men­ta­ção do sub­sí­dio de iso­la­men­to, re­du­ção ex­ces­si­va de alu­nos por sa­la, dis­tri­bui­ção equi­ta­ti­va e atem­pa­da do ma­te­ri­al di­dác­ti­co, me­ren­da es­co­lar , aces­so às ins­ti­tui­ções pú­bli­cas de for­ma­ção de pro­fes­so­res, a me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho nas es­co­las e a tran­si­ção au­to­má­ti­ca na 1ª, 3ª e 5ª clas­ses.

O Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res não apro­va a re­for­ma edu­ca­ti­va. Pa­ra a se­cre­tá­ri­a­ge­ral, a re­for­ma do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção tem al­guns “ma­les”, co­mo a tran­si­ção na 1ª, 3ª e 5ª clas­ses e a mo­no­do­cên­cia na 5ª e 6ª clas­ses, por­que os pro­fes­so­res não es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra lec­ci­o­na­rem al­gu­mas dis­ci­pli­nas.

A sin­di­ca­lis­ta Her­mí­nia Fer­rei­ra re­co­nhe­ceu que exis­tem pro­fes­so­res com di­fi­cul­da­des de en­si­no.

“Qu­an­do sur­giu a mo­no­do­cên­cia, não tí­nha­mos pro­fes­so­res for­ma­dos de acor­do com a mo­no­do­cên­cia, por­que a mai­o­ria dos pro­fes­so­res eram do­cen­tes cu­jo per­fil de saí­da não cor­res­pon­dia ao que se pre­ten­dia”, dis­se.

Po­si­ção dos de­pu­ta­dos

O pre­si­den­te da Sex­ta Co­mis­são de Tra­ba­lhos Es­pe­ci­a­li­za­dos da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Ma­nu­el da Cruz Ne­to, ma­ni­fes­tou a sua pre­o­cu­pa­ção com o “mal-es­tar” en­tre o Sin­prof e o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

“To­dos fa­zem par­te do sis­te­ma e um sis­te­ma im­pli­ca in­ter­de­pen­dên­cia, e não há es­sa in­ter­de­pen­dên­cia. Há um cho­que fron­tal en­tre as ins­ti­tui­ções e os re­sul­ta­dos são maus”, dis­se o de­pu­ta­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

Ma­nu­el da Cruz lem­brou que o sis­te­ma edu­ca­ti­vo tem co­mo mis­são prin­ci­pal ter um ser­vi­ço pú­bli­co de qua­li­da­de na edu­ca­ção.

Os de­pu­ta­dos pre­ten­di­am co­nhe­cer o mo­do de fun­ci­o­na­men­to, or­ga­ni­za­ção e di­fi­cul­da­des que a or­ga­ni­za­ção en­fren­ta, bem co­mo o con­tri­bu­to da mes­ma pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de de en­si­no.

Os de­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal pre­ten­di­am igual­men­te co­nhe­cer o ní­vel de re­la­ci­o­na­men­to do Sin­prof com o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, as prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções do en­si­no na vi­são des­ta or­ga­ni­za­ção e sa­ber o ní­vel de evo­lu­ção das con­ver­sa­ções com o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, ten­do em con­ta os pon­tos cons­tan­tes no ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo so­bre a gre­ve dos pro­fes­so­res.

Her­mí­nia Fer­rei­ra la­men­tou a fal­ta de diá­lo­go en­tre os Mi­nis­té­ri­os das Fi­nan­ças, da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al e da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e Re­for­ma do Es­ta­do, e de ins­ti­tui­ções que in­ter­vêm nas de­ci­sões re­la­ti­vas aos pro­fes­so­res

SAN­TOS PE­DRO |EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

De­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal re­ce­be­ram on­tem uma de­le­ga­ção de sin­di­ca­lis­tas afec­tos ao Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.