Al­tos ín­di­ces de cor­rup­ção nas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA -

In­for­ma­ções a que o Jor­nal de An­go­la te­ve aces­so con­fir­mam a “exis­tên­cia de com­por­ta­men­tos gra­ves dos agen­tes do Es­ta­do, em re­la­ção à ges­tão fi­nan­cei­ra, pa­tri­mo­ni­al e de re­cur­sos hu­ma­nos, mui­tos dos quais re­dun­dam em cri­mes gra­ves, co­mo pe­cu­la­to e ne­po­tis­mo”. A Ins­pec­ção-Ge­ral do Es­ta­do es­tá a em­pre­en­der uma guer­ra sem quar­tel, pa­ra pôr fim às más práticas na Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do. Vá­ri­os ca­sos de ne­po­tis­mo, pe­cu­la­to e cor­rup­ção em gran­de es­ca­la e, até, in­dí­ci­os de cri­mi­na­li­da­de or­ga­ni­za­da fo­ram de­tec­ta­dos em di­ver­sas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, na sequên­cia de inspecções re­a­li­za­das por ele­men­tos da­que­le or­ga­nis­mo. Li­de­ra­da por um ofi­ci­al saí­do do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, com vas­ta ex­pe­ri­ên­cia em in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal e ins­tru­ção pro­ces­su­al, a Ins­pec­ção Ge­ral do Es­ta­do tem co­mo prin­ci­pais al­vos to­dos os ór­gãos e ins­ti­tui­ções que uti­li­zam di­nhei­ros pú­bli­cos. O ob­jec­ti­vo é afe­rir a exis­tên­cia de ac­tos que le­sam o Es­ta­do e mo­ra­li­zar a so­ci­e­da­de an­go­la­na.

de ne­po­tis­mo, pe­cu­la­to e cor­rup­ção em gran­de es­ca­la e, até, in­dí­ci­os de cri­mi­na­li­da­de or­ga­ni­za­da fo­ram de­tec­ta­dos em di­ver­sas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, na sequên­cia de inspecções re­a­li­za­das por ele­men­tos da Ins­pec­ção Ge­ral do Es­ta­do, des­de o iní­cio do ano.

De­pois de as­su­mir o com­ba­te à cor­rup­ção co­mo uma das pri­o­ri­da­des da sua go­ver­na­ção, o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço co­me­çou a ata­car as más práticas de ges­to­res e fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, que le­sam o in­te­res­se pú­bli­co, do Es­ta­do e dos ci­da­dãos, no qua­dro da mo­ra­li­za­ção da so­ci­e­da­de.

De acor­do com in­for­ma­ções a que o Jor­nal de An­go­la te­ve aces­so, a Ins­pec­çãoGe­ral do Es­ta­do es­tá a em­pre­en­der uma guer­ra sem quar­tel, pa­ra pôr fim às más práticas na ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do.

Li­de­ra­da por um ofi­ci­al saí­do do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, com vas­ta ex­pe­ri­ên­cia em in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal e ins­tru­ção pro­ces­su­al, a Ins­pec­ção Ge­ral do Es­ta­do tem co­mo prin­ci­pais al­vos to­dos os ór­gãos e ins­ti­tui­ções que uti­li­zam di­nhei­ros pú­bli­cos. O ob­jec­ti­vo é afe­rir a exis­tên­cia de ac­tos que le­sam o Es­ta­do.

En­tre as ins­ti­tui­ções já ins­pec­ci­o­na­das cons­tam to­das as em­pre­sas e or­ga­nis­mos li­ga­dos ao Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes, no­me­a­da­men­te, o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res (CNC), Se­cil Ma­rí­ti­ma, Ins­ti­tu­to Ma­rí­ti­mo e Por­tuá­rio de An­go­la, Ca­mi­nho de Fer­ro de Lu­an­da, Porto de Lu­an­da, TCUL, TAAG, ENANA, Uni­car­gas, Ins­ti­tu­to de Trans­por­tes Ro­do­viá­ri­os, Ins­ti­tu­to Hi­dro­grá­fi­co de Si­na­li­za­ção Ma­rí­ti­ma de An­go­la e INAVIC.

Fo­ram, igual­men­te, re­a­li­za­das inspecções à Eli­sal, Epal, e aos Go­ver­nos pro­vin­ci­ais de Lu­an­da, do Cuando Cubango, da Huí­la, Cu­an­za-Nor­te, Bié e Bengo. Os Mi­nis­té­ri­os da Agri­cul­tu­ra, Tu­ris­mo, Am­bi­en­te e Saú­de tam­bém re­ce­be­ram a vi­si­ta de ins­pec­to­res, de acor­do com a fon­te.

Com­por­ta­men­tos gra­ves

As in­for­ma­ções a que o Jor­nal

de An­go­la te­ve aces­so con­fir­mam a “exis­tên­cia de com­por­ta­men­tos gra­ves dos agen­tes do Es­ta­do, em re­la­ção à ges­tão fi­nan­cei­ra, pa­tri­mo­ni­al e de re­cur­sos hu­ma­nos, mui­tos dos quais re­dun­dam em cri­mes gra­ves, co­mo pe­cu­la­to e ne­po­tis­mo”.

Co­mo exem­plo, é des­ta­ca­da a exis­tên­cia de du­pla fo­lha de sa­lá­rio ou ain­da con­tra­tos pa­ra obras pú­bli­cas pa­gas na to­ta­li­da­de ou em 50 por cen­to, sem que, con­tu­do, te­nham ini­ci­a­do. Há ain­da ca­sos de des­pe­sas não ca­bi­men­ta­das ou re­a­li­za­das em pro­vei­to pró­prio ou ain­da si­tu­a­ções de ges­tão da coi­sa pú­bli­ca co­mo se de al­go pes­so­al se tra­tas­se, sem o cum­pri­men­to da le­gis­la­ção em vi­gor.

O Jor­nal de An­go­la apu­rou, igual­men­te, que es­tão em cur­so, e com pa­re­cer fi­nal, al­gu­mas quei­xas e re­cla­ma­ções de ci­da­dãos, so­bre com­por­ta­men­tos ne­ga­ti­vos de agen­tes pú­bli­cos con­tra par­ti­cu­la­res, as­sim co­mo vá­ri­as ou­tras inspecções em Mi­nis­té­ri­os, go­ver­nos pro­vin­ci­ais, em­bai­xa­das, con­su­la­dos e ou­tras ins­ti­tui­ções que ge­rem di­nhei­ros do Es­ta­do.

Pu­ni­ção aos in­frac­to­res

Fa­ce às “gra­vís­si­mas” ir­re­gu­la­ri­da­des de­tec­ta­das, em mui­tos ca­sos com in­dí­ci­os de cri­mi­na­li­da­de or­ga­ni­za­da, os pro­ces­sos se­rão en­ca­mi­nha­dos aos ór­gãos de jus­ti­ça com­pe­ten­tes pa­ra o tra­ta­men­to de­vi­do, ga­ran­te a fon­te do Jor­nal de An­go­la.

“São mui­tos ca­sos de ne­po­tis­mo, pe­cu­la­to e cor­rup­ção ge­ne­ra­li­za­da, de­tec­ta­dos em gran­de par­te das ins­ti­tui­ções ins­pec­ci­o­na­das”, afir­mou a fon­te. Su­bli­nhou que o com­por­ta­men­to as­su­mi­do pe­los ges­to­res pú­bli­cos, e de for­ma rei­te­ra­da, in­di­ca que “per­de­ram o me­do”. “Co­mo fo­ram mui­tos anos de im­pu­ni­da­de, es­tes ges­to­res co­me­ça­ram a agir de for­ma aber­ta, sem re­ceio, nem me­do”, in­di­cou.

Dis­se ain­da que a im­pu­ni­da­de é, de fac­to, um in­cen­ti­vo ao cri­me e que, com a fal­ta de pu­ni­ção, a Jus­ti­ça pas­sa uma in­for­ma­ção aos cri­mi­no­sos, que co­me­çam a agir, des­res­pei­tan­do ou ig­no­ran­do as leis.

A fon­te ga­ran­tiu que a con­clu­são a que se che­ga é que os ór­gãos vo­ca­ci­o­na­dos pa­ra o com­ba­te à cor­rup­ção es­tão em per­fei­ta sin­to­nia e tro­cam sis­te­ma­ti­ca­men­te in­for­ma­ções. Apon­tou vá­ri­os pro­ces­sos a se­rem in­tro­du­zi­dos na In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal e na Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca, que, qu­an­do se co­nhe­cer o des­fe­cho, mui­tos dos que le­sa­ram os­ten­si­va­men­te o Es­ta­do não o fa­rão de no­vo.

A cons­ta­ta­ção de que fo­ram mui­tos anos de im­pu­ni­da­de vai ao en­con­tro da per­cep­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, que, re­pe­ti­da­men­te, tem afir­ma­do que a im­pu­ni­da­de é res­pon­sá­vel pe­los al­tos ní­veis de cor­rup­ção que se atin­giu no país.

“Se não se faz na­da, se não se san­ci­o­na, não se pu­ne, não se pro­ces­sa, não se con­de­na aque­les que têm si­nais mui­to evi­den­tes de te­rem si­do cor­rom­pi­dos, é evi­den­te que os ou­tros fa­rão o mes­mo”, lem­brou o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, in­di­can­do que a es­tra­té­gia pa­ra ga­ran­tir o êxi­to na lu­ta con­tra a cor­rup­ção pas­sa pe­la “co­ra­gem e de­ter­mi­na­ção”.

Se­gun­do João Lou­ren­ço, a “cor­rup­ção es­tá ge­ne­ra­li­za­da a to­dos os ní­veis, des­de qu­em pe­de a ga­so­sa (su­bor­no) na rua até pes­so­as que ocu­pam lu­ga­res de des­ta­que na hi­e­rar­quia do Es­ta­do an­go­la­no”. Pa­ra a fon­te do Jor­nal de

An­go­la, o ju­ra­men­to e o com­pro­mis­so pú­bli­co que os ges­to­res as­su­mem, du­ran­te a to­ma­da de pos­se, é mo­ti­vo su­fi­ci­en­te pa­ra acre­di­tar que os cri­mes de­tec­ta­dos pe­los Ser­vi­ços de Ins­pec­ção não fi­ca­rão im­pu­nes.

Ao to­mar pos­se, os ges­to­res com­pro­me­tem-se, di­an­te do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, a com­ba­ter a cor­rup­ção e o ne­po­tis­mo, além de se abs­te­rem de práticas e ac­tos que le­sem os in­te­res­ses do Es­ta­do, sob pe­na de se­rem res­pon­sa­bi­li­za­dos ci­vil e cri­mi­nal­men­te.

O Jor­nal de An­go­la ten­ta, há cer­ca de um mês, ou­vir a di­rec­ção da Ins­pec­ção Ge­ral do Es­ta­do, po­rém, sem su­ces­so. Tam­bém tem pro­cu­ra­do dar voz às ins­ti­tui­ções men­ci­o­na­das na ma­té­ria, num es­for­ço que vai pros­se­guir.

Há ca­sos de des­pe­sas não ca­bi­men­ta­das ou re­a­li­za­das em pro­vei­to pró­prio ou si­tu­a­ções de ges­tão da coi­sa pú­bli­ca co­mo se de al­go pes­so­al se tra­tas­se, sem o cum­pri­men­to da le­gis­la­ção em vi­gor

RO­SÁ­RIO DO SAN­TOS | ANGOP

To­das as em­pre­sas do Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes fo­ram fis­ca­li­za­das por ele­men­tos da Ins­pec­ção Ge­ral do Es­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.