Mun­do à pro­cu­ra de mais da­do­res de san­gue

O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de San­gue não apro­vei­ta 50 por cen­to do pro­du­to re­co­lhi­do por ano por es­te se en­con­trar in­fec­ta­do, so­bre­tu­do com he­pa­ti­te B. Daí a ur­gên­cia de uma mu­dan­ça ra­di­cal no per­fil dos da­do­res em An­go­la

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Os­val­do Gonçalves

há cer­ca de um ano, se­gun­do a qual o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de San­gue (INS) des­car­ta 50 por cen­to do pro­du­to re­co­lhi­do por ano, por es­te se en­con­trar in­fec­ta­do, so­bre­tu­do com he­pa­ti­te B, só veio re­for­çar a con­vic­ção de que é ur­gen­te uma mu­dan­ça ra­di­cal no per­fil dos da­do­res no país.

A mai­or par­te do san­gue re­co­lhi­do ad­vém de fa­mi­li­a­res de pa­ci­en­tes sub­me­ti­dos a in­ter­ven­ções que ne­ces­si­tam de san­gue, mas es­sa re­a­li­da­de pre­ci­sa de ser al­te­ra­da com ur­gên­cia, por ser mai­or a ca­da ano a quan­ti­da­de do lí­qui­do do­a­do que é des­car­ta­da por se re­ve­lar im­pró­pria.

A di­rec­to­ra do INS, An­tó­nia Cons­tan­ti­no, dis­se na al­tu­ra que, em 2015 e 2016, a ta­xa de de­sa­pro­vei­ta­men­to do san­gue do­a­do foi de 50 por cen­to.

“Em 2015, ti­ve­mos uma per­da de cer­ca de 12 mil bol­sas de san­gue, pe­la po­si­ti­vi­da­de de mi­cror­ga­nis­mos, dos quais a he­pa­ti­te B foi a mais pre­va­len­te, em­bo­ra as pes­so­as te­mem mais o VIH”, afir­mou, na oca­sião. Es­sa ten­dên­cia man­ti­nha-se até me­a­dos do ano pas­sa­do. “Até Maio, o per­fil não mu­dou ab­so­lu­ta­men­te na­da. Con­ti­nu­a­mos com per­das de 50 por cen­to do san­gue re­co­lhi­do, ou se­ja, é mui­to ur­gen­te mu­dar­mos o per­fil dos da­do­res, me­lho­rar­mos a nos­sa tri­a­gem e ser­mos mais res­pon­sá­veis en­quan­to da­do­res”, de­fen­deu a res­pon­sá­vel.

Re­for­ço em mei­os

Ao fa­lar nu­ma pa­les­tra so­bre as “Pers­pec­ti­vas e os De­sa­fi­os pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to de um Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Da­do­res de San­gue”, re­a­li­za­da em Lu­an­da, por oca­sião do Dia Mun­di­al do Da­dor de San­gue, An­tó­nia Cons­tan­ti­no adi­an­tou que o INS tem in­ves­ti­do em no­vos mei­os tec­no­ló­gi­cos que per­mi­tem ras­tre­ar com mai­or se­gu­ran­ça o san­gue co­lhi­do, re­du­zin­do o pe­río­do de “ja­ne­la” des­sas in­fec­ções.

An­tó­nia Cons­tan­ti­no re­fe­riu, na al­tu­ra, que o país pre­ci­sa­va de cer­ca de 257.890 do­a­ções por ano, ob­jec­ti­vo que exi­ge a exis­tên­cia de pe­lo me­nos 322.363 da­do­res, mas tal me­ta es­tá lon­ge de ser al­can­ça­da, fren­te às per­das ve­ri­fi­ca­das e à ca­rên­cia de da­do­res vo­lun­tá­ri­os: ape­nas dez por cen­to, con­tra 90 por cen­to de fa­mi­li­a­res dos do­en­tes.

“A OMS (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de) re­co­men­da que 100 por cen­to das do­a­ções se­jam vo­lun­tá­ri­as e re­gu­la­res. En­tão, es­ta­mos ain­da mui­to lon­ge de al­can­çar aqui­lo que é o ob­jec­ti­vo”, su­bli­nhou An­tó­nia Cons­tan­ti­no.

A 17 de Ju­nho do ano pas­sa­do, o INS re­a­li­zou, em si­mul­tâ­neo, em to­das as pro­vín­ci­as do país, uma gran­de mar­cha pa­ra as­si­na­lar o 14 de Ju­nho, Dia Mun­di­al do Da­dor de San­gue. Des­de 2005, a OMS as­si­na­la a da­ta com ac­ti­vi­da­des com vis­ta a ho­me­na­ge­ar os vo­lun­tá­ri­os que do­am san­gue, além de cons­ci­en­ci­a­li­zar as po­pu­la­ções pa­ra a im­por­tân­cia do ac­to.

A da­ta cor­res­pon­de ao nas­ci­men­to do mé­di­co aus­tría­co Karl Lands­tei­ner, Pré­mio No­bel de Me­di­ci­na em 1930, e ao des­co­bri­men­to do sis­te­ma AOB de ti­pa­gem san­guí­nea.

Do­a­ções vo­lun­tá­ri­as

Os re­pe­ti­dos ape­los à do­a­ção vo­lun­tá­ria de san­gue fei­tos pe­la OMS coin­ci­dem em ple­no com as pre­cu­pa­ções do INS de An­go­la, que pro­cu­ra, de vá­ri­as for­mas, des­per­tar a cons­ci­ên­cia dos an­go­la­nos pa­ra que te­nham a do­a­ção de san­gue co­mo um há­bi­to e não fa­çam ape­nas do­a­ções es­po­rá­di­cas ou pa­ra fa­mi­li­a­res.

Em to­do o Mun­do, são co­lhi­dos to­dos os anos 93 mi­lhões de bol­sas de san­gue. Mas o nú­me­ro, em­bo­ra pos­sa pa­re­cer ele­va­do, é in­su­fi­en­te pa­ra aten­der a to­das as ne­ces­si­da­des, dei­xan­do mi­lha­res de pa­ci­en­tes à es­pe­ra pa­ra re­ce­be­rem uma trans­fu­são.

Uma pes­qui­sa re­a­li­za­da em 173 paí­ses re­ve­lou que as ta­xas de do­a­ções re­pre­sen­tam me­nos de um por cen­to da po­pu­la­ção, en­quan­to a OMS re­co­men­da que se si­tue en­tre os três e os cin­co por cen­to.

To­dos os anos, a vi­da e a saú­de de mais de 250 mi­lhões de pes­so­as são afec­ta­das por si­tu­a­ções de emer­gên­cia. As es­ta­tís­ti­cas apon­tam que, na úl­ti­ma dé­ca­da, os de­sas­tres na­tu­rais, co­mo ter­ra­mo­tos, inun­da­ções e tem­pes­ta­des, le­va­ram a mais de um mi­lhão de mor­tes. Es­tas si­tu­a­ções ge­ram con­si­de­rá­veis ne­ces­si­da­des emer­gen­ci­ais de as­sis­tên­cia à saú­de, ao mes­mo tem­po que, em ge­ral, tam­bém des­tro­em ins­ta­la­ções de saú­de vi­tais.

Os de­sas­tres oca­si­o­na­dos pe­lo ho­mem, co­mo os aci­den­tes de trân­si­to e os con­fli­tos ar­ma­dos, tam­bém ge­ram exi­gên­ci­as subs­tan­ci­ais de as­sis­tên­cia à saú­de e a ne­ces­si­da­de de tra­ta­men­to de pri­mei­ra li­nha, lem­bra a OMS, que in­sis­te no fac­to de se­rem as trans­fu­sões de san­gue uma com­po­nen­te es­sen­ci­al da as­sis­tên­cia à saú­de em si­tu­a­ções de emer­gên­cia.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

An­go­la pre­ci­sa de mais da­do­res re­gu­la­res pa­ra di­mi­nuir o dé­fi­ce ain­da exis­ten­te, mas qu­em qui­ser dar san­gue tem de ser sau­dá­vel e mai­or de 18 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.