Os ges­to­res pú­bli­cos

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O com­ba­te à cor­rup­ção é uma das prin­ci­pais pri­o­ri­da­des do no­vo Exe­cu­ti­vo, que tem es­ta­do a em­pre­en­der ac­ções que vão no sen­ti­do de se neu­tra­li­za­rem prá­ti­cas que são le­si­vas do in­te­res­se pú­bli­co. Já nin­guém tem dú­vi­da de que a cor­rup­ção é um dos nos­sos mai­o­res ma­les e a cau­sa de mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas ac­tu­ais . É po­si­ti­vo que o Exe­cu­ti­vo quei­ra le­var a ca­bo um com­ba­te sem quar­tel pa­ra tra­var prá­ti­cas pro­ta­go­ni­za­das por in­di­ví­du­os que fo­ram ou são de­ten­to­res de car­gos pú­bli­cos e que re­sul­ta­ram em gra­ves pre­juí­zos pa­ra o Es­ta­do, com re­per­cus­sões ne­ga­ti­vas na vi­da dos ci­da­dãos.

O tem in­for­ma­ções, ob­ti­das jun­to da Ins­pec­ção Ge­ral do Es­ta­do, so­bre a ac­tu­a­ção de agen­tes pú­bli­cos, que te­rão in­cor­ri­do em ac­tos cri­mi­no­sos. Es­sas in­for­ma­ções dão con­ta da “exis­tên­cia de com­por­ta­men­tos gra­ves de agen­tes do Es­ta­do , em re­la­ção à ges­tão fi­nan­cei­ra, pa­tri­mo­ni­al e de re­cur­sos hu­ma­nos , mui­tos dos quais re­dun­dam em cri­mes gra­ves, co­mo o pe­cu­la­to.”

Perante a pro­mes­sa fei­ta pe­la Ins­pec­ção Ge­ral do Es­ta­do de um com­ba­te efec­ti­vo à cor­rup­ção, os ci­da­dãos es­pe­ram que es­ta im­por­tan­te ins­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca ve­nha a con­tri­buir pa­ra o fim da im­pu­ni­da­de no país, res­pon­sa­bi­li­zan­do to­dos os que, ten­do a obri­ga­ção de de­fen­der o in­te­res­se pú­bli­co, uti­li­za­ram os di­nhei­ros pú­bli­cos pa­ra fins par­ti­cu­la­res, vi­o­lan­do mui­tos ins­tru­men­tos le­gais. Es­ta­mos to­dos nós an­si­o­sos por ver se a Ins­pec­ção Ge­ral do Es­ta­do pros­se­gui­rá sem he­si­ta­ções com es­te seu tra­ba­lho de de­tec­tar inú­me­ras ile­ga­li­da­des pra­ti­ca­das por ges­to­res pú­bli­cos que, por nun­ca te­rem te­mi­do qual­quer pu­ni­ção, di­ri­gi­am ins­ti­tui­ções da Re­pú­bli­ca co­mo se es­tas fos­sem en­ti­da­des pri­va­das.

É im­por­tan­te que se po­nha um fim à im­pu­ni­da­de com ur­gên­cia. É preciso evi­tar que ges­to­res que uti­li­za­ram mal os di­nhei­ros pú­bli­cos con­ti­nu­em à fren­te de ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, sob pe­na de con­ti­nu­ar­mos a as­sis­tir a prá­ti­cas de cor­rup­ção. Há mui­tos an­go­la­nos ho­nes­tos e com­pe­ten­tes no nos­so país pa­ra di­ri­gir ins­ti­tui­ções do Es­ta­do. Que se aca­be com es­ta prá­ti­ca de se con­ti­nu­ar a no­me­ar pes­so­as que já de­ram pro­vas de que não gos­tam de ser­vir, mas ape­nas de se ser­vi­rem, quan­do es­tão à fren­te de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas.

Os que an­da­ram e an­dam a usar mal os di­nhei­ros pú­bli­cos, que são de to­dos nós, es­tão iden­ti­fi­ca­dos. Res­ta ape­nas ac­ci­o­nar os me­ca­nis­mos ne­ces­sá­ri­os à res­pon­sa­bi­li­za­ção da­que­les que, com os seus ac­tos de má ges­tão, pre­ju­di­ca­ram mui­tos ci­da­dãos an­go­la­nos, que vi­vem dos seus ma­gros sa­lá­ri­os e que fa­zem das “tri­pas co­ra­ção” pa­ra sus­ten­tar as su­as fa­mí­li­as .

Te­mos um no­vo Go­ver­no, e os ci­da­dãos têm es­pe­ran­ça de que mui­ta coi­sa mu­de na ad­mi­nis­tra­ção di­rec­ta e in­di­rec­ta do Es­ta­do. Os ci­da­dãos que­rem ac­ções con­cre­tas no pro­ces­so de com­ba­te à cor­rup­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.