CARTAS DOS LEITORES

Jornal de Angola - - OPINIÃO - HERMÍNIA AFON­SO Ca­ma­ma AL­BER­TO JOÃO In­gom­bo­ta

Gre­ve dos en­fer­mei­ros

Fi­quei sa­tis­fei­to com o fac­to de o Sin­di­ca­to dos Téc­ni­cos de En­fer­ma­gem e o Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Lu­an­da te­rem che­ga­do a acor­do, o que re­sul­tou no le­van­ta­men­to da gre­ve dos en­fer­mei­ros.

A fi­nal é a con­ver­sar que as pes­so­as se en­ten­dem. O diá­lo­go é sem­pre o me­lhor ca­mi­nho pa­ra se che­gar a so­lu­ções jus­tas e du­ra­doi­ras. Os en­fer­mei­ras são uma clas­se que de­ve es­tar do­ta­da de con­di­ções pa­ra re­a­li­zar o seu ár­duo tra­ba­lho nos nos­sos hos­pi­tais , de di­fe­ren­tes di­men­sões. São mui­tos os do­en­tes que acor­rem di­a­ri­a­men­te aos hos­pi­tais pú­bli­cos. A mai­o­ria dos ci­da­dãos não tem di­nhei­ro pa­ra ir a es­ta­be­le­ci­men­tos hos­pi­ta­la­res pri­va­dos. Já es­ti­ve in­ter­na­do num hos­pi­tal pú­bli­co, nu­ma al­tu­ra em que se da­va mui­ta aten­ção aos en­fer­mei­ros. Du­ran­te qua­se um mês con­vi­vi , co­mo pa­ci­en­te, com en­fer­mei­ros, e pu­de, du­ran­te es­se tem­po, aper­ce­ber-me da sua gran­de de­di­ca­ção ao tra­ba­lho . Es­tá­va­mos no ano de 1976. Ho­je , de­pois de mais de qua­ren­ta anos de in­de­pen­dên­cia, te­nho re­ceio de ir pa­ra um hos­pi­tal pú­bli­co. Os ci­da­dãos têm de po­der ter um bom tra­ta­men­to nos hos­pi­tais do Es­ta­do. São mui­tos an­go­la­nos que vão à Na­mí­bia e à Áfri­ca do Sul a pro­cu­ra de cu­ra pa­ra as su­as do­en­ças. Se­rá que não po­de­mos ter um sis­te­ma na­ci­o­nal de saú­de efi­ci­en­te? Sou da opi­nião que se crie uma co­mis­são, com­pos­ta por qua­dros de ele­va­da com­pe­tên­cia, pa­ra se re­es­tru­tu­rar to­do o sis­te­ma na­ci­o­nal de saú­de . Os ci­da­dãos têm o di­rei­to a um ser­vi­ço de saú­de que sa­tis­fa­ça as su­as ne­ces­si­da­des. Nem to­dos têm di­nhei­ro pa­ra irem ao es­tran­gei­ro tra­tar-se. Te­mos fe­liz­men­te bons qua­dros no sec­tor da Saú­de. Não são mui­tos . Mas, dos que te­mos, de­vem ter a pos­si­bi­li­da­de de dar as su­as con­tri­bui­ções pa­ra que as coi­sas mu­dem no sec­tor da Saú­de. Só com o re­cur­so a qua­dros com­pe­ten­tes po­de­mos re­sol­ver mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas. Um país não se de­sen­vol­ve com ba­ju­la­do­res, que pas­sam a vi­da a atra­pa­lhar o tra­ba­lho da­que­les que que­rem re­al­men­te co­lo­car o país na ro­ta do de­sen­vol­vi­men­to.

Os re­cur­sos ma­ri­nhos

An­go­la é um país com mui­tos re­cur­sos na­tu­rais. Te­mos ter­ras fér­teis, di­a­man­tes, pe­tró­leo, mui­tos ri­os e pe­dras pre­ci­o­sas. Fa­la-se, no nos­so país, mais do pe­tró­leo e dos di­a­man­tes, mas os ci­da­dãos têm pou­ca in­for­ma­ção so­bre os nos­sos re­cur­sos ma­ri­nhos. Gos­ta­va de sa­ber o pe­so dos nos­sos re­cur­sos ma­ri­nhos no Pro­du­to In­ter­no Bru­to. Quais são os ren­di­men­tos que An­go­la con­se­gue com os re­cur­sos ma­ri­nhos? Que em­pre­sas é que ex­plo­ram os nos­sos re­cur­sos ma­ri­nhos? Fa­la-se de mui­ta pi­ra­ta­ria no nos­so mar. Quem an­da afi­nal a ti­rar pro­vei­to da ri­que­za que te­mos no mar? Pen­so que se de­ve pres­tar tam­bém mui­ta aten­ção à eco­no­mia do mar. Num mo­men­to de cri­se que atra­ves­sa­mos, é im­por­tan­te que a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia abran­ja tam­bém os re­cur­sos ma­ri­nhos. An­go­la já foi uma gran­de ex­por­ta­do­ra de fa­ri­nha de pei­xe e de pei­xe se­co. O nos­so pei­xe se­co che­ga­va, por exem­plo, à Ar­gen­ti­na. É preciso re­vi­ta­li­zar o sec­tor das Pes­cas e in­cen­ti­var in­ves­ti­do­res na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros a usar ca­pi­tais pa­ra fa­zer cres­cer a eco­no­mia do mar. O sec­tor das Pes­cas po­de dar mui­tos em­pre­gos aos jo­vens.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.