Egip­to é con­si­de­ra­do dos paí­ses mais se­gu­ros

Não obs­tan­te o fac­to de ser um país sob a mi­ra do ter­ro­ris­mo, pro­ta­go­ni­za­do pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co, o Egip­to aca­ba de ser con­si­de­ra­do nu­ma son­da­gem da Gal­lup o mais se­gu­ro do con­ti­nen­te afri­ca­no à fren­te, por exem­plo, a ní­vel glo­bal, da In­gla­ter­ra e dos Est

Jornal de Angola - - ÁFRICA - Vic­tor Car­va­lho

Uma son­da­gem di­vul­ga­da on­tem pe­la pres­ti­gi­a­da Gal­lup Glo­bal Law and Or­der, re­ve­la que o Egip­to foi em 2017 o país mais se­gu­ro em Áfri­ca ocu­pan­do, a ní­vel glo­bal, o 16º lu­gar, à fren­te do Reino Unido e dos Es­ta­dos Unidos, res­pec­ti­va­men­te 21º e 35º.

O des­ta­que ob­ti­do pe­lo Egip­to nes­ta son­da­gem, que se re­a­li­za anu­al­men­te, po­de sur­pre­en­der de­vi­do à ame­a­ça a que o país es­tá sub­me­ti­do de­vi­do à pre­sen­ça no seu ter­ri­tó­rio de ele­men­tos do gru­po ter­ro­ris­ta Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

Po­rém, os res­pon­sá­veis da em­pre­sa que a re­a­li­zou ex­pli­cam no preâm­bu­lo da mes­ma que as con­di­ções de se­gu­ran­ça dis­po­ni­bi­li­za­das pe­lo Egip­to su­pe­ram, em “lar­ga es­ca­la”, a pe­ri­go­si­da­de re­pre­sen­ta­da pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co ar­gu­men­tan­do, em de­fe­sa des­sa ideia, que as for­ças da or­dem têm a si­tu­a­ção “to­tal­men­te con­tro­la­da há mais de um ano”.

Um dos cri­té­ri­os pa­ra a dis­tri­bui­ção dos lu­ga­res na son­da­gem, tem a ver com a se­gu­ran­ça que as pes­so­as sen­tem ao an­dar nas ru­as du­ran­te a noi­te.

No Egip­to, de­vi­do à sua den­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal (só na ci­da­de do Cai­ro vi­vem mais de 25 mi­lhões de pes­so­as) a noi­te con­fun­de-se com o dia, com as pes­so­as a cir­cu­la­rem du­ran­te qua­se 24 ho­ras a uma qua­se mes­ma ca­dên­cia. Nas gran­des cidades do país, o co­mér­cio fun­ci­o­na tam­bém du­ran­te as 24 ho­ras de ca­da dia e ape­nas o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co e os ser­vi­ços têm um ho­rá­rio me­nos “dis­ten­di­do”.

Con­fi­an­ça na Po­lí­cia

Por is­so, pa­ra ga­ran­tir a ine­xis­tên­cia de gran­des pro­ble­mas, o apa­ra­to de se­gu­ran­ça é os­ten­si­va­men­te vi­sí­vel dis­su­a­din­do aque­les que, even­tu­al­men­te, pos­sam pen­sar em pro­ta­go­ni­zar ce­nas de de­sor­dem pública.

Um dos mé­ri­tos das au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais egíp­ci­as, é o de con­se­gui­rem que to­da es­ta se­gu­ran­ça não dei­xa no ci­da­dão, ou no vi­si­tan­te, a sen­sa­ção de es­tar num Es­ta­do “po­li­ci­al” mas sim “po­li­ci­a­do”.

De acor­do com o preâm­bu­lo da re­fe­ri­da son­da­gem, es­te fac­to trans­mi­te às pes­so­as uma boa sen­sa­ção de se­gu­ran­ça e in­cre­men­ta a sua con­fi­an­ça nas for­ças po­li­ci­ais.

O ac­tu­al Pre­si­den­te egíp­cio, Ab­del Fat­tah al-Si­si, que li­de­rou um gol­pe mi­li­tar que em 2013 der­ru­bou Moham­med Mor­si, ten­do de­pois dis­so ga­nho le­gi­ti­mi­da­de de­mo­crá­ti­ca ao ven­cer du­as elei­ções, tem co­lo­ca­do um es­pe­ci­al ên­fa­se na ac­tu­a­ção das for­ças de se­gu­ran­ça no com­ba­te ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co e na ma­nu­ten­ção da tran­qui­li­da­de pública.

Es­te gru­po ter­ro­ris­ta, rei­vin­di­cou há dois anos ata­ques sui­ci­das con­tra igre­jas cop­tas nas cidades do Cai­ro, Tan­ta e Ale­xan­dria, que cau­sa­ram 70 mor­tes. Lan­ça­ram, tam­bém, vá­ri­os ata­ques na Pe­nín­su­la do Si­nai con­tra tro­pas egíp­ci­as. Mas, no ano pas­sa­do, as for­ças de se­gu­ran­ça egíp­ci­as in­ver­te­ram a si­tu­a­ção, con­se­guin­do man­ter in­có­lu­mes aque­les que um ano an­tes eram os prin­ci­pais al­vos dos ter­ro­ris­tas. Ain­da de acor­do com a son­da­gem, a ní­vel de Áfri­ca, o Su­dão do Sul é con­si­de­ra­do o país me­nos se­gu­ro, se­gui­do pe­lo Ga­bão, Li­bé­ria e Áfri­ca do Sul, um dos prin­ci­pais des­ti­nos tu­rís­ti­cos do con­ti­nen­te. A son­da­gem da Gal­lup Law Or­der re­ve­la que 60 por cen­to dos afri­ca­nos in­qui­ri­dos re­ve­lam con­fi­an­ça na po­lí­cia dos res­pec­ti­vos paí­ses, des­ta­can­do-se o Ru­an­da on­de 88 por cen­to da po­pu­la­ção dis­se con­fi­ar nas su­as for­ças da or­dem.

Um dos mé­ri­tos das au­to­ri­da­des egíp­ci­as é o de con­se­gui­rem que to­da es­ta se­gu­ran­ça não dei­xa no ci­da­dão, ou no vi­si­tan­te, a sen­sa­ção de es­tar num Es­ta­do “po­li­ci­al”, mas sim “po­li­ci­a­do”

A ní­vel mun­di­al, o país mais se­gu­ro do mun­do, de acor­do com a mes­ma son­da­gem, é Sin­ga­pu­ra (on­de aca­ba de de­cor­rer a ci­mei­ra en­tre Do­nald Trump e Kim Jong-un), vin­do lo­go de­pois a No­ru­e­ga, Is­lân­dia, Fin­lân­dia e Uz­be­quis­tão.

Na cau­da da ta­be­la es­tá a Ve­ne­zu­e­la, se­gui­da do Afe­ga­nis­tão, Li­bé­ria, Ga­bão e Su­dão do Sul.

DR

Son­da­gem anu­al da Gal­lup Law and Or­der co­lo­ca Cai­ro en­tre as cidades me­nos pe­ri­go­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.