Em­pre­sas fran­ce­sas atraí­das pe­lo in­ves­ti­men­to em An­go­la

Ba­lan­ça co­mer­ci­al continua fa­vo­rá­vel ao nos­so país, sob a in­fluên­cia do pe­so dos car­re­ga­men­tos de pe­tró­leo

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

O in­te­res­se dos in­ves­ti­do­res fran­ce­ses por An­go­la au­men­tou com a recente des­lo­ca­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lourenço, àque­le país, o que é tra­du­zi­do com a pre­sen­ça de cer­ca de 150 em­pre­sas das mais re­pre­sen­ta­ti­vas do sec­tor agrí­co­la e in­dus­tri­al num en­con­tro or­ga­ni­za­do em Pa­ris pe­lo pa­tro­na­to, no qual se es­pe­ra­vam ini­ci­al­men­te 60 par­ti­ci­pan­tes.

O pre­si­den­te do Co­mi­té de Con­se­lhei­ros do Co­mér­cio Ex­ter­no da Fran­ça, em An­go­la, Fre­de­ri­co Crespo, dis­se ao Jor­nal de An­go­la que, no en­con­tro com o es­ta­dis­ta an­go­la­no, par­ti­ci­pa­ram al­gu­mas das mai­o­res em­pre­sas agrí­co­las, uma área que é vis­ta com po­ten­ci­al pa­ra o for­ta­le­ci­men­to da co­o­pe­ra­ção en­tre os dois paí­ses, atra­vés do es­ta­be­le­ci­men­to de só­li­das par­ce­ri­as.

Fre­de­ri­co Crespo des­ta­cou a pre­sen­ça, no en­con­tro, de em­pre­sas com lar­ga ex­pe­ri­ên­cia nos do­mí­ni­os da pro­du­ção de al­go­dão, fru­tas e ce­re­ais e de um con­sór­cio de fá­bri­cas de tec­no­lo­gia agrí­co­la. “Foi bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­va a vi­si­ta da de­le­ga­ção an­go­la­na a uma co­o­pe­ra­ti­va agrí­co­la de gran­de di­men­são, que faz par­te das dez mai­o­res da Fran­ça , for­ma­da por 25 mil agri­cul­to­res e tem uma fac­tu­ra­ção anu­al su­pe­ri­or a mil mi­lhões de eu­ros.

Pa­ra o em­pre­sá­rio, ra­di­ca­do há mui­tos anos em An­go­la, a Fran­ça po­de dar um “gran­de con­tri­bu­to” à agri­cul­tu­ra an­go­la­na em áre­as co­mo a for­ma­ção de téc­ni­cos e apoio ao de­sen­vol­vi­men­to das co­o­pe­ra­ti­vas, já que, dis­se, “ape­sar do país pre­ci­sar de gran­des em­pre­sá­ri­os agrí­co­las e fa­zen­das, o fu­tu­ro pas­sa pe­lo pe­que­no e mé­dio agri­cul­tor”.

“Es­ta é a cha­ve e, aí, a Fran­ça po­de tra­zer um con­tri­bu­to mui­to im­por­tan­te”, su­bli­nhou, no­tan­do que aque­le país in­ves­te há vá­ri­os anos, di­nhei­ro pú­bli­co na pre­pa­ra­ção de téc­ni­cos agrá­ri­os, al­guns dos quais ti­ve­ram bol­sas em ins­ti­tui­ções de en­si­no fran­ce­sas.

Fre­de­ri­co Crespo res­sal­tou que o cres­cen­te cli­ma de con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res fran­ce­ses no mer­ca­do an­go­la­no es­tá tam­bém di­rec­ta­men­te li­ga­do às al­te­ra­ções fei­tas pe­lo Exe­cu­ti­vo à Lei do In­ves­ti­men­to, com a re­mo­ção de al­gu­mas “cláu­su­las ini­bi­do­ras” pa­ra os ho­mens de ne­gó­ci­os.

As em­pre­sas fran­ce­sas só in­ves­tem em An­go­la se o cli­ma de ne­gó­ci­os for fa­vo­rá­vel e is­so es­tá a ser fei­to, re­co­nhe­ce o em­pre­sá­rio, des­ta­can­do os si­nais de re­for­ma da Lei do In­ves­ti­men­to que es­tão a ser en­ce­ta­dos pe­lo Go­ver­no.

“A no­va lei é ben­vin­da, pois qu­an­to mais fa­ci­li­da­des hou­ver pa­ra o in­ves­ti­men­to, se­ja ele na­ci­o­nal ou es­tran­gei­ro, me­lhor, por­que cri­a­se um bom am­bi­en­te de ne­gó­ci­os”, acen­tua o lí­der dos con­se­lhei­ros ex­ter­nos fran­ce­ses em An­go­la.

Lem­brou que ha­via “mui­tos en­tra­ves”, mas que An­go­la per­ce­beu que há ou­tros paí­ses na re­gião, co­mo o Ru­an­da, ci­ta­do co­mo es­tan­do a cri­ar to­das as con­di­ções pa­ra tor­nar o cli­ma de ne­gó­ci­os fa­vo­rá­vel. “Ho­je es­tá (Ru­an­da) aci­ma de An­go­la em to­dos os ‘ra­king’s’ e es­te é um de­sa­fio que te­mos que ven­cer, pa­ra o país con­ti­nu­ar a pro­gre­dir”, acres­cen­tou. Fre­de­ri­co Crespo adi­an­tou que a vi­si­ta do Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no a Fran­ça e Bél­gi­ca dei­xou per­ce­ber que os in­ves­ti­do­res es­tão “aten­tos e sa­tis­fei­tos” com as me­di­das que es­tão a ser to­ma­das pa­ra a me­lho­ria do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os.

In­ves­ti­men­to em Ma­lan­je

Se­gun­do Fre­de­ri­co Crespo, a con­fi­an­ça das em­pre­sas fran­ce­sas em An­go­la tem le­va­do al­gu­mas a apos­ta­rem em in­ves­ti­men­tos pa­ra pro­du­ção lo­cal de par­te da sua ma­té­ria-pri­ma. Num in­ves­ti­men­to de cer­ca de 50 mi­lhões de dó­la­res (11,9 mil mi­lhões de kwan­zas), a mul­ti­na­ci­o­nal de cer­ve­jas Cas­tel, por exem­plo, vai pro­du­zir mi­lho em Ma­lan­je, uma par­te pa­ra ser trans­for­ma­do em “grit’s” pa­ra a pro­du­ção de cer­ve­ja, ra­ção ani­mal e óleo ali­men­tar.

“A Cas­tel se­rá uma das pou­cas com fun­dos pró­pri­os que tem in­ves­ti­men­to em to­do o país - tem uni­da­des in­dus­tri­ais em Ca­bin­da, Ca­tum­be­la, Huí­la, Ben­gue­la, Cu­an­za-Nor­te e Lu­an­da - a apos­tar na pro­du­ção em gran­de es­ca­la na área agrí­co­la pa­ra su­prir par­te das su­as ne­ces­si­da­des de ma­té­ri­a­pri­ma e es­te é um bom exem­plo”, su­bli­nhou.

Um da­do con­si­de­ra­do “im­por­tan­te” e que con­fir­ma a cres­cen­te con­fi­an­ça dos fran­ce­ses no am­bi­en­te de ne­gó­ci­os em An­go­la é o re­tor­no da Agên­cia Fran­ce­sa de De­sen­vol­vi­men­to (AFD), es­tan­do a fi­nan­ci­ar pro­jec­tos li­ga­dos à água e ener­gia, além de ter au­men­ta­do, em cer­ca de 150 mi­lhões de dó­la­res, a li­nha cré­di­to pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de pe­que­nos e mé­di­os pro­jec­tos agrí­co­las.

Fre­de­ri­co Crespo con­si­de­ra que a ba­lan­ça co­mer­ci­al en­tre os dois Es­ta­dos continua a ser fa­vo­rá­vel a An­go­la, fun­da­men­tal­men­te de­vi­do às ex­por­ta­ções de pe­tró­leo e gás.

Con­se­lhei­ro do Co­mér­cio Ex­ter­no de Fran­ça diz que as em­pre­sas do seu país só in­ves­tem em An­go­la se o cli­ma de ne­gó­ci­os for fa­vo­rá­vel e is­so es­tá a ser fei­to

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Bom am­bi­en­te de ne­gó­ci­os em An­go­la per­mi­te aos fran­ce­ses di­ver­si­fi­car a co­o­pe­ra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.