PERISCÓPIO Brin­car com o fo­go

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Lu­ci­a­no Ro­cha

O pe­ri­go em Lu­an­da, em va­ri­a­das ver­ten­tes, to­dos sa­be­mos, mes­mo os que fin­gem o con­trá­rio, es­prei­ta a ca­da ins­tan­te, num de­sa­fio per­ma­nen­te à sor­te, de que são exem­plos “ar­ma­zéns” de bo­ti­jas de gás e pos­tos de abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­veis.

Em ple­no sé­cu­lo XXI, continua a ha­ver, pa­ra ven­da e re­ven­da, bo­ti­jas de gás amon­to­a­das em quin­tais ou à por­ta de es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais. Em am­bos os ca­sos ex­pos­tas ao sol nu­ma pro­vo­ca­ção ao de­sas­tre, à vi­da dos que mo­ram nas re­don­de­zas ou sim­ples­men­te pas­sam pe­lo lo­cal.

A ques­tão dos pos­tos de abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­veis é, de cer­to mo­do, se­me­lhan­te, tal co­mo os ris­cos de tra­gé­dia. Que, nes­te ca­so, até po­dem ser mai­o­res de­vi­do às quan­ti­da­des de pro­du­tos in­fla­má­veis.

A si­tu­a­ção dos quin­tais fei­tos ar­ma­zéns e pos­tos de ven­da de bo­ti­jas de gás, par­te de­les, cer­ta­men­te ile­gais é de mais fá­cil re­so­lu­ção: ins­pec­ção ri­go­ro­sa, mul­tas pe­sa­das, apre­en­são da mer­ca­do­ria pos­te­ri­or­men­te en­tre­gues a as­so­ci­a­ções de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al. Qu­an­to aos pos­tos de abas­te­ci­men­tos de com­bus­tí­veis as coi­sas po­dem não ser tão sim­ples. Até por­que têm au­to­ri­za­ção de ins­ta­la­ção e fun­ci­o­na­men­to. Fac­to é que a se­gu­ran­ça de Lu­an­da e das pes­so­as tem de es­tar aci­ma de to­dos os in­te­res­ses.

Nos paí­ses mais evo­luí­dos há mui­to que aque­les pos­tos de abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­veis es­tão ins­ta­la­dos em zo­nas afas­ta­dos dos cen­tros ha­bi­ta­ci­o­nais. Nós, sem­pre sem­pre pron­tos a co­pi­ar o que se faz lá fo­ra, mes­mo o que na­da tem a ver con­nos­co, po­día­mos, às ve­zes, imi­tar o que é bom. Por­que brin­car com o fo­go é pe­ri­go­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.