Rús­sia abre cam­pe­o­na­to com go­le­a­da his­tó­ri­ca

Jornal de Angola - - DESPORTO -

A an­fi­triã Rús­sia en­trou on­tem a ga­nhar na 21ª edi­ção do Cam­pe­o­na­to do Mun­do de Fu­te­bol, após go­le­ar a Ará­bia Sau­di­ta por 5-0, em en­con­tro do Gru­po A, dis­pu­ta­do no Es­tá­dio Luzh­ni­ki, em Mos­co­vo.

Ape­sar de ter en­tra­do li­ber­ta de gran­des pre­o­cu­pa­ções de­fen­si­vas, a Ará­bia Sau­di­ta co­me­çou, a par­tir dos cin­co mi­nu­tos de jo­go, a sen­tir di­fi­cul­da­des com o fu­te­bol mó­vel e rá­pi­do do meio cam­po rus­so.

Apoi­a­do por um lo­ta­do Luzh­ni­ki Sta­dium, os rus­sos co­me­ça­ram, aos pou­cos, a cri­ar de­se­qui­lí­bri­os no úl­ti­mo re­du­to ad­ver­sá­rio, sen­do que o go­lo de­mo­rou ape­nas 12 mi­nu­tos a che­gar. Go­lo­vin co­lo­cou a re­don­di­nha na ca­be­ça de Ga­zins­kiy, que des­vi­ou com clas­se, fo­ra do al­can­ce de Mai­ouf.

Com o go­lo, os ho­mens da ca­sa acal­ma­ram, pe­se as fra­gi­li­da­des de­fen­si­vas evi­den­tes no ou­tro la­do. A se­lec­ção de Sta­nis­lav Cher­che­sov pri­vi­le­gi­ou a pos­se e a se­gu­ran­ça em de­tri­men­to de um fu­te­bol mais ver­ti­cal, mui­to tam­bém por cul­pa da le­são de Dza­go­ev, um dos me­lho­res até en­tão. Do ou­tro la­do, a Ará­bia bem ten­ta­va, mas as idei­as ofen­si­vas eram pou­cas ou nu­las, ape­sar da opor­tu­ni­da­de cri­a­da por um des­vio de­fi­ci­en­te do ex­pe­ri­en­te Ig­nashe­vi­ch.

À me­di­da que o api­to do in­ter­va­lo se foi apro­xi­man­do, as idei­as rus­sas afas­ta­ram-se da ba­li­za ad­ver­sá­ria, mas bas­tou um mo­men­to de des­con­cen­tra­ção sau­di­ta e ins­pi­ra­ção rus­sa pa­ra o se­gun­do go­lo acon­te­cer. Com uma van­ta­gem de dois go­los no mar­ca­dor, a Rús­sia en­trou no se­gun­do tem­po com me­nos von­ta­de. A re­cei­ta da Ará­bia man­ti­nha-se igual: fu­te­bol de to­que, mo­bi­li­da­de no mei­o­cam­po, mas di­fi­cul­da­de de ma­te­ri­a­li­zar em cla­ras opor­tu­ni­da­des no úl­ti­mo ter­ço.

A eta­pa com­ple­men­tar foi de­cor­ren­do nes­te rit­mo e com es­tas pro­pos­tas de jo­go, mas nem por is­so os rus­sos ti­ra­ram o pé do ace­le­ra­dor no mo­men­to de re­cu­pe­ra­ção de bo­la. Go­lo­vin (que es­treia!) vol­tou a co­lo­car a re­don­di­nha no lu­gar ce­go do ad­ver­sá­rio e Dzyu­ba, aca­ba­di­nho de en­trar, li­mi­tou-se a res­pon­der com um ca­be­ce­a­men­to.

Quan­do já to­dos es­pe­ra­vam o api­to fi­nal, com o es­tá­dio a trans­bor­dar de en­tu­si­as­mo de­pois de tan­tas dú­vi­das, Cheryshev e Go­lo­vin tra­ta­ram de ofe­re­cer mais um par de mo­men­tos inol­vi­dá­veis no co­ra­ção dos rus­sos. Há pe­lo me­nos cin­co ra­zões pa­ra le­var a sé­rio es­te an­fi­trião: uma ma­ni­ta a abrir é his­tó­ri­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.