So­nhos de An­go­la na Flo­ri­da

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Sou­sa Jamba

Co­nhe­ci o Jor­ge Ma­nu­el Sei­xas nu­ma ma­nhã de Maio de 1982 no cam­po de Re­fu­gi­a­dos de Mehe­ba, na Zâm­bia. Eu ti­nha ido pas­sar fé­ri­as, do in­ter­na­to on­de es­tu­da­va, à ca­sa da família Bân­dua.

O Jor­ge ti­nha um pri­mo, já fa­le­ci­do, cha­ma­do Nan­do, que foi um gran­de car­pin­tei­ro. Ha­via ve­zes que nós, os miú­dos, ía­mos pa­ra a sua ofi­ci­na, on­de a con­ver­sa era acer­ca do fu­tu­ro de An­go­la. Eu ti­nha saí­do de An­go­la com dez anos. Atra­vés das con­ver­sas dos mais ve­lhos, tí­nha­mos uma no­ção ins­tan­tâ­nea e, na­tu­ral­men­te, va­ga do que ti­nha si­do An­go­la co­lo­ni­al. Mes­mo en­tão, os re­fu­gi­a­dos an­go­la­nos in­sis­ti­am que os seus so­nhos iam ser con­cre­ti­za­dos quan­do hou­ves­se es­ta­bi­li­da­de no seu país na­tal.

Vi­vía­mos nu­ma Zâm­bia cheia de es­pe­ran­ça. Es­te país na al­tu­ra ti­nha ape­nas vin­te anos, ten­do ad­qui­ri­do a sua in­de­pen­dên­cia em 1964. Na Zâm­bia de en­tão, fa­la­va-se mui­to da au­to­con­fi­an­ça eco­nó­mi­ca: o país que pro­du­zia co­bre, ar­gu­men­ta­va-se, ti­nha que pas­sar a fa­bri­car pro­du­tos de qua­li­da­de. Fa­la­va-se, tam­bém, da ne­ces­si­da­de de re­gres­sar à ter­ra. A Zâm­bia ti­nha mes­mo que dei­xar de im­por­tar uma boa par­te da sua co­mi­da. Es­tes ar­gu­men­tos na Zâm­bia con­ti­nu­am. Um de­sen­vol­vi­men­to po­si­ti­vo é que na Zâm­bia há, ago­ra, mui­tos fa­zen­dei­ros lo­cais. O co­bre e co­bal­to, po­rém, con­ti­nu­am a ser ex­plo­ra­dos por lá e trans­for­ma­dos em pro­du­tos fo­ra.

Pen­sei nis­to tu­do cá, em Or­lan­do, Flo­ri­da, es­tes di­as que cá es­tou a pas­sar fé­ri­as com os meus dois ra­pa­zes. Um dos mem­bros da co­mu­ni­da­de An­go­la­na nes­te lo­cal é o Jor­ge Ma­nu­el Sei­xas. A ver­são Ame­ri­ca­na des­te Jor­ge Ma­nu­el Sei­xas é qua­se ir­re­co­nhe­cí­vel; o Jor­ge do Mehe­ba pas­sa­va mui­to tem­po nas “na­kas” a cul­ti­var cou­ves, re­po­lho, qui­a­bo. O dos Es­ta­dos Unidos vi­ve nu­ma be­lís­si­ma ca­sa, cheio de com­pu­ta­do­res, e ele pró­prio pas­sa a vi­da a par­ti­ci­par em vá­ri­as ac­ti­vi­da­des cí­vi­cas. Ele in­sis­te que tu­do que faz é pa­ra um dia po­der con­tri­buir pa­ra a Na­ção An­go­la­na. Nis­to, o Jor­ge não di­fe­re de mui­tos An­go­la­nos es­pa­lha­dos pe­lo mun­do.

Fui pa­ra a ca­sa do Jor­ge on­de, no jan­tar, ser­viu­se fun­je. O Jor­ge pe­diu des­cul­pas que a fu­ba não era as­sim tão boa co­mo a Ka­ni­ne, mar­ca de fu­ba que era pro­du­zi­da no Hu­am­bo no tem­po co­lo­ni­al. O Jor­ge foi be­ben­do umas cer­ve­jas sul-afri­ca­nas e la­men­tan­do que, in­fe­liz­men­te, não con­se­guia ad­qui­rir umas bo­as Cu­cas, Ekas, No­cais etc. Ha­via mui­to de An­go­la (so­bre­tu­do com cer­tos po­lí­ti­cos com quem dis­cor­da pro­fun­da­men­te) que o Jor­ge não pa­ra­va de re­pro­var. Mas ha­via, sem­pre, al­go do nos­so país que tra­zia na ca­ra do Jor­ge um ri­so sau­do­so e me­lan­có­li­co ao mes­mo tem­po.

O Jor­ge foi fa­lan­do da sua in­fân­cia no Lu­e­na. No seu la­do ma­ter­no, o avô do Jor­ge, cha­ma­do Ka­cham­ba­le­le, ti­nha vin­do do Bai­lun­do e fun­da­do uma al­deia per­to de Ca­ma­cu­pa. Es­te mes­mo avô, dis­se­me o Jor­ge, adop­tou a Fé Cris­tã de­vo­ta­da­men­te e um dia des­fez a más­ca­ra de um “jin­gan­ji” pa­ra mos­trar que era hu­ma­no e não uma al­ma do ou­tro mun­do. O des­mas­ca­ra­men­to do jin­gan­ji saiu ao ve­lho mui­to ca­ro; ele te­ve uma mor­te do­lo­ro­sa com afli­ções inex­pli­cá­veis. Do la­do pa­ter­no, o Jor­ge me dis­se, o pai de­le era fi­lho de um bran­co por­tu­guês. O Jor­ge fa­la do seu pai, já fa­le­ci­do, com mui­to or­gu­lho; o ca­mião Mer­ce­des que o seu pai ti­nha, o Jor­ge foi me di­zen­do, fu­ra­va por to­da par­te do les­te de An­go­la. O Jor­ge me dis­se que o seu pai não só des­mon­ta­va e mon­ta­va o mo­tor do seu ca­mião, mas era um ver­da­dei­ro GPS que co­nhe­cia bem o les­te de An­go­la.

Em Or­lan­do, Flo­ri­da, o Jor­ge con­vi­dou-me pa­ra jan­tar num res­tau­ran­te chic na Dis­ney World, nu­ma área on­de se ti­nha ten­ta­do re­cri­ar a Áfri­ca. Na sa­la de es­pe­ra des­te res­tau­ran­te e ho­tel ha­via, até, um es­cul­tor a pro­du­zir pro­du­tos pa­ra tu­ris­tas. Ha­via mú­si­ca Afri­ca­na por to­do o la­do. O Jor­ge la­men­tou que aque­le ho­tel não ti­ves­se na­da a ver com o con­ti­nen­te Afri­ca­no. No res­tau­ran­te, ele la­men­tou que a co­mi­da – sa­la­das, bi­fes, ar­roz, etc – ti­nha pou­co a ver com a Áfri­ca. Pa­ra ele, o que era preciso na­que­le res­tau­ran­te era ki­za­ka, lom­bi, ka­keya, ka­ta­tu, mu­zon­gué, fumbwa, e aque­las pi­ro­a­das que vão bem com su­ma­té ou me­nhan­dun­gu.

O Jor­ge Ma­nu­el Sei­xas, An­go­la­no que vai so­bre­vi­ven­do na Flo­ri­da, vai so­nhan­do com a pro­vín­cia do Moxico. Ele gos­ta­ria um dia ver au­to-es­tra­das e gran­des ho­téis lá no Moxico. Po­de­mos pôr de la­do as as­pi­ra­ções do Jor­ge co­mo sen­do so­nhos tí­pi­cos da diás­po­ra Afri­ca­na, ca­da vez mais de­sen­rai­za­da. Na ca­sa do Jor­ge, na pa­re­de, há um qua­dro que mos­tra o seu di­plo­ma em Di­rei­to. To­do o es­for­ço na vi­da do Jor­ge Ma­nu­el Sei­xas es­te­ve li­ga­do a um so­nho de que­rer con­tri­buir pa­ra An­go­la. Sim, tu­do de­ve­ria ser fei­to pa­ra fa­ci­li­tar que o Jor­ge, mes­mo de lon­ge, par­ti­ci­pe na cons­tru­ção de An­go­la. Os so­nhos de­le por uma An­go­la me­lhor, co­mo de mui­to de nós, vêm de lon­ge!

Vi­vía­mos nu­ma Zâm­bia cheia de es­pe­ran­ça. Es­te país na al­tu­ra ti­nha ape­nas vin­te anos, ten­do ad­qui­ri­do a sua in­de­pen­dên­cia em 1964. Na Zâm­bia de en­tão, fa­la­va-se mui­to da au­to­con­fi­an­ça eco­nó­mi­ca: o país que pro­du­zia co­bre, ar­gu­men­ta­va-se, ti­nha que pas­sar a fa­bri­car pro­du­tos de qua­li­da­de

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.