An­go­la vai cer­ti­fi­car pro­ces­sos in­dus­tri­ais

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Vic­to­ri­no Jo­a­quim

O Ins­ti­tu­to An­go­la­no de Acreditação (IAAC) es­tá a ele­var as com­pe­tên­ci­as pa­ra, den­tro de qua­tro ou cin­cos anos, co­me­çar a acre­di­tar or­ga­nis­mos de avaliação da con­for­mi­da­de, anun­ci­ou on­tem, em Lu­an­da, a di­rec­to­ra da ins­ti­tui­ção.

Cláu­dia Si­mões fa­la­va à im­pren­sa à mar­gem de um se­mi­ná­rio so­bre “A con­tri­bui­ção da acreditação pa­ra o au­men­to da con­fi­an­ça na ac­ti­vi­da­de ins­pec­ti­va”, pro­mo­vi­do pe­lo Mi­nis­té­rio da In­dús­tria pa­ra co­me­mo­rar o Dia Mun­di­al da Acreditação, as­si­na­la­do a 9 de Ju­nho.

Cláu­dia Si­mões lem­brou que o IAAC co­me­çou a fun­ci­o­nar há pou­co me­nos de dois anos, pe­lo que, de­cla­rou, pa­ra me­lho­rar a ac­tu­a­ção, pre­ci­sa de se pre­pa­rar.

Nes­te mo­men­to, adi­an­tou Cláu­dia Si­mões, es­tão em for­ma­ção os qua­dros dos la­bo­ra­tó­ri­os, cer­ti­fi­ca­do­res e de avaliação de con­for­mi­da­de, bem co­mo es­tão a ser tra­ça­das as es­tra­té­gi­as pa­ra de­ter­mi­nar o “mo­dus ope­ran­di” do que vai ser o sis­te­ma an­go­la­no da qua­li­da­de, vi­san­do co­me­çar a acre­di­tar or­ga­nis­mos de avaliação da con­for­mi­da­de a ní­vel do país. “Com o im­pul­so do IAAC, An­go­la pas­sou a con­tar com uma As­so­ci­a­ção An­go­la­na dos La­bo­ra­tó­ri­os que fir­mou par­ce­ri­as com o or­ga­nis­mo con­gé­ne­re da SADC pa­ra ga­ran­tir a for­ma­ção de qua­dros an­go­la­nos na Áfri­ca do Sul, on­de, em Ju­lho, de­cor­rem dois cur­sos pa­ra for­mar cer­ca de 40 téc­ni­cos de la­bo­ra­tó­rio de ca­li­bra­ção e en­saio”.

Cláu­dia Si­mões afir­mou que, co­mo par­te do pro­ces­so de pre­pa­ra­ção, o IAAC re­a­li­za des­de o iní­cio des­te ano um inqué­ri­to na­ci­o­nal pa­ra re­gis­tar e for­mar uma ba­se de dados na­ci­o­nal de la­bo­ra­tó­ri­os, cer­ti­fi­ca­do­res e de or­ga­nis­mos de avaliação de con­for­mi­da­de.

No dis­cur­so de aber­tu­ra, o mi­nis­tro de Es­ta­do e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Fre­de­ri­co Car­do­so, res­sal­tou a im­por­tân­cia da acreditação, de­fi­nin­doa co­mo um pro­ces­so atra­vés do qual um or­ga­nis­mo au­to­ri­za­do re­co­nhe­ce, for­mal­men­te, que uma or­ga­ni­za­ção ou pes­soa é com­pe­ten­te pa­ra efec­tu­ar ta­re­fas es­pe­cí­fi­cas e pro­du­zir re­sul­ta­dos den­tro de li­mi­tes acei­tá­veis, con­sis­ten­tes e sus­ten­tá­veis.

Pa­ra Fre­de­ri­co Car­do­so, um país com la­bo­ra­tó­ri­os cre­dí­veis, com or­ga­nis­mos de cer­ti­fi­ca­ção e de ins­pec­ção acre­di­ta­dos, es­ta­rá em con­di­ções de pro­mo­ver um sis­te­ma de ve­ri­fi­ca­ção e de con­tro­lo dos ris­cos das ope­ra­ções e dos ne­gó­ci­os, bem co­mo dos pro­du­tos e ser­vi­ços dis­po­ní­veis no mer­ca­do, au­men­tan­do a con­fi­an­ça dos agen­tes eco­nó­mi­cos e dos con­su­mi­do­res em tran­sac­ções mais se­gu­ras, uma vez que os pro­du­tos e ser­vi­ços tes­ta­dos com ri­gor go­za­rão de igual acei­ta­ção e con­fi­an­ça em mer­ca­dos di­fe­ren­tes .

O Go­ver­no vai con­ti­nu­ar a eli­mi­nar os obs­tá­cu­los que ain­da tra­vam o pro­gres­so da in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da eco­no­mia an­go­la­na, de­cla­rou o res­pon­sá­vel, acres­cen­tan­do que a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da eco­no­mia vai dar res­pos­ta à cres­cen­te ne­ces­si­da­de de con­su­mo e de me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da da po­pu­la­ção an­go­la­na, bem co­mo pa­ra fa­zer com que o país es­te­ja à al­tu­ra dos com­pro­mis­sos fa­ce à ade­são às zo­nas de co­mér­cio li­vre da SADC e Con­ti­nen­tal Afri­ca­na.

A mi­nis­tra da In­dús­tria, Ber­nar­da Mar­tins, con­si­de­rou que, nu­ma so­ci­e­da­de glo­ba­li­za­da, co­mo a ac­tu­al, os con­su­mi­do­res têm de ter con­fi­an­ça nos pro­du­tos que ad­qui­rem, na­ci­o­nais ou es­tran­gei­ros, se­jam ali­men­tos, me­di­ca­men­tos, apa­re­lhos elec­tró­ni­cos ou qual­quer ou­tro bem ou ser­vi­ço.

Mem­bros do Go­ver­no, in­dus­tri­ais e pro­fis­si­o­nais de di­ver­sas áre­as par­ti­ci­pa­ram no se­mi­ná­rio que en­cer­rou on­tem.

Te­mas co­mo “O re­co­nhe­ci­men­to das com­pe­tên­ci­as téc­ni­cas dos or­ga­nis­mos de ins­pec­ção”, “Ac­ti­vi­da­de a avaliação da con­for­mi­da­de dos or­ga­nis­mos de ins­pec­ção em An­go­la” e “Ins­pec­ção e con­tro­lo das nor­mas e pro­ce­di­men­tos adu­a­nei­ros em An­go­la” fo­ram dis­cu­ti­dos pe­los par­ti­ci­pan­tes du­ran­te o en­con­tro.

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

En­con­tro so­bre a cer­ti­fi­ca­ção en­ga­ja a li­de­ran­ça po­lí­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.