País sem cor­rup­ção as­se­gu­ra me­lhor saú­de

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Cé­sar André

“A cri­se tem sem­pre um la­do po­si­ti­vo. O tem­po de cri­se faz com que uti­li­ze­mos o pou­co di­nhei­ro que te­mos na­qui­lo que é es­sen­ci­al, que é pri­o­ri­tá­rio. É nes­sa al­tu­ra que é fei­ta uma se­lec­ção de pri­o­ri­da­des com mai­or ri­gor”

O se­gre­do pa­ra so­lu­ci­o­nar os pro­ble­mas da saú­de e o sa­ne­a­men­to bá­si­co tem de par­tir da ar­ti­cu­la­ção per­ma­nen­te en­tre os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais. A afir­ma­ção é do se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra a Saú­de Pública, Jo­sé Vi­ei­ra Di­as da Cunha, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, na qual dis­se que, “se não hou­ver um sis­te­ma de re­co­lha de li­xo em con­di­ções, um sis­te­ma que não per­mi­ta que as águas se acu­mu­lem em de­ter­mi­na­dos lo­cais, uma efi­ci­en­te dis­tri­bui­ção de água po­tá­vel e a pos­si­bi­li­da­de de ali­men­tar de for­ma equi­li­bra­da a po­pu­la­ção, mui­to di­fi­cil­men­te se vai po­der con­tro­lar a saú­de pública”. Pa­ra Jo­sé Vi­ei­ra Di­as da Cunha, a apos­ta tem de ser fei­ta por meio de ac­ções mul­tis­sec­to­ri­ais per­ma­nen­tes e não ape­nas pon­tu­ais. Co­mo fa­zer uma vi­gi­lân­cia epi­de­mi­o­ló­gi­ca efi­caz ao lon­go da fron­tei­ra com a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, on­de foi de­cla­ra­do um sur­to de ébo­la?

Pa­ra fa­lar­mos do ébo­la, acho ser ne­ces­sá­rio, pri­mei­ro, di­zer o que é exac­ta­men­te a do­en­ça. Fa­ço men­ção a um pan­fle­to, que já dis­tri­buí­mos em to­das as pro­vín­ci­as, no qual di­ze­mos que qual­quer pes­soa com iní­cio de fe­bre e que te­nha vi­si­ta­do ou re­si­di­do na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te no mu­ni­cí­pio de Bi­ko­ro e na ci­da­de de Wan­da­ka, que são, nes­te mo­men­to, os fo­cos da in­fec­ção, e que a qual­quer mo­men­to pos­sa vir a apre­sen­tar sin­to­mas de sín­dro­me fe­bril, que são aná­lo­gos aos da ma­lá­ria, tais co­mo fe­bre al­ta, dor de ca­be­ça e fra­que­za, num pe­río­do que vai até vin­te e um di­as, é con­si­de­ra­da sus­pei­ta de ter ébo­la.

Co­mo se vai pro­ces­sar a vi­gi­lân­cia epi­de­mi­o­ló­gi­ca?

Já fa­ze­mos vi­gi­lân­cia epi­de­mi­o­ló­gi­ca. To­das as pro­vín­ci­as do país já es­tão de­vi­da­men­te ori­en­ta­das so­bre o que de­vem fa­zer. Mas es­sa ori­en­ta­ção foi mui­to mais es­pe­cí­fi­ca e re­for­ça­da a ní­vel das pro­vín­ci­as fron­tei­ri­ças. Es­tou a fa­lar das pro­vín­ci­as de Ca­bin­da, Zai­re, Uíge, Lunda Nor­te, Lunda Sul, Ma­lan­je e Moxico. Es­tas pro­vín­ci­as têm, a ní­vel das fronteiras, equi­pas que fa­zem a me­di­ção da tem­pe­ra­tu­ra à dis­tân­cia de pes­so­as que de­se­jam en­trar pa­ra o nos­so país e, ao mes­mo tem­po, pre­en­chem o for­mu­lá­rio, tam­bém en­vi­a­do às res­tan­tes pro­vín­ci­as, que é o for­mu­lá­rio dos pon­tos de en­tra­da em An­go­la. Es­se for­mu­lá­rio não só exis­te nas fronteiras ter­res­tres, mas tam­bém nas fronteiras ma­rí­ti­mas e aé­re­as (ae­ro­por­tos). Um in­di­ví­duo sus­pei­to, que ve­nha de uma des­tas zo­nas com fe­bre, é ime­di­a­ta­men­te en­vi­a­do pa­ra uma zo­na de iso­la­men­to.

An­go­la tem téc­ni­cos à al­tu­ra pa­ra fa­zer di­ag­nós­ti­co cor­rec­to e tra­tar even­tu­ais ca­sos de ébo­la?

O ví­rus do ébo­la é da mes­ma família de Mar­bur­go, que ti­ve­mos na pro­vín­cia do Uíge em 2004-2005. Nes­sa al­tu­ra, ti­nha­mos equi­pas de mé­di­cos, en­fer­mei­ros e téc­ni­cos de di­ag­nós­ti­co a fa­zer não só o trei­no, mas o iso­la­men­to e tra­ta­men­to da do­en­ça na pro­vín­cia do Uíge. Com es­ses téc­ni­cos pre­pa­ra­dos no Uíge e em Lu­an­da, es­ta­mos a com­ple­tar a pre­pa­ra­ção e o trei­no dos téc­ni­cos a ní­vel das oi­to pro­vín­ci­as fron­tei­ri­ças. Te­mos, téc­ni­cos à al­tu­ra de fa­zer o di­ag­nós­ti­co clí­ni­co. É im­por­tan­te re­fe­rir que de­ve­mos ter em con­ta um as­pec­to, o di­ag­nós­ti­co do ví­rus ébo­la. O di­ag­nós­ti­co la­bo­ra­to­ri­al não se faz ao nos­so ní­vel. Por­tan­to, clas­si­fi­ca­mos o ca­so sus­pei­to. Um téc­ni­co de la­bo­ra­tó­rio, de di­ag­nós­ti­co e te­ra­pêu­ti­ca, faz a co­lhei­ta de san­gue em con­di­ções per­fei­tas de bi­os­se­gu­ran­ça. Es­se san­gue é de­pois trans­por­ta­do num equi­pa­men­to de­vi­da­men­te fe­cha­do e en­vi­a­do pa­ra um la­bo­ra­tó­rio de re­fe­rên­cia, que po­de ser ou o la­bo­ra­tó­rio do Se­ne­gal ou o da Áfri­ca do Sul, por­que são la­bo­ra­tó­ri­os de ní­vel qua­tro de bi­os­se­gu­ran­ça. No país não te­mos um la­bo­ra­tó­rio com es­te ní­vel de bi­os­se­gu­ran­ça.

Não se­ria re­co­men­dá­vel a re­a­li­za­ção de cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção so­bre os ris­cos do con­su­mo de car­ne de ma­ca­co pa­ra a saú­de hu­ma­na?

Os hos­pe­dei­ros do ví­rus ébo­la são os pri­ma­tas. Não só o ma­ca­co, mas tam­bém o chim­pan­zé e o go­ri­la po­dem ser hos­pe­dei­ros. Tam­bém po­de­mos en­con­trar o ví­rus em ani­mais mor­tos. Qual­quer um des­ses ani­mais po­de trans­mi­tir a do­en­ça ao ho­mem. Ha­bi­tu­al­men­te, as po­pu­la­ções des­sas zo­nas es­tão ha­bi­tu­a­das a ca­çar ani­mais pa­ra a sua ali­men­ta­ção. Mas, du­ran­te a ocor­rên­cia do sur­to, de­fen­do a proi­bi­ção ab­so­lu­ta do con­su­mo de car­ne de ma­ca­co, ob­vi­a­men­te an­te­ce­di­da de uma for­te sen­si­bi­li­za­ção das co­mu­ni­da­des.

Uma mé­di­ca an­go­la­na te­ve de re­cor­rer ao Bra­sil por não ter ti­do o apoio em An­go­la pa­ra dar con­ti­nui­da­de a um es­tu­do ino­va­dor, li­ga­do ao ser­vi­ço neo-na­tal, que, pe­la sua im­por­tân­cia, re­sul­tan­te do cor­te da trans­mis­são ver­ti­cal da­ma­lá­ri­a­que­pas­sa­da­mãe­pa­ra ofi­lho,foi­pre­mi­a­da­noB­ra­sil.Co­nhe­ce a mé­di­ca Eli­sa Gas­par?

Co­nhe­ço a Dra. Eli­sa Gas­par. Ain­da não ti­ve a opor­tu­ni­da­de de lhe dar pes­so­al­men­te os meus pa­ra­béns. Mas apro­vei­to es­te mo­men­to pa­ra fe­li­ci­tá-la. So­bre a ques­tão do re­co­nhe­ci­men­to do país, is­so tem mui­to a ver com a for­ma co­mo li­da­mos com o de­sen­vol­vi­men­to da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca em An­go­la e a ar­ti­cu­la­ção que de­ve exis­tir en­tre a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e o dia-a-dia do país. Re­fi­ro­me fun­da­men­tal­men­te à uti- li­za­ção que se po­de dar a de­ter­mi­na­das re­co­men­da­ções que sa­em dos tra­ba­lhos ci­en­tí­fi­cos que re­a­li­za­mos.

Em An­go­la, os tra­ba­lhos ci­en­tí­fi­cos já são apro­vei­ta­dos de­vi­da­men­te?

Em An­go­la ain­da não se faz com a re­gu­la­ri­da­de ne­ces­sá­ria. Se­ria ne­ces­sá­rio que, de fac­to, as uni­ver­si­da­des e to­das as ins­ti­tui­ções li­ga­das à in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca pu­des­sem, num da­do mo­men­to, pro­por­ci­o­nar à so­ci­e­da­de ci­vil es­sas re­co­men­da­ções. Co­mo is­so não é fei­to com re­gu­la­ri­da­de ne­ces­sá­ria e de­se­ja­da, mui­tas ve­zes, sur­gem si­tu­a­ções des­sa na­tu­re­za. É ne­ces­sá­rio que ha­ja, de fac­to, sem­pre uma per­ma­nen­te tro­ca de in­for­ma­ção en­tre as ins­ti­tui­ções de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, a so­ci­e­da­de ci­vil e o em­pre­sa­ri­a­do, por­que há mui­ta coi­sa que po­de ser apro­vei­ta­da pe­lo em­pre­sa­ri­a­do e pe­las ins­ti­tui­ções que pres­tam ser­vi­ços de saú­de e não só. Por­tan­to, tem que ha­ver es­sa ar­ti­cu­la­ção en­tre as di­fe­ren­tes ins­ti­tui­ções. En­quan­to não exis­tir es­sa ar­ti­cu­la­ção, mui­tos dos tra­ba­lhos vão fi­car en­ga­ve­ta­dos, nas pra­te­lei­ras das bi­bli­o­te­cas e nun­ca vão sair de lá.

A mé­di­ca ex­te­ri­o­ri­zou im­pli­ci­ta­men­te, em al­guns ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, a sua de­si­lu­são por não ter re­ce­bi­do apoio do Mi­nis­té­rio da Saú­de pa­ra a con­ti­nu­a­ção do es­tu­do, cu­jas re­co­men­da­ções es­tão a ser im­ple­men­ta­das com su­ces­so em Per­nam­bu­co, no Bra­sil. O que tem a di­zer so­bre is­so?

É mui­to di­fí­cil fa­lar so­bre is­so. Acho que ago­ra es­tá aber­ta uma no­va era e acre­di­to que os co­le­gas vão po­der, de for­ma de­vi­da­men­te or­de­na­da e hi­e­rar­qui­za­da, con­tac­tar os ser­vi­ços do Mi­nis­té­rio da Saú­de pa­ra o efei­to. Tal­vez se con­si­ga fa­zer não só for­ma­ções que in­te­res­sam ao país, co­mo tam­bém uti­li­zar a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca em be­ne­fí­cio do pró­prio país. Re­cen­te­men­te, es­ti­ve em Cu­ba, on­de fui con­tac­ta­do por es­tu­dan­tes an­go­la­nos que têm um pro­jec­to mui­to bom so­bre cui­da­dos pri­má­ri­os de saú­de. Nós, Mi­nis­té­rio da Saú­de, já en­trá­mos em con­tac­to com al­gu­mas uni­ver­si­da­des pa­ra ver até que pon­to é exequí­vel es­se tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca nas di­fe­ren­tes fa­cul­da­des de Me­di­ci­na do país. Tam­bém já en­trá­mos em con­tac­to com o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or. O que é preciso ago­ra é, no âm­bi­to da no­va di­nâ­mi­ca do país, as pes­so­as di­ze­rem o que es­tão a fa­zer e que ob­jec­ti­vos pre­ten­dem atin­gir. Eu acre­di­to que, a par­tir daí, mui­tas das coi­sas po­de­rão mu­dar, não só ao ní­vel do Mi­nis­té­rio da Saú­de, mas a to­dos os ní­veis.

Em An­go­la a saú­de pública é tra­ta­da co­mo pri­o­ri­da­de?

De­via ser tra­ta­da co­mo pri­o­ri­da­de. Ain­da não é da­da es­sa pri­o­ri­da­de por­que a saú­de pública tem vá­ri­os com­po­nen­tes, mui­tos dos quais não de­pen­dem ex­clu­si­va­men­te do Mi­nis­té­rio da Saú­de. A saú­de pública sig­ni­fi­ca saú­de da po­pu­la­ção, daí ha­ver uma sé­rie de de­ter­mi­nan­tes so­ci­ais que le­vam a que a po­pu­la­ção de um país pos­sa ser clas­si­fi­ca­da co­mo ten­do boa ou má saú­de. Um dos gran­des pro­ble­mas de saú­de pública dos paí­ses sub­de­sen­vol­vi­dos é o de­fi­ci­en­te sa­ne­a­men­to do meio. Te­mos do­en­ças trans­mi­ti­das pe­lo mos­qui­to: a ma­lá­ria, a fe­bre-ama­re­la, a den­gue e a chi­cun­gu­nha. E te­mos tam­bém do­en­ças li­ga­das à água. Uma po­pu­la­ção que não con­so­me água po­tá­vel ad­qui­re fa­cil­men­te do­en­ças trans­mi­ti­das pe­la água con­ta­mi­na­da, co­mo a có­le­ra, que te­mos ago­ra no Uíge e em Ca­bin­da.

As do­en­ças di­ar­rei­cas agu­das con­ti­nu­am com uma ta­xa de mor­ta­li­da­de al­ta?

As do­en­ças di­ar­rei­cas agu­das têm uma ta­xa de mor­ta­li­da­de mui­to gran­de nas nos­sas cri­an­ças com me­nos de 5 anos. Te­mos que ter em con­ta um ou­tro as­pec­to, tam­bém mui­to im­por­tan­te, que é a edu­ca­ção pa­ra a saú­de. A po­pu­la­ção tem de ter tam­bém uma edu­ca­ção di­ri­gi­da à saú­de. As pes­so­as têm de sa­ber que há ne­ces­si­da­de de to­mar ba­nho di­a­ri­a­men­te, re­co­lher o li­xo em con­di­ções ade­qua­das e la­var as mãos an­tes das re­fei­ções e de­pois de de­fe­car. São pe­que­nos as­pec­tos que fa­zem par­te da edu­ca­ção pa­ra a saú­de. No fun­do, o con­jun­to de tu­do is­so é saú­de pública. Eu acre­di­to que se olhar­mos se­ri­a­men­te pa­ra es­tes as­pec­tos das de­ter­mi­nan­tes so­ci­ais, va­mos con­se­guir uma saú­de mui­to me­lhor em An­go­la. Te­mos de apos­tar se­ri­a­men­te na pro­mo­ção da saú­de e na pre­ven­ção da do­en­ça.

Qual é a mai­or de­fi­ci­ên­cia da saú­de pública em An­go­la?

De­ve­mos in­sis­tir na pri­o­ri­da­de que se de­ve dar aos cui­da­dos pri­má­ri­os de saú­de, por­que são vi­tais pa­ra que o sis­te­ma de saú­de se for­ta­le­ça. Não con­cor­do com mui­tas pes­so­as que pen­sam que te­mos de cons­truir gran­des hos­pi­tais, com equi­pa­men­tos de pon­ta, co­mo a res­so­nân­cia mag­né­ti­ca e a TAC (Tu­mo­gra­fia Axi­al Com­pu­ta­ri­za­da). Não é is­so que, no fun­do, vai dar uma saú­de boa à po­pu­la­ção de um de­ter­mi­na­do país. Não que­ro di­zer que es­tes hos­pi­tais não fa­çam fal­ta. O que te­mos de fac­to de de­sen­vol­ver são os pos­tos e cen­tros de saú­de, ape­tre­chá-los com equi­pa­men­to bá­si­co e pes­so­al que es­te­ja à al­tu­ra das ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção, de acor­do com o que es­tá es­tru­tu­ra­do o nos­so Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Saú­de. De acor­do com a li­te­ra­tu­ra mé­di­ca, 80 por cen­to da po­pu­la­ção de­ve ser aten­di­da em cen­tros e pos­tos de saú­de e 20 por

cen­to nos hos­pi­tais ter­ciá­ri­os. In­fe­liz­men­te, às ve­zes, não con­se­gui­mos ter os cui­da­dos pri­má­ri­os a fun­ci­o­na­rem co­mo de­vem. Por es­ta ra­zão, te­mos re­gis­ta­do uma so­bre­car­ga dos hos­pi­tais ter­ciá­ri­os, que fa­zem tam­bém o tra­ba­lho que de­via ser fei­to pe­las uni­da­des pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as, daí que não pos­sam fa­zer bem o seu pró­prio tra­ba­lho, que é de uni­da­de ter­ciá­ria. É preciso ha­ver pos­tos e cen­tros de saú­de com bons en­fer­mei­ros, mé­di­cos, téc­ni­cos de la­bo­ra­tó­rio e com equi­pa­men­tos bá­si­cos de raio X e aná­li­ses clí­ni­cas. Se ti­ver­mos is­so, o aces­so aos cui­da­dos de saú­de me­lho­ram e, con­se­quen­te­men­te, po­de­re­mos ter uma saú­de pública mui­to me­lhor no nos­so país.

O Mi­nis­té­rio da Saú­de é a úni­ca en­ti­da­de res­pon­sá­vel pe­la saú­de pública?

A res­pon­sa­bi­li­da­de da saú­de pública em qual­quer país é mul­tis­sec­to­ri­al. A pi­or coi­sa que po­de­mos fa­zer é pen­sar que a saú­de pública de­pen­de ex­clu­si­va­men­te do Mi­nis­té­rio da Saú­de. A saú­de pública de­pen­de das de­ter­mi­nan­tes so­ci­ais de saú­de a que fiz re­fe­rên­cia à: sa­ne­a­men­to do meio am­bi­en­te, água, con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de, ves­tuá­rio, ali­men­ta­ção, ren­di­men­to fa­mi­li­ar. Por exem­plo, ago­ra que es­ta­mos no Ca­cim­bo, te­mos que es­tar de­vi­da­men­te aga­sa­lha­dos e te­mos ne­ces­si­da­de de ali­men­ta­ção mais ca­ló­ri­ca.

Quais são as gran­des ne­ces­si­da­des de saú­de da po­pu­la­ção an­go­la­na?

Con­ti­nuo a di­zer que a gran­de ne­ces­si­da­de é ter­mos os cui­da­dos pri­má­ri­os de­vi­da­men­te ape­tre­cha­dos e que pos­sam res­pon­der às ne­ces­si­da­des do aces­so uni­ver­sal aos cui­da­dos de saú­de da po­pu­la­ção. Se es­sa ne­ces­si­da­de for sa­tis­fei­ta, es­ta­re­mos a re­sol­ver, co­mo já dis­se, 80 por cen­to das ne­ces­si­da­des da saú­de da nos­sa po­pu­la­ção.

Quais são os gran­des ris­cos pa­ra a saú­de da po­pu­la­ção em An­go­la e as de­ter­mi­nan­tes de tais ris­cos?

Os gran­des ris­cos têm a ver fun­da­men­tal­men­te com as con­di­ci­o­nan­tes am­bi­en­te, es­ti­lo de vi­da e edu­ca­ção pa­ra a saú­de. Por exem­plo, se o sa­ne­a­men­to do meio es­ti­ver à al­tu­ra, di­fi­cil­men­te ire­mos con­trair de­ter­mi­na­das do­en­ças. Te­mos in­sis­ti­do na ne­ces­si­da­de de as pes­so­as te­rem um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel, por­que é sa­bi­do que, além das do­en­ças trans­mis­sí­veis, co­mo a ma­lá­ria, tu­ber­cu­lo­se e a có­le­ra, com­ba­ti­das fun­da­men­tal­men­te com o sa­ne­a­men­to do meio am­bi­en­te e a edu­ca­ção pa­ra a saú­de, te­mos ago­ra as cha­ma­das do­en­ças cró­ni­cas não trans­mis­sí­veis, co­mo o can­cro, a di­a­be­tes e a hi­per­ten­são. São do­en­ças que têm mui­to a ver com o es­ti­lo de vi­da que a po­pu­la­ção adop­ta. Te­mos de co­me­çar a ha­bi­tu­ar as cri­an­ças, des­de a nas­cen­ça, a não con­su­mi­rem ali­men­tos pre­ju­di­ci­ais à saú­de. Te­mos de in­cen­ti­vá-las a pra­ti­car exer­cí­ci­os fí­si­cos e de for­ma re­gu­lar. Um ele­men­to fun­da­men­tal pa­ra a saú­de das pes­so­as é o des­por­to es­co­lar. Pa­ra as po­pu­la­ções ca­ren­ci­a­das, te­mos que cri­ar me­ca­nis­mos de apoio so­ci­al. A me­ren­da es­co­lar é um exem­plo. Há paí­ses que dão uma ces­ta bá­si­ca à mu­lher grá­vi­da com con­sul­tas re­gu­la­res pré-na­tal. As con­sul­tas de pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar são fun­da­men­tais, so­bre­tu­do num país co­mo o nos­so, on­de a saú­de ma­ter­noin­fan­til tem in­di­ca­do­res mui­to ne­ga­ti­vos.

Co­mo con­tro­lar a in­ci­dên­cia de do­en­ças na po­pu­la­ção com os re­cur­sos fi­nan­cei­ros alo­ca­dos à área de Saú­de Pública, so­bre­tu­do em tem­po de cri­se?

A cri­se tem sem­pre o seu la­do po­si­ti­vo. É im­por­tan­te en­ca­rar a cri­se des­sa ma­nei­ra por­que a nos­sa cri­se, que é só­ci­o­e­co­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, cria no ser hu­ma­no de­ter­mi­na­das ca­pa­ci­da­des de ino­va­ção, que per­mi­tem, na­tu­ral­men­te, fa­zer­mos fa­ce a ela de for­ma di­fe­ren­te. Em mo­men­tos de cri­se, o im­por­tan­te é ten­tar­mos, par­ti­cu­lar­men­te a ní­vel do sec­tor da Saú­de, eli­mi­nar o des­per­dí­cio e lu­tar pa­ra atin­gir a efi­ci­ên­cia. O tem­po de cri­se faz com que uti­li­ze­mos o pou­co di­nhei­ro que te­mos na­qui­lo que é es­sen­ci­al, é pri­o­ri­tá­rio. É nes­sa al­tu­ra que é fei­ta uma se­lec­ção de pri­o­ri­da­des com mai­or ri­gor.

É uma re­cei­ta pa­ra ser per­ma­nen­te­men­te se­gui­da?

Se con­se­guir­mos fa­zer uma se­lec­ção ri­go­ro­sa de pri­o­ri­da­des, va­mos ter cui­da­dos pri­má­ri­os, pro­gra­mas de pro­mo­ção da saú­de e pre­ven­ção da do­en­ça ca­da vez mais re­for­ça­dos e bons hos­pi­tais ter­ciá­ri­os, on­de as pes­so­as, de­pois de saí­rem dos cui­da­dos pri­má­ri­os e se­cun­dá­ri­os, pos­sam en­con­trar uma me­di­ci­na de al­ta com­ple­xi­da­de, com ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to ao do­en­te, po­den­do até re­du­zir, subs­tan­ci­al­men­te, a ida de ci­da­dãos ao es­tran­gei­ro, por ra­zões de saú­de. A re­cei­ta que te­mos de se­guir é es­ta: me­lho­rar os cui­da­dos pri­má­ri­os, fa­zer uma avaliação mui­to ri­go­ro­sa dos hos­pi­tais ter­ciá­ri­os, ver exac­ta­men­te quais são os que têm vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca e os que não têm. Não bas­ta cons­truir gran­des hos­pi­tais em to­das as pro­vín­ci­as, é preciso sa­ber se te­mos, a cur­to, mé­dio e lon­go pra­zo, o su­fi­ci­en­te pa­ra su­por­tar o fun­ci­o­na­men­to dos mes­mos.

Há vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca e so­ci­al?

É sem­pre im­por­tan­te ter o as­pec­to so­ci­al, por­que os hos­pi­tais ser­vem de­ter­mi­na­das áre­as ge­o­grá­fi­cas, com de­ter­mi­na­da po­pu­la­ção. Um hos­pi­tal tem sem­pre que sa­ber o ti­po de po­pu­la­ção que aten­de, a sua área de in­fluên­cia e de atrac­ção. A área de in­fluên­cia é a área on­de es­tá a po­pu­la­ção que um hos­pi­tal de­ve ser­vir e a de atrac­ção é aque­la que, não fa­zen­do par­te da sua área de in­fluên­cia, tem pes­so­as que tam­bém re­cor­rem aos seus ser­vi­ços. É ne­ces­sá­rio que ha­ja de fac­to um es­tu­do - e nós já es­ta­mos a fa­zê-lo - pa­ra que sai­ba­mos pro­fun­da­men­te quais são os cen­tros e pos­tos de saú­de que ser­vem bem, os me­lho­res hos­pi­tais mu­ni­ci­pais, o ti­po de equi­pa­men­to que de­vem ter e o ti­po de pes­so­al que de­vem ter. De­pois dis­so, de­ve­mos ana­li­sar os hos­pi­tais ter­ciá­ri­os, um a um, e ver qual é a vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca de ca­da um de­les. Eu acre­di­to que po­de­re­mos em 2019 res­pi­rar um cer­to alí­vio e di­zer que con­se­gui­mos me­lho­rar a saú­de da po­pu­la­ção. Pa­ra o efei­to, vai ser ne­ces­sá­rio re­e­qua­ci­o­nar bem o or­ça­men­to da saú­de pa­ra as gran­des cons­tru­ções e pri­vi­le­gi­ar o fun­ci­o­na­men­to das uni­da­des que já exis­tem.

Nas ac­tu­ais con­di­ções do país, co­mo de­sen­vol­ver uma es­tru­tu­ra so­ci­al que as­se­gu­re a ca­da in­di­ví­duo um pa­drão de vi­da ade­qua­do à ma­nu­ten­ção da saú­de?

De­pen­de mui­to de co­mo nós olha­mos pa­ra es­ta si­tu­a­ção. Se a po­pu­la­ção não ti­ver os ele­men­tos bá­si­cos so­ci­ais, não vai po­der con­se­guir atin­gir o ní­vel de saú­de que con­si­de­ra­mos acei­tá­vel ou de­se­ja­do.

Co­mo me­lho­rar a saú­de pública quan­do ain­da te­mos um gran­de

pro­ble­ma a en­fren­tar, que é o de­fi­ci­en­te sa­ne­a­men­to bá­si­co? Te­mos cons­ti­tuí­da uma co­mis­são in­ter-mi­nis­te­ri­al, da qual fa­zem par­te vá­ri­os mi­nis­té­ri­os cha­ve na re­so­lu­ção des­se pro­ble­ma, que tem a ver com o sa­ne­a­men­to bá­si­co. Re­fi­ro-me aos mi­nis­té­ri­os do Am­bi­en­te, que tem ti­do uma par­ti­ci­pa­ção mui­to ac­ti­va, da Cons­tru­ção, da Ener­gia e Águas e da Agri­cul­tu­ra. O se­gre­do pa­ra re­sol­ver­mos a saú­de e o sa­ne­a­men­to bá­si­co tem de par­tir des­ta ar­ti­cu­la­ção per­ma­nen­te des­tes e de ou­tros de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais. Se não ti­ver­mos um sis­te­ma de re­co­lha de li­xo em con­di­ções, um sis­te­ma que não per­mi­ta que as águas se acu­mu­lem em de­ter­mi­na­dos lo­cais, se não ti­ver­mos uma dis­tri­bui­ção de água po­tá­vel em re­de, o mais alar­ga­da possível no país, se não ti­ver­mos a pos­si­bi­li­da­de de ali­men­tar de for­ma equi­li­bra­da a nos­sa po­pu­la­ção, mui­to di­fi­cil­men­te po­de­re­mos con­tro­lar is­so. A apos­ta é mes­mo es­ta: uma ac­ção mul­tis­sec­to­ri­al per­ma­nen­te e não ape­nas pon­tu­al, pa­ra re­sol­ver es­te ou aque­le pro­ble­ma.

DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

“Te­mos de con­ti­nu­ar a apos­tar se­ri­a­men­te na pro­mo­ção da saú­de e na pre­ven­ção da do­en­ça”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.