Sec­tor pri­va­do é cha­ma­do a es­ti­mu­lar co­mér­cio ru­ral

O sec­tor pri­va­do é de­sa­fi­a­do a es­ti­mu­lar o co­mér­cio ru­ral. A in­ter­ven­ção do Es­ta­do vai fi­car re­du­zi­da à cri­a­ção de in­fra-es­tru­tu­ras e pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - João Di­as

O Exe­cu­ti­vo anun­ci­ou on­tem que vai apre­sen­tar, den­tro de 90 di­as, o Pro­jec­to In­te­gra­do pa­ra a Co­mer­ci­a­li­za­ção da Pro­du­ção Ru­ral, que vi­sa im­pul­si­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to, in­te­gra­ção na­ci­o­nal e o es­co­a­men­to de pro­du­tos do cam­po pa­ra os gran­des cen­tros de con­su­mo. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, o mi­nis­tro do Co­mér­cio, Jof­fre Van-Dú­nem, ex­pli­cou que o ob­jec­ti­vo é dar fô­le­go ao de­sen­vol­vi­men­to das zo­nas com po­ten­ci­al agrí­co­la. Uma co­mis­são in­ter­mi­nis­te­ri­al pa­ra de­sen­vol­ver o pro­jec­to foi on­tem apro­va­da. O mi­nis­tro Jof­fre Van-Dú­nem dis­se que com­pe­ti­rá ao sec­tor pri­va­do en­con­trar as so­lu­ções pa­ra a me­lho­ria da pro­du­ção e ob­ter fi­nan­ci­a­men­tos por via da ban­ca pri­va­da na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. O aces­so de pri­va­dos às in­fra-es­tru­tu­ras e pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas de­ve ser por con­cur­so pú­bli­co, par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das ou mes­mo por con­ces­são ou con­tra­to.

O Exe­cu­ti­vo vai apre­sen­tar, den­tro de 90 di­as, o Pro­jec­to In­te­gra­do pa­ra a Co­mer­ci­a­li­za­ção da Pro­du­ção Ru­ral, pa­ra im­pul­si­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to, in­te­gra­ção na­ci­o­nal e o es­co­a­men­to de pro­du­tos do cam­po pa­ra os gran­des cen­tros de con­su­mo.

O ob­jec­ti­vo é dar fô­le­go ao de­sen­vol­vi­men­to das zo­nas com po­ten­ci­al agrí­co­la, in­for­mou on­tem, em Lu­an­da, o mi­nis­tro do Co­mér­cio, Jof­fre Van-Dú­nem.

À im­pren­sa no fi­nal da VI ses­são or­di­ná­ria da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros, ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lourenço, o mi­nis­tro dis­se que, ape­sar de ser o Exe­cu­ti­vo a cri­ar as ba­ses pa­ra o ar­ran­que do pro­jec­to, a ope­ra­ci­o­na­li­za­ção do pro­jec­to vai ser fei­ta por en­ti­da­des pri­va­das, fi­can­do a in­ter­ven­ção do Exe­cu­ti­vo re­du­zi­da à cri­a­ção de in­fra-es­tru­tu­ras e pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas.

A co­mis­são in­ter-mi­nis­te­ri­al en­car­re­gue de de­sen­vol­ver o pro­jec­to foi apro­va­da du­ran­te a ses­são da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca. Com o pro­jec­to, pre­ten­de-se eli­mi­nar cons­tran­gi­men­tos no pro­ces­so de es­co­a­men­to dos pro­du­tos do cam­po e re­du­zir as im­por­ta­ções.

Ao fim de 90 di­as e nu­ma fa­se ini­ci­al, o pro­jec­to vai con­cre­ti­zar-se em dois pro­gra­mas-pi­lo­to em áre­as a se­rem elei­tas. A in­ten­ção do Exe­cu­ti­vo é tam­bém im­ple­men­tar o pro­jec­to pau­la­ti­na­men­te até que se­jam atin­gi­das to­das as zo­nas agrí­co­las do país. Pa­ra o efei­to, vão ser ne­ces­sá­ri­as es­tra­das ter­ciá­ri­as e se­cun­dá­ri­as, in­fra­es­tru­tu­ras de trans­por­te, lo­gís­ti­ca e dis­tri­bui­ção.

O mi­nis­tro Jof­fre VanDú­nem dis­se que é ao sec­tor pri­va­do que com­pe­ti­rá en­con­trar as so­lu­ções pa­ra a me­lho­ria da pro­du­ção e fi­nan­ci­a­men­to, por via da ban­ca pri­va­da na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. O aces­so de pri­va­dos às in­fra-es­tru­tu­ras e pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas es­tá por ser de­fi­ni­do, mas o mi­nis­tro ga­ran­te que de­ve ser por con­cur­so pú­bli­co, par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das ou mes­mo por con­ces­são ou con­tra­to.

Pa­ra Jof­fre Van-Dú­nem, o dé­fi­ce e os cons­tran­gi­men­tos exis­ten­tes até aqui vão ser so­lu­ci­o­na­dos com o pro­jec­to, num pro­ces­so em que o Exe­cu­ti­vo con­ta com o en­vol­vi­men­to dos go­ver­nos pro­vin­ci­ais e de mi­nis­té­ri­os co­mo o da Agri­cul­tu­ra, dos Transportes e da Cons­tru­ção, bem co­mo uma ca­deia com­pos­ta pe­lo sec­tor fi­nan­cei­ro, em­pre­sa­ri­al e os pró­pri­os agri­cul­to­res.

O mi­nis­tro con­si­de­rou ur­gen­te dar so­lu­ção ao pro­ces­so de es­co­a­men­to dos pro­du­tos agrí­co­las pa­ra in­cen­ti­var os agri­cul­to­res a au­men­ta­rem o seu vo­lu­me de pro­du­ção, re­du­zir o ní­vel de im­por­ta­ção e, a cur­to e mé­dio pra­zos, ele­var os ex­ce­den­tes pa­ra di­ver­si­fi­car as ex­por­ta­ções.

Re­ser­vas lí­qui­das es­tá­veis

Na reu­nião, a Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros apro­vou o Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço do Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção Ma­cro­e­co­nó­mi­ca re­fe­ren­te ao pri­mei­ro tri­mes­tre do ano em cur­so, do­cu­men­to que es­ta­be­le­ce um con­jun­to de metas e me­di­das que vi­sam ga­ran­tir os equi­lí­bri­os ne­ces­sá­ri­os nos sec­to­res fis­cal e mo­ne­tá­rio da eco­no­mia.

Se­gun­do o co­mu­ni­ca­do fi­nal, nes­te pe­río­do, no­tou­se uma tra­jec­tó­ria des­cen­den­te da ta­xa de in­fla­ção e tam­bém da di­fe­ren­ça en­tre a ta­xa de câm­bio ofi­ci­al e a in­for­mal.

Por ou­tro la­do, no mes­mo pe­río­do, as ta­xas de ju­ro dos Tí­tu­los de Te­sou­ro dei­xa­ram de su­bir e as re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais têm-se man­ti­do es­tá­veis. “Têm si­do de­ter­mi­nan­tes pa­ra es­tes re­sul­ta­dos ani­ma­do­res, as me­di­das de po­lí­ti­ca pre­vis­tas no pro­gra­ma de es­ta­bi­li­za­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca, que têm en­con­tra­do um ter­re­no fa­vo­rá­vel na recente ten­dên­cia de re­cu­pe­ra­ção do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal”, lê-se no do­cu­men­to.

A Co­mis­são Eco­nó­mi­ca en­co­ra­ja os ór­gãos com­pe­ten­tes do Exe­cu­ti­vo a pros­se­gui­rem a im­ple­men­ta­ção, com ri­gor, das me­di­das pre­vis­tas no Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção Ma­cro­e­co­nó­mi­ca, com vis­ta a as­se­gu­rar a es­ta­bi­li­da­de de pre­ços e o equi­lí­brio do mer­ca­do cam­bi­al.

Sis­te­ma fi­nan­cei­ro

Re­la­ti­va­men­te às fi­nan­ças pú­bli­cas, a Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros efec­tu­ou o ba­lan­ço de exe­cu­ção do Pla­no de Cai­xa do Te­sou­ro Na­ci­o­nal re­fe­ren­te ao mês de Abril des­te ano, ten­do si­do re­gis­ta­do no pe­río­do dis­po­ni­bi­li­da­des lí­qui­das no va­lor de 334.370,28 mi­lhões de kwan­zas, um flu­xo de pa­ga­men­tos no va­lor de 331.680,8 mi­lhões de kwan­zas e um sal­do de 22.689,48 mi­lhões de kwan­zas.

Banco Mun­di­al

A Co­mis­são Eco­nó­mi­ca apro­vou o Pro­jec­to de De­sen­vol­vi­men­to do Sis­te­ma Fi­nan­cei­ro Na­ci­o­nal, do­cu­men­to ori­en­ta­dor que con­tém um con­jun­to de me­di­das e ac­ções pri­o­ri­tá­ri­as, bem co­mo uma es­tru­tu­ra de im­ple­men­ta­ção efi­ci­en­te e efi­caz que vi­sam de­sen­vol­ver um sis­te­ma fi­nan­cei­ro mais di­ver­si­fi­ca­do e in­clu­si­vo.

O Pro­jec­to de De­sen­vol­vi­men­to, em par­ce­ria com o Banco Mun­di­al, vai con­tri­buir pa­ra o al­can­ce dos ob­jec­ti­vos do Exe­cu­ti­vo de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca e de ex­pan­são das opor­tu­ni­da­des de em­pre­go.

O aces­so de pri­va­dos às pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas es­tá por de­fi­nir, mas o mi­nis­tro ga­ran­te que de­ve ser por con­cur­so pú­bli­co, par­ce­ri­as pú­bli­co­pri­va­das, con­ces­são ou con­tra­to

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Sex­ta ses­são or­di­ná­ria da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros apro­vou o Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço do Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção Ma­cro­e­co­nó­mi­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.