An­go­la re­gis­ta sis­mos de mag­ni­tu­de bai­xa

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Cé­sar Es­te­ves

Ape­sar de se en­con­trar nu­ma zo­na tec­to­ni­ca­men­te es­tá­vel, An­go­la re­gis­ta cen­te­nas de sis­mos, em­bo­ra de mag­ni­tu­de bai­xa, re­ve­lou o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia (Inamet), Do­min­gos do Nas­ci­men­to.

O mun­do as­si­na­la

ho­je o Dia In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Re­du­ção de De­sas­tres. O le­ma es­co­lhi­do pa­ra es­te ano é “O au­men­to das per­das eco­nó­mi­cas cau­sa­das por mu­dan­ças cli­má­ti­cas.” A es­co­lha do re­fe­ri­do le­ma de­ve-se ao fac­to de, to­dos os anos, as ca­tás­tro­fes cau­sa­rem um pre­juí­zo glo­bal na or­dem dos 520 mil mi­lhões de dó­la­res e le­var mi­lhar es de pes­so­as à po­bre­za, de­vi­do a per­das eco­nó­mi­cas pro­vo­ca­das por de­sas­tres na­tu­rais. Em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, Do­min­gos do Nas­ci­men­to, di­rec­tor-ge­ral do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia e Ge­o­fí­si­ca, dis­se que ape­sar de se en­con­trar nu­ma zo­na tec­to­ni­ca­men­te es­tá­vel, An­go­la re­gis­ta no seu ter­ri­tó­rio cen­te­nas de sis­mos só que de mag­ni­tu­de bai­xa. Na con­ver­sa, o di­rec­tor do Inamet fa­la tam­bém de al­guns ser­vi­ços pres­ta­dos pe­la ins­ti­tui­ção que di­ri­ge, bem co­mo das di­fi­cul­da­des do dia-a-dia. O mun­do as­si­na­la, ho­je, o Dia In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Re­du­ção de Ca­tás­tro­fes. An­go­la é um país pro­pen­so a sis­mos? Não. Nós es­ta­mos nu­ma zo­na tec­to­ni­ca­men­te es­tá­vel. Mas, ape­sar dis­so, re­gis­ta­se no nos­so ter­ri­tó­rio cen­te­nas de sis­mos, só que de mag­ni­tu­de mui­to bai­xa, ra­zão pe­la qual não se sen­tem com gran­de in­ten­si­da­de. Além des­ses, há tam­bém os que ocor­rem em zo­nas des­po­vo­a­das, que os apa­re­lhos não re­gis­tam por se­rem de pe­que­na in­ten­si­da­de, is­to é, 1.5 na es­ca­la de Ri­ch­ter. Qu­an­tos equi­pa­men­tos de con­tro­lo de sis­mos o país tem e qual é a ca­pa­ci­da­de dos mes­mos? Te­mos ape­nas três es­ta­ções ins­ta­la­das nas pro­vín­ci­as da Huí­la, Mo­xi­co e Ben­go. Os equi­pa­men­tos es­tão ca­pa­ci­ta­dos pa­ra atin­gir um raio de 300 qui­ló­me­tros. Es­se nú­me­ro de apa­re­lhos é su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer uma co­ber­tu­ra to­tal do país? Não é su­fi­ci­en­te, o que di­fi­cul­ta o tra­ba­lho do Inamet. O que es­tá a ser fei­to pa­ra in­ver­ter o qua­dro? Há uma pers­pec­ti­va em alar­gar pa­ra 10 ou 15 es­ta­ções sis­mo­ló­gi­cas a ní­vel na­ci­o­nal, mas, ain­da as­sim, não se­rão su­fi­ci­en­tes pa­ra fa­ze­rem uma co­ber­tu­ra de qua­li­da­de do com­por­ta­men­to sis­mo­ló­gi­co do país. To­da­via, com es­sa quan­ti­da­de, dá pa­ra ter uma per­cep­ção do com­por­ta­men­to sis­mo­ló­gi­co em to­do o país. Qu­an­tos apa­re­lhos se­ri­am ne­ces­sá­ri­os pa­ra se fa­zer uma co­ber­tu­ra to­tal do país? Es­ta­ría­mos tran­qui­los se ti­vés­se­mos 50 es­ta­ções sis­mo­ló­gi­cas es­pa­lha­das pe­lo país. Per­mi­ti­ria de­sen­vol­ver um tra­ba­lho de mai­or qua­li­da­de. Os três apa­re­lhos exis­ten­tes li­mi­tam-se a co­brir ape­nas as pro­vín­ci­as on­de se en­con­tram ou tam­bém ou­tras re­giões do país? O que es­tá no Lubango, es­ten­de-se até a pro­vín­cia do Na­mi­be, o do Ben­go apa­nha Lu­an­da e o do Lu­e­na as zo­nas ad­ja­cen­tes à ci­da­de. Mas, im­por­ta in­for­mar que te­mos tra­ba­lha­do com o Ins­ti­tu­to Por­tu­guês do Mar e At­mos­fe­ra, que po­ten­cia os nos­sos téc­ni­cos no do­mí­nio sis­mo­ló­gi­co. Nes­te mo­men­to, te­mos um es­pe­ci­a­lis­ta a fa­zer uma for­ma­ção de seis me­ses nes­se ins­ti­tu­to. Já ti­ve­mos al­guns que fi­ze­ram 60 di­as. O pro­ces­so vai con­ti­nu­ar. Pro­va­vel­men­te, irão mais qua­tro téc­ni­cos pa­ra for­ma­ção no do­mí­nio da pre­vi­são, equi­pa­men­to de ma­nu­ten­ção e a ní­vel do sis­mo. Qual é a si­tu­a­ção ac­tu­al do Inamet em ter­mos de re­cur­sos hu­ma­nos? Te­mos di­fi­cul­da­des em ter­mos de re­cur­sos hu­ma­nos. So­mos uma ins­ti­tui­ção na­ci­o­nal e se­cu­lar. Em fun­ção dis­so, pre­ci­sa­mos re­ju­ve­nes­cer o nos­so qua­dro. Há zo­nas em que te­mos mui­to pes­so­al en­ve­lhe­ci­do. Só pa­ra ter ideia, nós de­ve­ría­mos ser, só em ter­mos de téc­ni­cos em to­do o país, um to­tal de 500 tra­ba­lha­do­res, en­tre téc­ni­cos es­pe­ci­a­lis­tas de clas­se 1, li­cen­ci­a­dos e téc­ni­cos ope­ra­ci­o­nais, mas, in­fe­liz­men­te, dis­po­mos ape­nas de um nú­me­ro in­fe­ri­or a 150 fun­ci­o­ná­ri­os, o que é mui­to bai­xo pa­ra as ne­ces­si­da­des que te­mos. O qua­dro a ní­vel do Inamet vai con­ti­nu­ar as­sim? Ape­sar do dé­fi­ce de qua­dros, a ins­ti­tui­ção não dei­xou de apos­tar na for­ma­ção. Um dos ob­jec­ti­vos do Inamet pas­sa por uma apos­ta sé­ria nos re­cur­sos hu­ma­nos de que dis­põe. Por es­sa ra­zão, man­da­mos al­guns téc­ni­cos ao Bra­sil e Mar­ro­cos pa­ra for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca. Dois téc­ni­cos que be­ne­fi­ci­a­ram des­sa for­ma­ção já se en­con­tram no país, com as li­cen­ci­a­tu­ras con­cluí­das. Ou­tros dois, com dou­to­ra­men­to, de­vem re­gres­sar em 2019. Além des­ses, re­gres­sa­ram tam­bém ao país cin­co li­cen­ci­a­dos e um mes­tre, to­dos pro­ve­ni­en­tes do Bra­sil. Pa­ra­le­la­men­te a is­so, te­mos uma par­ce­ria com a Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Neto, atra­vés do de­par­ta­men­to de Ge­o­fí­si­ca da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as, que for­ne­ce qua­dros ao ins­ti­tu­to. No ano pas­sa­do, o Inamet en­qua­drou oi­to li­cen­ci­a­dos que saí­ram des­sa ins­ti­tui­ção. Sen­do uma ins­ti­tui­ção se­cu­lar, co­mo dis­se no iní­cio, com fal­ta de téc­ni­cos e de equi­pa­men­tos, co­mo tem res­pon­di­do às exi­gên­ci­as do mo­men­to? Em ter­mos de equi­pa­men­tos, te­mos um pla­no de mo­der­ni­za­ção. Há um con­tra­to fir­ma­do en­tre o Inamet e a Mé­téo-Fran­ce, Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia da Fran­ça, que apoia a ins­ti­tui­ção no pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção. Es­se con­tra­to já foi apro­va­do pe­lo Exe­cu­ti­vo. Es­tá a dar os seus pas­sos. A sua im­ple­men­ta­ção de­fi­ni­ti­va es­tá de­pen­den­te de pro­ces­sos bu­ro­crá­ti­cos, que têm a ver já com ou­tros sec­to­res. Qu­an­tas es­ta­ções me­te­o­ro­ló­gi­cas a ins­ti­tui­ção tem nes­te mo­men­to? Nós pre­ci­sa­mos alar­gar o nú­me­ro de es­ta­ções me­te­o­ro­ló­gi­cas no país. Te­mos, nes­se mo­men­to, o con­tro­lo de 50, mas o pro­jec­to de mo­der­ni­za­ção pre­vê che­gar­mos até 500 es­ta­ções. Em ca­da pro­vín­cia, te­mos um pos­to de ob­ser­va­ção, mas que não che­ga pa­ra co­bri-la to­da. Há pro­vín­ci­as em que te­mos dois apa­re­lhos. Es­sas es­ta­ções que es­tão co­lo­ca­das em to­das as pro­vín­ci­as, sen­do al­gu­mas no ae­ro­por­to, por uma ques­tão de se­gu­ran­ça, man­dam as su­as in­for­ma­ções pa­ra o Cen­tro de Pre­vi­são de Tem­po. Os nos­sos es­pe­ci­a­lis­tas re­ce­bem es­ses da­dos e tra­ba­lham com eles pa­ra a ela­bo­ra­ção das pre­vi­sões ge­rais, ae­ro­náu­ti­ca e cli­ma­to­ló­gi­ca. O que fal­ta pa­ra o Inamet cum­prir ca­bal­men­te com a sua mis­são? Tam­bém pre­ci­sa­mos de ins­ta­lar ra­da­res me­te­o­ro­ló­gi­cos, pa­ra ter­mos pre­vi­são a cur­to pra­zo. Até ao mo­men­to, não te­mos ne­nhum apa­re­lho des­se no país. Até que pon­to a ine­xis­tên­cia des­se apa­re­lho com­pro­me­te o vos­so tra­ba­lho? Não com­pro­me­te, mas se­ria um va­lor acres­ci­do. Com o ra­dar, con­se­gui­ría­mos pre­ver si­tu­a­ções de cur­to pra­zo. O apa­re­lho per­mi­ti­ria pre­ver se den­tro de três ho­ras vai ou não cho­ver nu­ma de­ter­mi­na­da lo­ca­li­da­de. No mo­de­lo glo­bal, não é vi­sí­vel. Se ti­vés­se­mos o ra­dar, con­se­gui­ría­mos fa­zer uma me­lhor pre­vi­são da quan­ti­da­de de pre­ci­pi­ta­ção que iria ocor­rer, bem co­mo o pe­río­do e o lo­cal on­de iria acon­te­cer. Qual é o mo­de­lo de pre­vi­são que o país usa? A pre­vi­são de tem­po que uti­li­za­mos ac­tu­al­men­te é de 24 ho­ras. É fei­ta das 18 ho­ras de um dia até às 18 de ou­tro. E te­mos a pre­vi­são de

“A pre­vi­são de tem­po que uti­li­za­mos ac­tu­al­men­te é de 24 ho­ras. É fei­ta das 18 ho­ras de um dia até às 18 de ou­tro”

72 ho­ras, mas que é ac­tu­a­li­za­da 24 ho­ras. É uma téc­ni­ca uti­li­za­da em qu­al­quer par­te do mun­do. Há pos­si­bi­li­da­de de An­go­la vi­ver pro­ble­mas de in­cên­di­os flo­res­tais, as­sim co­mo acon­te­ce em Por­tu­gal? Não, não é pos­sí­vel. Nós não te­mos ca­rac­te­rís­ti­ca de país com ven­tos mui­to for­tes. Pa­ra ter­mos in­cên­dio, te­ría­mos de ter uma temperatura aci­ma dos 30 graus, hu­mi­da­de na ca­sa dos 30 por cen­to e ven­tos mui­to for­tes. Se ti­ver­mos hu­mi­da­de bai­xa, temperatura na ca­sa dos 30 graus pa­ra ci­ma e ven­to aci­ma dos 50, po­de­mos ter fo­go. Es­te ano vai fa­zer mui­to ca­lor? Nós es­ta­mos na re­gião do ca­lor. Te­mos, em mé­dia, uma temperatura má­xi­ma a ron­dar mui­to pró­xi­mo dos 36 a 37 graus de temperatura am­bi­en­te. Pa­ra Lu­an­da, po­de ha­ver dia em que a temperatura vai che­gar a 33 graus. Di­rec­tor, sa­be-se que além de pre­ver chu­va, o Inamet tam­bém se de­di­ca a ou­tros ser­vi­ços que não são co­nhe­ci­dos, co­mo é ca­so, por exem­plo, da pro­du­ção de in­for­ma­ção so­bre aci­den­tes pro­vo­ca­dos por de­sas­tres na­tu­rais. Po­de fa­lar des­se ser­vi­ço? Sem­pre que al­guém se con­fron­tar com uma si­tu­a­ção co­mo a que aca­bou de men­ci­o­nar, po­de­rá so­li­ci­tar ao Inamet um lau­do me­te­o­ro­ló­gi­co que lhe vai for­ne­cer in­for­ma­ções pre­ci­sas so­bre o que ocor­reu nas úl­ti­mas 24h00, na zo­na do in­ci­den­te, a fim de pro­var à as­se­gu­ra­do­ra que o in­ci­den­te que so­freu foi mes­mo pro­vo­ca­do por um even­to na­tu­ral. A ins­ti­tui­ção es­tá tec­ni­ca­men­te pre­pa­ra­da pa­ra pro­du­zir es­sa in­for­ma­ção com ce­le­ri­da­de? Sim, es­tá. Nós te­mos equi­pa­men­tos-re­gis­ta­do­res co­lo­ca­dos a ní­vel de Lu­an­da e em ou­tras pro­vín­ci­as. Além dis­so, tam­bém te­mos aces­so aos mo­de­los glo­bais, dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção Me­te­o­ro­ló­gi­ca Mun­di­al, on­de An­go­la é mem­bro. Os nos­sos es­pe­ci­a­lis­tas, atra­vés de da­dos de re­a­ná­li­se, pro­du­zem to­da a in­for­ma­ção e, de­pois, in­for­mam se no pe­río­do ale­ga­do pe­lo si­nis­tra­do ocor­reu mes­mo al­gu­ma pre­ci­pi­ta­ção. Com es­ses da­dos, o si­nis­tra­do tem co­mo pro­var à se­gu­ra­do­ra. E es­te ser­vi­ço não se li­mi­ta ape­nas aos au­to­mo­bi­lis­tas. Pa­ra quem mais se des­ti­na o ser­vi­ço? Pa­ra as em­pre­sas de cons­tru­ção ci­vil tam­bém. Po­de des­cre­ver um ce­ná­rio em que uma em­pre­sa de cons­tru­ção ci­vil sen­te ne­ces­si­da­de de re­cor­rer a es­se ser­vi­ço? Va­mos su­por que uma de­ter­mi­na­da em­pre­sa de cons­tru­ção ci­vil re­ce­be uma obra a pra­zo e não con­se­gue en­tre­gar a tem­po, ale­gan­do que te­ve uma se­ma­na de mui­ta chu­va. O Inamet con­se­gue pro­var se, re­al­men­te, hou­ve, na se­ma­na por eles apon­ta­da, chu­vas in­ten­sas.

“Nós es­ta­mos na re­gião do ca­lor. Te­mos, em mé­dia, uma temperatura má­xi­ma a ron­dar mui­to pró­xi­mo dos 36 a 37 graus de temperatura am­bi­en­te. Pa­ra Lu­an­da, po­de ha­ver dia em que a temperatura vai che­gar a 33 graus”

MIQUEIAS MACHANGONGO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

DO­MIN­GOS CADÊNCIA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Do­min­gos do Nas­ci­men­to não gos­ta­ria de ter­mi­nar o seu man­da­to sem an­tes fa­zer do INAMET uma ins­ti­tui­ção au­to-sus­ten­ta­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.