Ne­go­ci­a­ções com FMI con­cluí­das em De­zem­bro

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças re­ve­la que pri­mei­ra fa­se das ne­go­ci­a­ções pa­ra o pro­gra­ma con­jun­to de es­ta­bi­li­za­ção ter­mi­nou com êxi­to

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA -

An­go­la es­pe­ra que as ne­go­ci­a­ções do pro­gra­ma de apoio so­li­ci­ta­do ao Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) es­te­jam con­cluí­das até De­zem­bro e que es­te ar­ran­que no iní­cio do exer­cí­cio fis­cal. Ar­cher Man­guei­ra dis­se em Ba­li (In­do­né­sia) ser um pro­ces­so de­mo­ra­do, mas tem a ex­pec­ta­ti­va de que o pro­gra­ma de apoio avan­ce no prin­cí­pio de 2019. “As ne­go­ci­a­ções le­vam sem­pre o seu tem­po, mas gos­ta­ría­mos que o pro­gra­ma co­me­ças­se tam­bém com o iní­cio do exer­cí­cio fis­cal em An­go­la”, afir­mou.

An­go­la es­pe­ra que as ne­go­ci­a­ções do pro­gra­ma de apoio, so­li­ci­ta­do ao Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) es­te­jam con­cluí­das até De­zem­bro e ar­ran­que no iní­cio do exer­cí­cio fis­cal, dis­se à agên­cia Lusa, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças.

Du­ran­te uma en­tre­vis­ta em Ba­li, na In­do­né­sia, on­de de­cor­rem até 14 de Ou­tu­bro os En­con­tros Anu­ais do FMI e do Ban­co Mun­di­al, Ar­cher Man­guei­ra su­bli­nhou que es­te é sem­pre um pro­ces­so de­mo­ra­do, mas que tem a ex­pec­ta­ti­va de que o pro­gra­ma de apoio avan­ce no prin­cí­pio de 2019.

“As­ne­go­ci­a­ções­le­vam­sem­pre o seu tem­po, mas gos­ta­ría­mos mui­to que o pro­gra­ma co­me­ças­se, tam­bémm, com o iní­cio do exer­cí­cio fis­cal de An­go­la”, afir­mou o go­ver­nan­te.

“Nós ter­mi­ná­mos a pri­mei­ra fa­se do me­mo­ran­do téc­ni­co de en­ten­di­men­to, por­tan­to, é um pro­ces­so que ain­da vai até De­zem­bro”, adi­an­tou e su­bli­nhou que as ne­go­ci­a­ções “es­tão a cor­rer bem”.

A 5 de Ou­tu­bro, em Lu­an­da, o che­fe de mis­são do FMI pa­ra An­go­la ti­nha clas­si­fi­ca­do co­mo “fru­tu­o­sas” as ne­go­ci­a­ções com o Go­ver­no an­go­la­no.

O res­pon­sá­vel avan­çou, en­tão, que as du­as par­tes ti­nham che­ga­do a acor­do “em gran­de par­te das me­di­das”, há ain­da, “pe­que­nos pon­tos” a acer­tar.

Ago­ra, em Ba­li, à mar­gem do even­to do FMI, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças de An­go­la sa­li­en­tou, que tan­to a ní­vel do in­ves­ti­men­to co­mo da re­cei­ta, o acor­do que es­tá a ser ne­go­ci­a­do com o FMI, ba­seia-se no Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção Ma­cro­e­co­nó­mi­ca de­fi­ni­do pe­lo Go­ver­no an­go­la­no.

“Nem se­quer foi ne­ces­sá­rio um pro­gra­ma com o FMI, pa­ra al­te­rar o pa­ra­dig­ma”, dis­se, nu­ma alu­são à de­pen­dên­cia do pe­tró­leo ha­bi­tu­al­men­te apon­ta­da.

Afi­nal, des­ta­cou, “An­go­la, com a adop­ção de um pro­gra­ma de es­ta­bi­li­za­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca, de­fi­niu um no­vo mo­de­lo que pas­sa exac­ta­men­te por pri­o­ri­zar a alo­ca­ção de re­cur­sos pa­ra in­ves­ti­men­tos em in­fra-es­tru­tu­ras, que pos­sam ala­van­car o sec­tor pro­du­ti­vo, por for­mas a ala­van­car a eco­no­mia, re­du­zir o pe­so da de­pen­dên­cia ex­ter­na e tam­bém re­du­zir a pressão so­bre a ba­lan­ça de pa­ga­men­tos, cri­ar fon­tes al­ter­na­ti­vas de re­cei­tas em mo­e­da ex­ter­na, que não só o pe­tró­leo”.

Por ou­tro la­do, afir­mou, o exe­cu­ti­vo an­go­la­no de­se­nhou tam­bém me­ca­nis­mos que ga­ran­tam “uma com­po­nen­te im­por­tan­te da con­so­li­da­ção fis­cal”, que pas­sa pe­la “me­lho­ria do sis­te­ma de ar­re­ca­da­ção tri­bu­tá­ria”.

De res­to, no fi­nal de Se­tem­bro, o FMI ex­pres­sou-se so­bre a en­tra­da em vi­gor do Im­pos­to so­bre Va­lor Acres­cen­ta­do (IVA) em An­go­la, ma­ni­fes­tou a sua con­cor­dân­cia com o adi­a­men­to da sua apli­ca­ção, pa­ra o se­gun­do se­mes­tre de 2019, de for­ma a con­se­guir­se um pro­ces­so só­li­do.

Va­lor por de­fi­nir

So­bre o va­lor to­tal do apoio a ser con­ce­di­do pe­lo FMI, Ar­cher Man­guei­ra dis­se, que ain­da não exis­te um va­lor acor­da­do: “Es­ta­mos, ain­da, na fa­se de de­fi­nir me­tas, de de­fi­nir ob­jec­ti­vos, [de] com­bi­na­ção de po­lí­ti­cas, e de­pois, cer­ta­men­te, se­rá de­fi­ni­do tam­bém o mon­tan­te”.

Em cau­sa es­tá o Pro­gra­ma de Fi­nan­ci­a­men­to Am­pli­a­do (EFF - Ex­ten­ded Fund Fa­ci­lity), des­cri­to pe­lo Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças co­mo um me­ca­nis­mo de apoio do FMI aos paí­ses mem­bros, cri­a­do em 1974, “pa­ra aju­dá-los a so­lu­ci­o­nar pro­ble­mas de lon­go pra­zo, re­la­ci­o­na­dos com bai­xo cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e dé­fi­ce na Ba­lan­ça de Pa­ga­men­tos, de­cor­ren­tes de pro­fun­das dis­tor­ções que exi­jam re­for­mas eco­nó­mi­cas pro­fun­das”.

A 20 de Agos­to, num co­mu­ni­ca­do, o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças in­di­cou ter so­li­ci­ta­do “o ajus­ta­men­to do pro­gra­ma de apoio do FMI, adi­ci­o­nan­do-se uma com­po­nen­te de fi­nan­ci­a­men­to” na mis­são que a ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra efec­tu­ou a Lu­an­da, en­tre 1 e 14 do mes­mo mês.

Ain­for­ma­ção­pres­ta­da,en­tão, era de que An­go­la pre­ten­dia ob­ter um em­prés­ti­mo de 4,5 mil mi­lhões de dó­la­res, re­par­ti­dos em três tran­ches iguais, ao lon­go de ou­tros tan­tos anos.

No ar­ran­que dos En­con­tros Anu­ais, em Ba­li, o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal re­viu em bai­xa as pre­vi­sões pa­ra An­go­la, pre­vê, ago­ra, uma li­gei­ra re­ces­são de 0,1 por cen­to pa­ra es­te ano, o ter­cei­ro con­se­cu­ti­vo de cres­ci­men­to ne­ga­ti­vo, e es­ti­mou um cres­ci­men­to de 3,1 por cen­to, em 2019.

“Em An­go­la, o se­gun­do mai­or ex­por­ta­dor da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na, o PIB re­al de­ve en­co­lher 0,1 por cen­to, em 2018, se­guin­do uma re­ces­são de 2,5 em 2017, mas pro­jec­ta­mos que cres­ça 3,1 por cen­to, em 2019, com a re­cu­pe­ra­ção ase­ra­li­men­ta­da­po­rum­sis­te­ma de alo­ca­ção da mo­e­da ex­ter­na mais efi­ci­en­te e mais dis­po­ni­bi­li­da­de de mo­e­da ex­ter­na, de­vi­do à su­bi­da dos pre­ços do pe­tró­leo”, es­cre­vem os pe­ri­tos do FMI nas Pre­vi­sões Eco­nó­mi­cas Mun­di­ais (“World Eco­no­mic Ou­lo­ok”).

EDIÇÕES NO­VEM­BRO

RA­FA­EL TATI | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, faz ba­lan­ço do en­ten­di­men­to bi­la­te­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.