Elei­ções pa­ra con­ce­lhos com mi­lhões de vo­tan­tes

Mais de 6,5 mi­lhões de elei­to­res fo­ram on­tem às ur­nas es­co­lher os res­pon­sá­veis pe­los con­ce­lhos re­gi­o­nais em to­do o país, um pro­ces­so que por ter su­ce­di­do pe­la pri­mei­ra vez a um sá­ba­do me­re­ceu mui­tas crí­ti­cas da opo­si­ção

Jornal de Angola - - ÁFRICA - Vic­tor Car­va­lho

Pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria da Cos­ta do Mar­fim, um sá­ba­do foi o dia es­co­lhi­do pa­ra a re­a­li­za­ção de um ac­to elei­to­ral, pa­ra ele­ger os pró­xi­mos res­pon­sá­veis pe­los di­fe­ren­tes con­ce­lhos re­gi­o­nais es­pa­lha­dos por to­do o país.

Ape­sar de não te­rem sur­gi­do no­tí­ci­as de pro­ble­mas com a or­ga­ni­za­ção das elei­ções nem so­bre o pro­ces­so de vo­ta­ção, a ver­da­de é que a dis­cus­são foi ace­sa e gi­rou em re­dor das ra­zões que te­rão le­va­do o Go­ver­no a es­co­lher um sá­ba­do em lu­gar do ha­bi­tu­al do­min­go pa­ra que os mais de 6,5 mi­lhões de elei­to­res pu­des­sem exer­cer o seu di­rei­to cí­vi­co.

Ao lon­go das reu­niões e dos co­mí­ci­os nas se­ma­nas que an­te­ce­de­ram a ida às ur­nas, es­ta ques­tão foi re­pe­ti­da­men­te de­ba­ti­da com a opo­si­ção a ar­gu­men­tar que es­ta tro­ca de dia da se­ma­na era sus­cep­tí­vel de “ba­ra­lhar os elei­to­res”.

O Go­ver­no, por seu la­do, de­fen­deu-se di­zen­do que a elei­ção num sá­ba­do ti­nha a van­ta­gem de fa­ci­li­tar a vi­da dos elei­to­res, pois dei­xa­va­lhes o do­min­go to­tal­men­te li­vre pa­ra po­de­rem cum­prir as su­as obri­ga­ções re­li­gi­o­sas.

Es­ta dis­cus­são ser­viu ape­nas pa­ra ali­men­tar a cu­ri­o­si­da­de do pú­bli­co, pois a clas­se po­lí­ti­ca des­de 24 de Mar­ço que ti­nha de­ci­di­do que as elei­ções se­ri­am re­a­li­za­das a 13 de Ou­tu­bro, um sá­ba­do, pro­gra­man­do as­sim to­da a sua ac­ti­vi­da­de a con­tar com es­ta ca­len­da­ri­za­ção.

Opo­si­ção fa­la em ma­no­bra

Mas, co­mo em tem­po de elei­ções to­das as jo­ga­das po­lí­ti­cas são mais ou me­nos ex­pec­tá­veis, a opo­si­ção op­tou por fa­lar re­pe­ti­da­men­te que se es­ta­va pe­ran­te uma “ma­no­bra” do Pre­si­den­te Alas­sa­ne Ou­at­ta­ra pa­ra afas­tar as pes­so­as das me­sas de vo­to e as­sim mo­bi­li­zar ape­nas os seus apoi­an­tes.

Os di­fe­ren­tes par­ti­dos da opo­si­ção re­fe­rem ain­da que es­ta “ma­no­bra” vi­sou o au­men­to da abs­ten­ção e cons­ti­tuiu uma “vi­o­la­ção” ao código elei­to­ral que pre­vê que to­das as elei­ções te­nham que de­cor­rer a um do­min­go, con­for­me dis­se Jus­tin Koua, por­ta-voz do an­ti­go Pre­si­den­te Lau­rent Gbag­bo, que se en­con­tra a cum­prir pe­na de prisão por de­ci­são ju­di­ci­al do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal de Haia.

A opo­si­ção con­si­de­ra tam­bém que es­ta “ma­no­bra” só foi pos­sí­vel de­vi­do à “inex­pli­cá­vel” ma­nu­ten­ção em funções de uma co­mis­são elei­to­ral cu­jo man­da­to ex­pi­rou em 2016. Es­ta co­mis­são elei­to­ral, que tec­ni­ca­men­te propôs ao Go­ver­no a da­ta pa­ra a re­a­li­za­ção des­tas elei­ções, ar­gu­men­ta por seu la­do que a Cons­ti­tui­ção adop­ta­da em 2016 re­no­va au­to­ma­ti­ca­men­te o seu man­da­to ao mes­mo tem­po que per­mi­te uma rein­ter­pre­ta­ção dos textos re­la­ci­o­na­dos com as da­tas pa­ra a re­a­li­za­ção de elei­ções.

Se­gun­do Sou­rou Ko­né, um dos vi­ce-presidentes des­sa co­mis­são, a Cons­ti­tui­ção tem um va­lor ju­rí­di­co su­pe­ri­or ao do código elei­to­ral e per­mi­te en­con­trar as da­tas que me­lhor se adap­tem aos in­te­res­ses dos elei­to­res.

In­de­pen­den­te­men­te do dia da se­ma­na da re­a­li­za­ção des­tas elei­ções, a ver­da­de é que elas de­cor­re­ram den­tro da nor­ma­li­da­de, sem in­ci­den­tes a re­al­çar e com uma par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar bas­tan­te po­si­ti­va, se­gun­do re­ve­la­ram as au­to­ri­da­des cos­ta mar­fi­nen­ses, sen­do de es­pe­rar que a di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos acon­te­ça den­tro de um prazo de três a cin­co di­as.

Nes­te mo­men­to é pre­ma­tu­ro re­fe­rir even­tu­ais fa­vo­ri­tos, até por­que a es­co­lha de di­ri­gen­tes pa­ra os con­ce­lhos re­gi­o­nais cos­tu­ma ser mar­ca­da por uma ló­gi­ca que escapa à in­fluên­cia dos pró­pri­os par­ti­dos po­lí­ti­cos.

Tra­tam-se de es­co­lhas que têm mui­to mais a ver com a re­a­li­da­de das di­fe­ren­tes re­giões, on­de a for­ça do po­der lo­cal se me­de pe­la ac­ção de pes­so­as que mui­tas ve­zes nem se­quer se­guem as li­nhas po­lí­ti­cas dos par­ti­dos pe­los qu­ais se apre­sen­tam pe­ran­te o es­cru­tí­nio dos elei­to­res.

Ape­sar de não te­rem sur­gi­do pro­ble­mas, a dis­cus­são so­bre as ra­zões que le­va­ram o Go­ver­no a es­co­lher um sá­ba­do pa­ra as elei­ções dos con­ce­lhos re­gi­o­nais foi ace­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.