Chu­va aci­ma do nor­mal em oi­to pro­vín­ci­as

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Cé­sar Es­te­ves

Do­min­gos Jo­sé do Nas­ci­men­to Di­rec­tor-ge­ral do Ina­met As pro­vín­ci­as do Bié, Hu­am­bo, Mo­xi­co, Lun­das Nor­te e Sul, Zai­re, Uíge e Ma­lan­je po­dem re­ce­ber chu­va aci­ma do nor­mal du­ran­te os me­ses de No­vem­bro e De­zem­bro des­te ano e até Ja­nei­ro de 2019, in­for­mou sex­ta-fei­ra, em Lu­an­da, o di­rec­tor-ge­ral do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia e Ge­o­fí­si­ca (Ina­met).

Do­min­gos Jo­sé do Nas­ci­men­to, que fa­la­va nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa so­bre a pre­vi­são da épo­ca chu­vo­sa, pa­ra o pe­río­do de Ou­tu­bro de 2018 a Ja­nei­ro de 2019, em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, dis­se que pa­ra as pro­vín­ci­as de Lu­an­da, Ben­go, Benguela, Ca­bin­da, Cu­an­zas Sul e Nor­te, Huí­la e Cu­an­do Cu­ban­go, o Ina­met pre­vê chu­va nor­mal, com ten­dên­cia pa­ra se ele­var a um ní­vel aci­ma do nor­mal.

Pa­ra­as­pro­vín­ci­as­doCu­ne­ne, Namibe e fai­xa sul da Huí­la, pros­se­guiu, pre­vê-se igual­men­te chu­vas nor­mais que po­dem es­tar abai­xo do nor­mal, nes­te mes­mo pe­río­do.

Do­min­gos do Nas­ci­men­to acres­cen­tou que, nos me­ses de Ou­tu­bro, No­vem­bro e De­zem­bro des­te ano, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia e Ge­o­fí­si­ca pre­vê al­gu­ma hu­mi­da­de pa­ra gran­de par­te do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

O res­pon­sá­vel aler­tou que no Cu­ne­ne, Namibe e fai­xa sul da Huí­la, ha­ve­rá pe­río­dos me­nos hú­mi­dos. “Pa­ra os me­ses de No­vem­bro, De­zem­bro des­te ano e Ja­nei­ro de 2019, o Ina­met vi­su­a­li­za ocor­rên­ci­as de chu­vas acom­pa­nha­das de tro­vo­a­das em al­gu­mas par­tes do país”, aler­tou.

Pa­ra o Pla­nal­to Cen­tral, no­me­a­da­men­te nas pro­vín­ci­as do Hu­am­bo, Bié e em al­gu­mas lo­ca­li­da­des do Mo­xi­co e Lun­daSul, pre­vê-se chu­vas nor­mais com ten­dên­cia a su­bir pa­ra aci­ma do nor­mal.

Nas pro­vín­ci­as do Uíge, Ma­lan­je, fai­xa oes­te da Lun­daNor­te, fai­xa oes­te do Cu­an­zaSul e fai­xa sul do Namibe, o Ina­met pre­vê chu­va nor­mal com ten­dên­cia pa­ra abai­xo do nor­mal.

Já pa­ra Lu­an­da, Ben­go, Benguela, Ca­bin­da, Cu­ne­ne, Cu­an­do Cu­ban­go, Cu­an­zas Sul e Nor­te, Huí­la, Lun­das Nor­te e Sul e Zai­re, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia vi­su­a­li­za, pa­ra es­te pe­río­do, chu­vas pró­xi­mo do nor­mal. Moniz Ba­la Pe­dro, “Man Moniz”, nas­ceu na al­deia de Cas­san­da, Quim­be­le, pro­vín­cia do Uíge, em 1978, fi­lho de Afon­so Fi­lho, co­mer­ci­an­te, e de Pau­li­na Ba­la, cam­po­ne­sa. É o ter­cei­ro fi­lho, nu­ma fa­mí­lia de oi­to ir­mãos.

Da sua in­fân­cia, re­cor­da os jo­gos de fu­te­bol, com bo­la de tra­po, en­tre o bair­ro Cas­san­da e as al­dei­as cir­cun­vi­zi­nhas de Qui­pas­sa, 4 de Fe­ve­rei­ro, Qui­zawa­nu­ca e Qui­ma­ba­lu­ki­di.

Em ter­mos de edu­ca­ção pa­ra a vi­da, Moniz Ba­la Pe­dro diz que não te­ve opor­tu­ni­da­de de cum­prir o ri­tu­al de pas­sa­gem pe­la Nkan­da (lo­cal on­de se fa­zia a cir­cun­ci­são), mas na fo­guei­ra, na es­co­la e na igre­ja os mais ve­lhos en­si­na­ram-lhe as re­gras ele­men­ta­res da vi­da com ba­se em pa­rá­bo­las, con­tos e adá­gi­os.

De 1984 a 1987, fez os seus es­tu­dos pri­má­ri­os na al­deia de Cas­san­da, a no­ve quilómetros da vi­la de Quim­be­le.

A frequên­cia na es­co­la do II Ní­vel da Mis­são Ca­tó­li­ca do Quim­be­le foi um dos mo­men­tos mais mar­can­tes da sua for­ma­ção, “uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to du­ra, pois per­cor­ria uma dis­tân­cia de 18 quilómetros por dia pa­ra ir à es­co­la, com ape­nas 12 anos.”

Con­cluiu a oi­ta­va clas­se ape­nas em 1994, por ter fi­ca­do dois anos sem es­tu­dar, de­vi­do à guerra que as­so­lou o país e que de­vas­tou a sua re­gião.

E foi a guerra que fez o jo­vem Moniz Ba­la Pe­dro fu­gir de Quim­be­le, con­tro­la­da e iso­la­da pe­la Unita. “Vim pa­ra Lu­an­da nu­ma vi­a­gem mui­to di­fí­cil nu­ma vi­a­tu­ra da Igre­ja Evan­gé­li­ca Re­for­ma­da em An­go­la (IERA). A vi­a­gem foi mar­ca­da por vis­to­ri­as per­ma­nen­tes ao lon­go do per­cur­so.”

Moniz Ba­la Pe­dro con­ti­nu­ou os es­tu­dos se­cun­dá­ri­os em Lu­an­da, nos co­lé­gi­os Vi­da Abun­dan­te e Na­di­o­reth So­lan­ge, on­de con­cluiu com distinção o ensino Pré-Uni­ver­si­tá­rio em Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas e So­ci­ais.

Moniz Ba­la Pe­dro re­cor­da com má­goa a mor­te do pai, em 1997. “Eu ti­nha 11 anos e foi o mo­men­to mais di­fí­cil da mi­nha vi­da. Pen­sei em dei­xar de es­tu­dar, sen­ti-me per­di­do.”

Pa­ra sem­pre agra­de­ci­do pe­la “edu­ca­ção rí­gi­da” que o pai, um “ho­mem da al­deia, tra­ba­lha­dor e com prin­cí­pi­os”, lhe trans­mi­tiu, Moniz Ba­la Pe­dro diz-nos que es­ses en­si­na­men­tos aju­da­ram na for­ma­ção do seu ca­rác­ter, da sua per­so­na­li­da­de e E nun­ca aban­do­nou os es­tu­dos.

É li­cen­ci­a­do em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção, op­ção So­ci­o­lo­gia, pe­lo Is­ced/Lu­an­da, e Mes­tre em Psi­co­lo­gia pe­la Uni­ver­si­da­de Uni­da do Pa­ra­guai, es­pe­ci­a­li­za­ção em Psi­co­lo­gia So­ci­al.

Aos 34 anos, e no se­gun­do se­mes­tre do úl­ti­mo ano do cur­so de For­ma­ção de Professores de So­ci­o­lo­gia, res­pon­deu ao úl­ti­mo con­cur­so pú­bli­co de in­gres­so na fun­ção pú­bli­ca, pa­ra con­quis­tar uma va­ga no Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção,

DO­MIN­GOS CADÊNCIA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.