ISCED pre­ci­sa de mais 100 pro­fes­so­res

Além do dé­fi­ce de pro­fes­so­res o Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as de Edu­ca­ção na Huí­la pre­ci­sa de mais sa­las de au­la, la­bo­ra­tó­ri­os e téc­ni­cos pa­ra a área ad­mi­nis­tra­ti­va

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Arão Mar­tins | Lu­ban­go

O Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as de Edu­ca­ção (ISCED), na pro­vín­cia da Huí­la, pre­ci­sa de mais 100 do­cen­tes pa­ra col­ma­tar o dé­fi­ce dos 14 cur­sos lec­ci­o­na­dos na ins­ti­tui­ção, re­ve­lou ao Jor­nal de An­go­la o di­rec­tor-ge­ral do ór­gão, Jo­sé Ale­xan­dre.

O aca­dé­mi­co dis­se que o ins­ti­tu­to con­ta com 109 do­cen­tes que aten­dem um uni­ver­so de se­te mil es­tu­dan­tes.

“Pre­ci­sa­mos, pe­lo me­nos, mais de 100 pro­fes­so­res e, tam­bém, mais téc­ni­cos pa­ra a área ad­mi­nis­tra­ti­va”, dis­se, acres­cen­tan­do que a fal­ta de téc­ni­cos na ins­ti­tui­ção de­ve-se à re­for­ma cons­tan­te de al­guns tra­ba­lha­do­res que já atin­gi­ram a ida­de pa­ra o efei­to. “To­dos os anos nos con­fron­ta­mos com pe­di­dos de tra­ba­lha­do­res pa­ra a re­for­ma”, sus­ten­tou.

Na óp­ti­ca de Jo­sé Ale­xan­dre, no pro­ces­so de es­co­lha pa­ra o re­cru­ta­men­to de no­vos do­cen­tes de­ve se dar pri­o­ri­da­de aos jo­vens, “por se­rem ca­pa­zes de res­pon­der à di­nâ­mi­ca do en­si­no nos pró­xi­mos 5 /10 anos”.

A re­a­bi­li­ta­ção e am­pli­a­ção da in­fra-es­tru­tu­ra faz par­te das pre­o­cu­pa­ções da ins­ti­tui­ção, pois o es­ta­do de­gra­da­do das ins­ta­la­ções clama por in­ter­ven­ção ur­gen­te. “Te­mos ne­ces­si­da­de de mais 20 sa­las de au­la e de re­a­tar ur­gen­te­men­te as obras de re­a­bi­li­ta­ção que fo­ram pa­ra­li­sa­das por fal­ta de ver­bas”, dis­se, avan­çan­do que, “foi so­li­ci­ta­do aju­da pa­ra a cons­tru­ção de uma in­fra-es­tru­tu­ra pa­ra mon­ta­gem do la­bo­ra­tó­rio de quí­mi­ca mas até ago­ra quem dê di­rei­to não anuiu o pe­di­do”.

Jo­sé Ale­xan­dre dis­se que o ISCED pre­ci­sa de no­vos la­bo­ra­tó­ri­os pa­ra os cur­sos de Fí­si­ca, In­for­má­ti­ca, Bi­o­lo­gia e Lín­guas, “já que os exis­ten­tes são an­ti­gos”.

No ins­ti­tu­to es­tu­dam ci­da­dãos de vá­ri­as pro­vín­ci­as li­mí­tro­fes , in­clu­si­ve da ca­pi­tal do país . “A qua­li­da­de do en­si­no nes­ta ins­ti­tui­ção atrai mui­ta gen­te de ou­tras pa­ra­gens do país. Nós pri­ma­mos por en­si­no de qua­li­da­de, exi­gin­do mui­to em­pe­nho do pes­so­al do­cen­te. Por­tan­to, va­mos con­ti­nu­ar nes­ta sen­da pa­ra dig­ni­fi­car­mos o en­si­no do país”, dis­se o res­pon­sá­vel da da­cul­da­de.

For­ma­dos 319 ju­ris­tas

A Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Man­du­me ya Nde­mu­fayo, afec­ta à VI Re­gião Aca­dé­mi­ca, que abar­ca as pro­vín­ci­as da Huí­la e do Na­mi­be, for­mou des­de a sua cri­a­ção, em 2009 até 2017, 319 ju­ris­tas, in­for­mou ao Jor­nal de An­go­la o de­ca­no da ins­ti­tui­ção, Abraão Mu­lan­gi. “O cur­so de Di­rei­to na uni­ver­si­da­de é dos mais so­li­ci­ta­dos, por is­so con­ti­nu­a­mos a apos­tar na sua qua­li­da­de tal co­mo nos ou­tros cur­sos. A nos­sa po­lí­ti­ca é não dei­xar tran­si­tar os es­tu­dan­tes com de­bi­li­da­des. Por­tan­to, pro­cu­ra­mos man­ter es­te prin­cí­pio pa­ra que a nos­sa ins­ti­tui­ção con­ti­nue a ser res­pei­ta­da”, dis­se Abraão Mu­lan­gi.

“O Di­rei­to”, con­ti­nu­ou, “é uma vas­ta área de co­nhe­ci­men­tos que obri­ga a quem o abra­ça a se su­pe­rar cons­tan­te­men­te, pois as leis mu­dam e a so­ci­e­da­de exi­ge. Por is­so, os ser­vi­do­res nes­sa es­fe­ra de­vem es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra as exi­gên­ci­as.”

Fa­lan­do em ri­gor na fa­cul­da­de, Abraão Mu­lan­gi dis­se que a ins­ti­tui­ção que di­ri­ge es­tá à al­tu­ra das exi­gên­ci­as do mer­ca­do. “O es­tu­dan­te que não se apli­ca não tran­si­ta. Te­mos aqui pes­so­as há 9 anos que ain­da não con­cluí­ram a li­cen­ci­a­tu­ra. O ri­gor é o nos­so in­di­ca­dor”, su­bli­nhou.

A Fa­cul­da­de de Di­rei­to es­tá li­mi­ta­da em ter­mos de in­fra-es­tru­tu­ras. “Par­ti­lha­mos um úni­co es­pa­ço com mais du­as fa­cul­da­des e is­so nos im­pe­de de ad­mi­tir mais es­tu­dan­tes e ter ou­tras es­tru­tu­ras co­mo la­bo­ra­tó­ri­os e sec­to­res ad­mi­nis­tra­ti­vos”, apon­tou o aca­dé­mi­co.

“Quan­do ti­ver­mos mais sa­las de au­la, es­ta­re­mos aber­tos pa­ra re­ce­ber es­tu­dan­tes de to­das as par­tes do país, aliás, a nos­sa vo­ca­ção é for­mar , por is­so quan­to mais es­tu­dan­tes ti­ver­mos es­ta­re­mos a cum­prir com as nos­sas obri­ga­ções . As en­ti­da­des com­pe­ten­tes es­tão a par des­ta la­cu­na de in­fra­es­tru­tu­ra, e acre­di­to que bre­ve­men­te vão re­sol­ver a ques­tão” , Abraão Mu­lan­gi.

Ape­sar das li­mi­ta­ções de sa­las de au­la, des­de o iní­cio do ano lec­ti­vo, a ins­ti­tui­ção es­tá a uti­li­zar al­gu­mas sa­las da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na o que per­mi­tiu o au­men­to do nú­me­ro de es­tu­dan­tes.

“Te­mos de agra­de­cer a che­fia da fa­cul­da­de de me­di­ci­na que nos ce­deu al­gu­mas sa­las, o que nos per­mi­tiu ad­mi­tir es­te ano lec­ti­vo mais 300 alu­nos”, fi­na­li­zou.

Pre­ci­sa­mos, pe­lo me­nos, mais de 100 pro­fes­so­res e, tam­bém, mais téc­ni­cos pa­ra a área ad­mi­nis­tra­ti­va”. A fal­ta de téc­ni­cos na ins­ti­tui­ção de­ve-se a re­for­ma cons­tan­te de al­guns tra­ba­lha­do­res que já atin­gi­ram a ida­de

ARÃO MAR­TINS | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Edu­ca­ção na Huí­la quer am­pli­ar o qua­dro do­cen­te com o en­qua­dra­men­to de mais cem pro­fes­so­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.