Go­ver­na­dor ad­mi­te fu­sões na ban­ca

Até on­tem, a in­di­ca­ção é de que to­dos os ope­ra­do­res vão cum­prir as me­di­das de ade­qua­ção do ca­pi­tal mí­ni­mo e fun­dos pró­pri­os

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Cris­tó­vão Ne­to

O go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no, ad­mi­te um ce­ná­rio de fu­sões na ban­ca, em con­sequên­cia das me­di­das de ade­qua­ção do ca­pi­tal mí­ni­mo e dos fun­dos pró­pri­os re­gu­la­men­ta­res das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ban­cá­ri­as or­de­na­da em Mar­ço.

O go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) es­pe­ra um ce­ná­rio de fu­sões e aqui­si­ções no sis­te­ma, em con­sequên­cia da im­po­si­ção de me­di­das de ade­qua­ção do ca­pi­tal mí­ni­mo e dos fun­dos pró­pri­os re­gu­la­men­ta­res das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ban­cá­ri­as or­de­na­da em Mar­ço, pa­ra fi­car con­cluí­da até 31 de De­zem­bro.

As ex­pec­ta­ti­vas de Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no re­pre­sen­tam uma evo­lu­ção em re­la­ção a de­cla­ra­ções em Ou­tu­bro no­ti­ci­a­das de Lon­dres, nas quais se afir­ma­va ser es­pe­ra­do o en­cer­ra­men­to de ban­cos, mer­cê das di­fi­cul­da­des que cer­tos ope­ra­do­res en­fren­tam pa­ra ade­qua­rem o ca­pi­tal.

O go­ver­na­dor re­ve­lou on­tem ao Jor­nal de An­go­la que, à me­di­da em que se apro­xi­ma a da­ta li­mi­te pa­ra a cum­pri­men­to do avi­so em que a ade­qua­ção do ca­pi­tal é ori­en­ta­da, tem-se no­ta­do a pro­ba­bi­li­da­de de to­dos os ope­ra­do­res vi­rem e ele­var o ca­pi­tal so­ci­al nos ter­mos de­ter­mi­na­dos pe­lo BNA, ape­sar das di­fi­cul­da­des que se sa­be que en­fren­tam pa­ra ob­ser­var a me­di­da.

“Al­guns ban­cos mos­tra­ram-se com di­fi­cul­da­des pa­ra fa­zer es­se acom­pa­nha­men­to, mas o que é cer­to é que, à me­di­da em que nos apro­xi­má­mos da da­ta, te­mos es­ta­do a no­tar que uma lar­ga mai­o­ria dos ban­cos vai cum­prir, se­não to­dos”, pre­viu o go­ver­na­dor.

Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no ci­tou mes­mo da­dos que, até on­tem, apon­ta­vam que “to­dos os ban­cos vão fa­zer es­se acom­pa­nha­men­to” e que “não de­ve­re­mos ter ban­cos a dei­xa­rem de es­tar em ac­ti­vi­da­de por for­ça des­te ajus­ta­men­to.”

A ques­tão que se co­lo­ca é que, uma vez que o qua­dro re­gu­la­men­tar im­pos­to pe­lo BNA “é ca­da vez mais exi­gen­te”, com o ban­co cen­tral a ema­nar no­vas me­di­das de ri­gor, po­de ha­ver ban­cos sem con­di­ções pa­ra acom­pa­nhar o exer­cí­cio de ade­qua­ção ou de, ao ob­ser­va­rem es­sas nor­mas, tor­na­rem as su­as ope­ra­ções me­nos in­te­res­san­tes, por te­rem per­di­do di­men­são.

“Is­so po­de le­var tam­bém a que al­guns ban­cos jun­tem for­ças”, uma alu­são a um pro­ces­so de fu­sões e aqui­si­ções, sen­do es­sa a re­co­men­da­ção que o BNA tem es­ta­do a dar aos ope­ra­do­res, mais do que a de­cla­rar “va­mos fe­char ban­cos”, dis­se.

“Ve­re­mos ban­cos a jun­tar for­ças pa­ra se tor­na­rem mais ca­pa­zes pa­ra en­fren­tar es­tes no­vos de­sa­fi­os, por­que va­mos con­ti­nu­ar a ser exi­gen­tes”, aler­tou o go­ver­na­dor do BNA.

Lem­brou que, no prin­cí­pio do ano, o BNA pu­bli­cou no­vas nor­mas de ajus­ta­men­to de ca­pi­tais e in­di­cou o 31 de De­zem­bro des­te ano co­mo da­ta li­mi­te, no qua­dro da sua de­ci­são de edi­fi­car “um sis­te­ma fi­nan­cei­ro mais for­te, mais re­si­li­en­te.”

Is­so é uma re­fe­rên­cia a um avi­so de Mar­ço, com o qu­al o BNA ele­vou de 2,5 pa­ra 7,5 mil mi­lhões de kwan­zas, três ve­zes mais, o ca­pi­tal mí­ni­mo pa­ra a ade­qua­ção do ca­pi­tal mí­ni­mo e aos fun­dos pró­pri­os re­gu­la­men­ta­res das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ban­cá­ri­as.

Me­ses de­pois, em Ju­nho, o BNA avan­çou com “me­di­das de sa­ne­a­men­to” do Ban­co An­go­la­no de Ne­gó­ci­os e Co­mér­cio (BANC), da­da a “in­dis­po­ni­bi­li­da­de” dos ac­ci­o­nis­tas pa­ra re­a­li­za­rem o obri­ga­tó­rio au­men­to de ca­pi­tal, no­me­an­do ad­mi­nis­tra­do­res pro­vi­só­ri­os.

Dó­lar sob pres­são

Nes­sa mes­ma en­tre­vis­ta, o go­ver­na­dor do BNA ad­mi­tiu a pre­va­lên­cia de uma cer­ta pres­são so­bre a pro­cu­ra por dó­la­res no mer­ca­do in­for­mal, co­mo efei­to das ope­ra­ções “Trans­pa­rên­cia” e “Res­ga­te” de­sen­ca­de­a­das pe­las au­to­ri­da­des po­li­ci­ais.

Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no es­ti­ma que uma par­te con­si­de­rá­vel dos 400 mil imi­gran­tes ile­gais que dei­xou An­go­la em con­sequên­cia des­sas ope­ra­ções uti­li­zou kwan­zas pa­ra com­prar mo­e­da for­te - re­la­ti­va­men­te abun­dan­te en­tre os ga­rim­pei­ros - ge­ran­do pres­sões que per­tur­ba­ram a convergência que es­tá a ocor­rer en­tre as ta­xas de câm­bio do mer­ca­do for­mal e do in­for­mal.

A di­fe­ren­ça en­tre as du­as ta­xas de câm­bio pas­sou de 150 por cen­to, em Ja­nei­ro, pa­ra cer­ca de 20 em Ou­tu­bro, de acor­do com nú­me­ros ofi­ci­ais re­a­fir­ma­dos on­tem pe­lo go­ver­na­dor que con­si­de­rou, en­tre­tan­to, não ser es­sa uma evo­lu­ção es­tru­tu­ral e re­pre­sen­tar um fe­nó­me­no tem­po­rá­rio, com o que o BNA tam­bém se abs­te­ve de apli­car me­di­das es­tru­tu­rais pa­ra sa­nar a no­va si­tu­a­ção.

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Jo­sé Mas­sa­no lem­brou que o pra­zo de ajus­ta­men­to de ca­pi­tais ter­mi­na a 31 de De­zem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.