43 anos mais tar­de

Jornal de Angola - - ESPECIAL - Ca­e­ta­no Jú­ni­or

So­bre o iní­cio da Lu­ta Ar­ma­da de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal de­cor­re­ram mais de 57 anos. Já a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, con­sequên­cia di­rec­ta do ac­to he­rói­co ini­ci­a­do a 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961, acon­te­ceu há 43, even­to cu­jo sim­bo­lis­mo Agos­ti­nho Ne­to eter­ni­zou pa­ra o mun­do na­que­la ma­dru­ga­da de 11 de No­vem­bro. As mo­ti­va­ções por de­trás da ac­ção dos com­ba­ten­tes an­go­la­nos são co­nhe­ci­das, em­bo­ra se­ja sempre im­por­tan­te lem­brá-las, quer pa­ra avi­var me­mó­ri­as, quer pa­ra de­las dar con­ta a quem as des­co­nhe­ce.

Nes­tes tem­pos de pre­o­cu­pa­ções que cla­mam por to­da a atenção e tam­bém de su­per­fi­ci­a­li­da­de que me­re­ci­am des­pre­zo, va­le sempre in­sis­tir no es­for­ço de re­cri­ar o si­nu­o­so per­cur­so que le­vou os an­go­la­nos à au­to­de­ter­mi­na­ção. Ho­je, no in­ter­va­lo de um pes­ta­ne­jar, ver­da­des ga­nham con­tor­nos de men­ti­ra e, no mesmo ápi­ce, men­ti­ras des­ca­ra­das pas­sam, com a cui­da­da in­sis­tên­cia, a ver­da­des con­ve­ni­en­tes a de­ter­mi­na­dos gru­pos de pres­são.

As­sim, pa­ra pre­ve­nir o sur­gi­men­to do que a convenção de mal in­ten­ci­o­na­dos de­sig­nou por "fac­tos al­ter­na­ti­vos", é preciso re­lem­brar even­tos; ur­ge di­vul­gar as cir­cuns­tân­ci­as em que se de­sen­ro­la­ram de­ter­mi­na­dos acon­te­ci­men­tos. E este de­ve ser um pro­ces­so con­tí­nuo, exe­cu­ta­do a ca­da ins­tan­te, ao lon­go do tem­po. À His­tó­ria de­ve es­tar mesmo re­ser­va­do o pa­pel de "me­mó­ria", fi­can­do a quem tem a obri­ga­ção de a mu­nir de in­for­ma­ções fa­zer a par­te que lhe ca­be.

Uma ava­li­a­ção às con­di­ções sob as quais vi­vi­am os an­go­la­nos à épo­ca da co­lo­ni­za­ção aju­da a com­pre­en­der o es­ta­do de es­pí­ri­to que os ani­mou, quan­do par­ti­ram à con­quis­ta da li­ber­da­de. Quem, na sua pró­pria ter­ra, so­fre com a vi­o­lên­cia, su­por­ta a dis­cri­mi­na­ção e abu­sos de to­da a or­dem, en­fim, aguen­ta enor­mi­da­des que só a es­cra­va­tu­ra in­fli­ge, aca­ba, mais ce­do ou mais tar­de, por ape­lar ao ser rei­vin­di­ca­dor que tem den­tro de si e à re­vol­ta. Afi­nal, mais va­le mor­rer com al­gu­ma dig­ni­da­de a vi­ver o res­to da exis­tên­cia ver­ga­do a hu­mi­lha­ções, que a co­bar­dia aconselha a atu­rar.

As pá­gi­nas que se es­ten­dem pe­la fren­te, nesta edi­ção es­sen­ci­al­men­te de­di­ca­da ao 11 de No­vem­bro, es­tão pre­en­chi­das com tes­te­mu­nhos vi­vos de fi­gu­ras li­ga­das, de al­gu­ma for­ma, a pro­ces­sos que aju­da­ram a de­sen­ca­de­ar even­tos des­fa­vo­rá­veis à co­lo­ni­za­ção. De­poi­men­tos emo­ti­vos, nar­ra­dos em meio a lem­bran­ças do­lo­ro­sas, trans­por­tam-nos pa­ra um pas­sa­do de so­fri­men­to, mas de re­si­li­ên­cia, por meio da qual a lu­ta clan­des­ti­na per­cor­reu até se con­sa­grar; até pro­cla­mar a vi­tó­ria so­bre a for­ça que tam­bém se co­nhe­cia co­mo “po­tên­cia” co­lo­ni­za­do­ra. São, na verdade, do­cu­men­tos le­ga­dos às no­vas ge­ra­ções pa­ra que co­nhe­çam a tra­jec­tó­ria do País que os trou­xe à luz.

Co­mo se vê, pa­ra os com­pa­tri­o­tas des­ses tem­pos de cal­vá­rio, a al­ter­na­ti­va era evi­den­te. E, a mui­tos de­les, o exer­cí­cio do pa­tri­o­tis­mo e o res­ga­te da ter­ra cus­tou a vi­da; a ou­tros, o mesmo es­for­ço tra­du­ziu-se na com­pre­en­são de que o País al­can­ça­ra, fi­nal­men­te, a In­de­pen­dên­cia; de que a ter­ra lhes per­ten­cia e po­di­am dar-lhe o des­ti­no que me­lhor con­vi­es­se. Eis um dos be­ne­fí­ci­os de se ser um po­vo au­to­de­ter­mi­na­do, so­be­ra­no, de­ten­tor do ple­no di­rei­to de se go­ver­nar, fa­zer es­co­lhas pró­pri­as, sem in­ter­ven­ção ex­ter­na, em­bo­ra cons­ci­en­te da ne­ces­si­da­de de co­o­pe­rar com outras Na­ções.

Ho­je, de­cor­ri­dos 43 anos so­bre a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, o re­co­nhe­ci­men­to de que não há be­ne­fí­cio mai­or de­ve ser unâ­ni­me. Ain­da que, vez por outra, o es­for­ço de re­cons­tru­ção nos to­lhe de can­sa­ço, o tra­ba­lho que se es­ten­de pe­la fren­te nos bai­xe o âni­mo ou os con­tra­tem­pos do per­cur­so nos aba­lem a es­pe­ran­ça. É preciso se­guir nas ac­ções que con­du­zem à nor­ma­li­za­ção do país: na trans­pa­rên­cia, no res­ga­te, na mo­ra­li­za­ção, na edu­ca­ção, na har­mo­ni­za­ção, na verdade ...

“De­poi­men­tos emo­ti­vos, nar­ra­dos em meio a lem­bran­ças do­lo­ro­sas, trans­por­tam-nos pa­ra um pas­sa­do de so­fri­men­to, mas de re­si­li­ên­cia, por meio da qual a lu­ta clan­des­ti­na per­cor­reu até se con­sa­grar; até pro­cla­mar a vi­tó­ria so­bre a for­ça que tam­bém se co­nhe­cia co­mo “po­tên­cia” co­lo­ni­za­do­ra”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.