To­dos fa­lam, mas nin­guém quer an­dar na or­dem!...

Jornal de Angola - - ESPECIAL - Os­val­do Gon­çal­ves

“Re­la­tos da épo­ca dão con­ta que, em Lu­an­da, por exem­plo, mui­tos imó­veis nas zo­nas ur­ba­nas per­ma­ne­ce­ram de­so­cu­pa­dos até al­gum tem­po após a In­de­pen­dên­cia, na es­pe­ran­ça de que os seus pro­pri­e­tá­ri­os fos­sem re­gres­sar com o fim da guer­ra. O que não acon­te­ceu”.

Ho­je, An­go­la co­me­mo­ra o 43º ani­ver­sá­rio da sua In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. Foi em 1975 que Agos­ti­nho Ne­to a pro­cla­mou e pa­re­ce que foi ontem. A mai­o­ria da po­pu­la­ção an­go­la­na é mui­to jo­vem: 56 por cen­to tem me­nos de 18 anos; na fai­xa en­tre os 25 e 54 anos es­tão mais de três mi­lhões de ho­mens e cer­ca de três mi­lhões de mu­lhe­res, ou se­ja, em­bo­ra mui­tos se apres­sem a con­tar as su­as fa­ça­nhas na al­tu­ra, e se re­co­nhe­ça a im­por­tân­cia que os jovens e ado­les­cen­tes tiveram, en­tão, é le­gí­ti­mo ques­ti­o­nar, quan­do al­guém re­la­ta epi­só­di­os de­ma­si­a­do sui ge­ne­ris, se não estamos di­an­te de mais um “ven­de­dor de pas­sa­dos”.

De acor­do com as es­ta­tís­ti­cas, ape­nas cer­ca de 400 mil ho­mens e 413 mil mu­lhe­res (qua­tro por cen­to da po­pu­la­ção) têm en­tre 55 e 64 anos de ida­de e só três por cen­to des­tes têm mais de 65. Pa­ra a Eco­no­mia, o fac­to da mai­o­ria da po­pu­la­ção ter me­nos de 35 anos de ida­de, po­de ser alen­ta­dor e fa­zer com que se pre­ve­jam me­lho­ri­as na si­tu­a­ção de cri­se, mas o mesmo não se po­de di­zer da His­tó­ria, que as­sim fi­ca mu­ti­la­da, sem os re­la­tos de mui­tos dos que vi­ven­ci­a­ram os mo­men­tos con­tur­ba­dos que mar­ca­ram a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

Além disso, 62 por cen­to da po­pu­la­ção re­si­de em áre­as ur­ba­nas - 6,5 mi­lhões só em Lu­an­da (27 por cen­to), o que, so­ma­do à bai­xa den­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal (20 ha­bi­tan­tes por qui­ló­me­tro qua­dra­do; em 1975 era de pou­co mais de se­te) e à au­sên­cia de fon­tes do­cu­men­tais, obri­ga a es­for­ços re­do­bra­dos por par­te de quem quei­ra fa­zer uma re­cons­ti­tui­ção dos acon­te­ci­men­tos da­que­la épo­ca mais pró­pria da re­a­li­da­de.

Res­ta, pois, a um me­ro jor­na­lis­ta, com me­nos de no­ve anos de ida­de, na al­tu­ra, re­cor­rer à me­mó­ria e, cor­ren­do o ris­co de ser mal in­ter­pre­ta­do, dar for­ma a es­ses acon­te­ci­men­tos. Fac­to é que, de­vi­do aos con­fron­tos na pe­ri­fe­ria de Lu­an­da e de outras ci­da­des, mui­tas fa­mí­li­as fo­ram obri­ga­das a mu­dar-se pa­ra o cen­tro ou mais pa­ra bei­ra-mar. Por for­ça disso, re­gis­tou-se o de­sa­gre­ga­men­to de mui­tas de­las, fos­se de­vi­do à mor­te de pa­ren­tes, fos­se por cau­sa do en­vol­vi­men­to di­rec­to nos con­fron­tos. Bair­ros mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ocu­pa­dos por fun­ci­o­ná­ri­os co­lo­ni­ais e seus fa­mi­li­a­res, as­sim co­mo por um nú­me­ro mui­to re­du­zi­do de an­go­la­nos mais abas­ta­dos, fo­ram ocu­pa­dos gra­du­al­men­te por na­ci­o­nais, mui­tas ve­zes em de­sa­jus­te em re­la­ção ao que eram os seus há­bi­tos e cos­tu­mes, mas sempre em busca de mai­or se­gu­ran­ça. Re­la­tos da épo­ca, dão con­ta que, em Lu­an­da, por exem­plo, mui­tos imó­veis nas zo­nas ur­ba­nas per­ma­ne­ce­ram de­so­cu­pa­dos até al­gum tem­po após a In­de­pen­dên­cia, na es­pe­ran­ça de que os seus pro­pri­e­tá­ri­os fos­sem re­gres­sar com o fim da guer­ra. O que não acon­te­ceu.

Da mesma for­ma que mui­tos an­go­la­nos tiveram de se mu­dar do in­te­ri­or pa­ra o li­to­ral, mi­lha­res de por­tu­gue­ses e seus fa­mi­li­a­res dei­xa­ram o ter­ri­tó­rio fu­gi­dos da guer­ra. Os prin­ci­pais por­tos e ae­ro­por­tos fo­ram to­ma­dos por gen­te, mo­bí­li­as e "im­bam­bas" de to­do o ti­po.

Qual­quer que te­nha si­do o pa­pel de ca­da um e de sua fa­mí­lia, ele se­rá sempre me­nor que o bem mai­or que foi a con­quis­ta da In­de­pen­dên­cia pe­los an­go­la­nos. Es­cu­sa­do se­rá per­gun­tar, a quem quer que se­ja, qual o mai­or ga­nho pro­por­ci­o­na­do pe­lo 11 de No­vem­bro de 1975, pois, mesmo os mais sau­do­sis­tas de­cer­to re­lu­ta­ri­am em ma­ni­fes­tar tais sen­ti­men­tos, não fos­sem os no­vos ven­tos de li­ber­da­de que so­pram des­de en­tão. A so­ci­e­da­de an­go­la­na es­tá ho­je mais aber­ta, em ter­mos de opi­nião, ao mesmo tem­po que se pro­cu­ra acer­tar em ter­mos ge­rais, no­me­a­da­men­te, le­gais e mo­rais. As pes­so­as, mas tam­bém as or­ga­ni­za­ções so­ci­ais e mesmo al­guns par­ti­dos po­lí­ti­cos, de­mons­tram cer­ta re­sis­tên­cia em acei­tar nor­mas que cons­ti­tu­em as ba­ses da de­mo­cra­cia e da boa go­ver­na­ção.

Era, pois, ex­pec­tá­vel que, ten­do a pró­pria Po­lí­cia Na­ci­o­nal se fei­to co­mu­ni­car mal, aquan­do do anún­cio da Ope­ra­ção “Res­tau­ro”, sur­gis­sem po­ças de vo­zes dis­cor­dan­tes, a adi­vi­nha­rem um fu­tu­ro dan­tes­co pa­ra o País. Afi­nal, to­dos fa­lam, mas nin­guém quer an­dar na or­dem!...

Ci­da­dãos de vá­ri­as fai­xas etá­ri­as, com ca­ta­nas nas mãos, ce­le­bra­ram efu­si­vos a in­de­pen­dên­cia de An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.