O dia de um jor­na­lis­ta na fes­ta da Di­pan­da

Jornal de Angola - - ESPECIAL - Lu­ci­a­no Rocha

Lu­an­da acor­dou apa­ren­te­men­te cal­ma, com ru­as qua­se va­zi­as de pes­so­as e sons, mas, pe­la pri­mei­ra vez, no seu lon­go per­cur­so de 399 anos de ci­da­de, co­mo ca­pi­tal de um país no­vo, nas­ci­do pou­cas ho­ras an­tes, em noi­te de fes­ta gran­de.

Uma fes­ta que atin­giu o au­ge quan­do An­go­la, pe­la voz do seu pri­mei­ro Pre­si­den­te, foi anun­ci­a­da a Áfri­ca e ao Mun­do co­mo país, mais um, dos úl­ti­mos, a li­ber­tar-se, em de­fi­ni­ti­vo, da can­ga co­lo­ni­al e que car­re­ga­ra du­ran­te sé­cu­los de ocu­pa­ções al­ter­na­das.

Na­que­le ano, que tan­to pa­re­ce lon­gín­quo co­mo pró­xi­mo, as no­vas tec­no­lo­gi­as não ha­bi­ta­vam, nem em som­bras, o nos­so ima­gi­ná­rio. Por is­so, quan­do, por vol­ta das oi­to da manhã de 11 de No­vem­bro de 1975, en­trei na Re­dac­ção do “Diá­rio de Lu­an­da” não es­tra­nhei o si­lên­cio so­men­te in­ter­ca­la­do pe­lo ma­tra­que­ar dos apa­re­lhos de te­lex li­ga­dos às agências in­ter­na­ci­o­nais de no­tí­ci­as. Não ha­via mais nin­guém na sa­la. Nem o Rai­mun­do Sot­to Mai­or, qua­se sempre o pri­mei­ro a che­gar. A vés­pe­ra ti­nha si­do in­ten­sa. Em tra­ba­lho e ner­vos, com a fei­tu­ra de dois jor­nais, o do dia, pos­to à ven­da, co­mo sempre, cer­ca das 15h00, e o es­pe­ci­al da In­de­pen­dên­cia, em cum­pri­men­to de pro­mes­sa fei­ta a Agos­ti­nho Ne­to, a sair lo­go após a ce­ri­mó­nia ofi­ci­al.

A nos­sa Re­dac­ção de en­tão era pe­que­nís­si­ma e, co­mo se tal já não bas­tas­se, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te cons­ti­tuí­da por pes­so­as inex­pe­ri­en­tes em ter­mos de tra­ba­lho em jor­nais diá­ri­os, ain­da por ci­ma ves­per­ti­no. Eram os ca­sos do Ar­tur Qu­ei­roz, que vi­nha da en­tão Emis­so­ra Ofi­ci­al, an­te­ces­so­ra da Rá­dio Na­ci­o­nal, e do João Ser­ra, fa­le­ci­do há pou­cos anos, pro­ve­ni­en­te de uma re­vis­ta, a “Semana Ilus­tra­da”. Além de­les, ha­via dois es­ta­giá­ri­os, o Filipe Sá e o Du­ar­te. Eu e o Sot­to Mai­or éra­mos os úni­cos com al­gu­ma ta­rim­ba. E a nos­sa equi­pa era esta!

A verdade é que fi­ze­mos de se­gui­da dois jor­nais num dia de enor­mes emo­ções e es­tron­dos de bom­bar­de­a­men­tos. Tro­pas da FNLA, bem co­mo de Mo­bu­tu, por­tu­gue­sas co­man­da­das pe­lo co­ro­nel San­tos e Cas­tro, além de mer­ce­ná­ri­os de vá­ri­as ori­gens, ten­ta­vam de­ses­pe­ra­da­men­te im­pe­dir a ce­ri­mó­nia, em Lu­an­da, da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. O dia e a noi­te de 10 de No­vem­bro foi, por to­das es­tas cir­cuns­tân­ci­as, de enor­mís­si­ma ten­são em Lu­an­da, não por com­ba­tes que aqui se tra­vas­sem, mas pe­lo re­ceio, por par­te dos ci­vis, da che­ga­da de for­ças ad­ver­sas, o que a su­ce­der re­sul­ta­ria em com­ba­tes san­gren­tos em ple­na ci­da­de.

Qual­quer som mais so­no­ro, co­mo o pro­vo­ca­do por um tu­bo de es­ca­pe, pas­se o exa­ge­ro, cau­sa­va al­vo­ro­ço. Por es­sa ra­zão, en­ten­de­mos, eu e o Sot­to Mai­or, mandar mais ce­do pa­ra a casa as se­nho­ras da Re­vi­são, que eram em mai­or nú­me­ro na­que­le ser­vi­ço. Foi o Ri­ta, que re­gres­sa­ra ao Jor­nal pou­cos anos an­tes, após ser li­ber­ta­do pe­la po­lí­cia po­lí­ti­ca por­tu­gue­sa, jul­go que o úni­co mo­to­ris­ta que so­bra­va, en­tão no jor­nal, a le­vá-las. Os tex­tos da edi­ção es­pe­ci­al fo­ram, as­sim, vis­tos qua­se na to­ta­li­da­de pe­lo Ve­lho Fi­guei­re­do, outro na­ci­o­na­lis­ta da pri­mei­ra hora.

Pa­ra a co­ber­tu­ra da ce­ri­mó­nia da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, no es­pa­ço on­de es­tá ago­ra a Pra­ça com aque­le no­me, fo­ram des­ta­ca­dos Ar­tur Qu­ei­roz, João Ser­ra e o es­ta­giá­rio Filipe Sá. Os dois úl­ti­mos apa­re­ce­ram na Re­dac­ção já a edi­ção es­pe­ci­al es­ta­va nas mãos do Pre­si­den­te. Des­cul­pa­ram-se com o trân­si­to. Ain­da ho­je, jul­go que se per­de­ram em ro­da­das de cer­ve­ja de fes­ta an­te­ci­pa­da

Num tem­po sem te­le­mó­veis, qu­an­to mais In­ter­net, ba­seá­mos o tra­ba­lho da edi­ção es­pe­ci­al, o pri­mei­ro jor­nal an­go­la­no a ser pu­bli­ca­do na An­go­la in­de­pen­den­te, no tra­ba­lho do Ar­tur Qu­ei­roz, que che­gou a tem­po de es­cre­ver, pre­su­mo que gra­ças à bo­leia de al­ma con­des­cen­den­te, e às in­for­ma­ções es­cu­ta­das na en­tão Emis­so­ra Ofi­ci­al pe­lo Sot­to Mai­or. Eu, nem is­so ou­vi. Pas­sei o tem­po na ti­po­gra­fia a pa­gi­nar, a su­bir e a des­cer as es­ca­das en­tre o chum­bo e o que ele ou­via e me con­ta­va.

Quan­do a hora es­pe­ra­da che­gou, anun­ci­a­da pe­las ra­ja­das sem som da mor­te, mas da ale­gria, da con­cre­ti­za­ção do sonho de tan­tos an­go­la­nos, na­que­le “Diá­rio de Lu­an­da” hou­ve só os si­lên­ci­os de mãos aper­ta­das e kan­dan­dus es­trei­ta­dos. Com co­ra­ções a ba­ter de­pres­sa por nos­sas emo­ções tan­to tem­po re­pri­mi­das. Pa­re­ci­am eram ngo­mas de Xo­dó ou Amo­rim, jun­to com as de João­zi­nho Morgado, mais as di­kan­zas de Fon­ti­nhas e Zé Fi­ni­nho e os cho­ros de ale­gri­as guar­da­das a saí­rem das vi­o­las de Li­ceu e Car­li­tos Vi­ei­ra Di­as. Tu­do jun­to, em sin­fo­nia de ge­ra­ções.

De­pois, o Ri­ta le­vou-me à Ci­da­de Al­ta, ao Pa­lá­cio, on­de de­cor­ria o be­be­re­te ofe­re­ci­do a in­di­vi­du­a­li­da­des es­tran­gei­ras. Na rua, a mul­ti­dão, ain­da sem ter de­co­ra­do a le­tra do “An­go­la Avan­te”, gri­ta­va o de­se­jo fei­to ale­gria: “An­go­la, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, um só po­vo, uma só Na­ção”. Quan­do en­trei no sa­lão da fes­ta, com os primeiros exem­pla­res de­bai­xo do braço, Agos­ti­nho Ne­to viu-me, sor­riu, co­mo quem diz “con­se­gui­mos, cum­pris­te”.

De­pois, pas­sei a noi­te jun­to de ami­gos, nu­ma casa da Rua da Mis­são. Be­be­mos, co­me­mos, dan­çá­mos até de­pois do sol nas­cer. To­dos ti­nham as­sis­ti­do ao mo­men­to úni­co do anún­cio do nos­so nas­ci­men­to co­mo país e dor­mi­am. Me­nos eu.

So­zi­nho de regresso à Re­dac­ção, olhei os cin­zei­ros a trans­bor­dar de be­a­tas, as ca­ne­cas de ca­fé va­zi­as, as má­qui­nas de es­cre­ver em po­si­ção de des­can­so, na pa­re­de o ca­len­dá­rio com as da­tas to­das ris­ca­das até àque­le dia. Da rua, con­ti­nu­a­va a vir o som bo­ni­to do si­lên­cio aque­ci­do pe­lo nos­so sol de No­vem­bro. E per­gun­tei-me: e ago­ra?

Quan­do en­trei no sa­lão da fes­ta, com os primeiros exem­pla­res de­bai­xo do braço, Agos­ti­nho Ne­to viu-me, sor­riu, co­mo quem diz “con­se­gui­mos”, cum­pris­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.