Mãe, a mi­nha mu­lher?

Jornal de Angola - - ESPECIAL -

Em Lu­an­da, o au­to­car­ro dei­xou os pas­sa­gei­ros no Bun­go. Man­be­lé e a sua no­va fa­mí­lia to­ma­ram um outro que os le­vou à sua tão ama­da Ilha. Eram 23 ho­ras de um domingo, 19 de Maio. O au­to­car­ro dei­xou-os de­fron­te ao Ta­ma­riz. En­con­trou a por­ta da casa fe­cha­da. Ba­teu com for­ça e im­pa­ci­ên­cia. Aper­ce­be-se que al­guém, do lado de den­tro, ten­ta­va abri-la. Era a mãe, a quem se jun­ta o pai, ins­tan­tes de­pois.

Man­be­lé re­pa­ra que a casa ti­nha um am­bi­en­te de­so­la­dor. Os pais es­ta­vam ar­ra­sa­dos com a sua au­sên­cia. As lá­gri­mas ven­cem-no. Aper­ce­ben­do-se da au­sên­cia de sua es­po­sa, de no­me Ana Be­la “Me­lin”, as pri­mei­ras pa­la­vras que lhe saí­ram da boca fo­ram as se­guin­tes: “Ma­mã, on­de é que es­tá a mi­nha mu­lher?”, ao que a mãe, tam­bém ba­nha­da em lá­gri­mas, res­pon­deu que se ti­nha ido em­bo­ra. Mui­tos a ti­nham per­su­a­di­do a não es­pe­rar por al­guém que não sa­bia se es­ta­va vivo ou mor­to, mo­ti­vo que le­vou a mu­lher a to­mar a de­ci­são de re­gres­sar à sua fa­mí­lia.

Pou­co con­ven­ci­do, tra­çou que iria pro­cu­rá-la ás pri­mei­ras ho­ras do dia se­guin­te, pa­ra um tê­te-àtê­te. Manhã de se­gun­da-fei­ra, 20, Man­be­lé pre­pa­ra-se con­fi­an­te e vai ao en­con­tro da mu­lher, em­bo­ra es­ti­ves­se in­for­ma­do que te­ria de lu­tar con­tra o mi­to que rei­na­va, de que os que vi­nham das ca­dei­as ti­nham ad­qui­ri­do na­tu­re­za ani­ma­les­ca, acu­san­do-os de se­rem “pes­so­as que ma­ta­vam”. Pa­ra seu azar, uma das ví­ti­mas des­se mi­to foi a sua mu­lher, ao dar con­ta de que ti­nha me­do de o re­ce­ber, des­con­fi­a­da de que vol­tou trans­tor­na­do de­vi­do a tan­to so­fri­men­to e mal­da­des por que pas­sou no cam­po.

Po­rém,não­e­ra­o­seu­ca­so.Dis­su­a­dia ar­gu­men­tan­do que o cam­po fez de­le outro ho­mem. Foi lá on­de es­tu­dou e de­sen­vol­veu mais a sua dis­ci­pli­na. Mui­tos na­ci­o­na­lis­tas aí pre­sos, co­mo Bor­ni­to de Sou­sa e seu ir­mão, de no­me Bal­ta­zar, da­vam au­las a ou­tros pre­sos e Man­be­lé be­ne­fi­ci­ou des­ta formação. Ba­teu à por­ta do quin­tal da tia da es­po­sa, de no­me Xi­mi­nha, e per­gun­ta pe­lo pa­ra­dei­ro da sua mu­lher. Res­pon­dem-lhe que ela se en­con­tra­va den­tro de casa. Mesmo sa­ben­do que era a voz do seu ma­ri­do que eco­a­va lá fo­ra, a mu­lher não veio a cor­rer pa­ra os seus bra­ços. Pe­lo con­trá­rio, apro­xi­ma­va-se cal­ma­men­te, num si­lên­cio apre­en­si­vo, de quem pro­cu­ra­va acre­di­tar no que via.

Já Man­be­lé, an­si­o­so em vol­tar a abra­çá-la, abor­da-a nes­tes ter­mos: “Do­na Ana, já che­guei. Va­mos co­lo­car uma pe­dra em tu­do o que se pas­sou. Não va­mos fa­lar das coisas me­nos bo­as que te acon­te­ce­ram na mi­nha au­sên­cia. Mas eu qu­e­ro de­cla­rar que eu trou­xe uma mu­lher e fi­lhos. Já não vais vol­tar em casa da ma­mã. Eu vou tra­ba­lhar e o que ga­nhar vai ser pa­ra re­cons­truir­mos a nos­sa vi­da”. A sin­ce­ri­da­de das pa­la­vras de Man­be­lé de­mo­veu qual­quer dúvida em­per­ra­da no co­ra­ção da jo­vem mu­lher, com quem vi­ve até ho­je, “su­por­tan­do”, mais tar­de, as in­ter­mi­ten­tes dis­tân­ci­as con­se­quen­tes da vi­da bu­ro­crá­ti­ca da carreira mi­li­tar e po­lí­ti­ca do ma­ri­do. Por di­ver­sas ve­zes, era-lhe in­cum­bi­da a mis­são de co­mis­sá­rio po­lí­ti­co em di­fe­ren­tes pro­vín­ci­as.

Ho­je na re­for­ma, pe­sam-lhe so­bre os om­bros as três es­tre­las da pa­ten­te de co­ro­nel na re­ser­va e re­ce­be uma mo­des­ta quan­tia pe­la va­lo­ro­sa dis­tin­ção de an­ti­go com­ba­ten­te.

11 de No­vem­bro: o par­to da Na­ção

O par­to da na­ção, a gran­de epo­peia an­go­la­na as­si­na­la­da a 11 de No­vem­bro de 1975, ocor­re-lhe de­fron­te à Igre­ja da Ilha do Ca­bo, a inau­gu­ra­rem o Co­mi­té de Ac­ção da Ilha do MPLA, na pre­sen­ça dos ca­ma­ra­das Va­ló­dia, co­man­dan­te Ngam­bá e Mbin­da, que aca­ba­ra de che­gar da Zâm­bia, en­quan­to no Lar­go 1º de Maio era er­gui­da der­ra­dei­ra­men­te a ban­dei­ra da li­ber­da­de e com ela to­do um país se fir­ma­va.

Nos di­as que se se­guem à in­de­pen­dên­cia, Man­be­lé tra­ta lo­go de con­se­guir um es­pa­ço, a par­tir da Jun­ta da Ha­bi­ta­ção, este mesmo on­de ago­ra nos re­ce­be. To­da­via, a an­ti­ga casa já não exis­te, fi­can­do ape­nas o quin­tal on­de er­gueu “com mui­to su­or” a vi­ven­da de so­nhos pa­ra a sua fa­mí­lia já nu­me­ro­sa. É nes­te pe­da­ço de ter­ra, an­co­ra­do na sua in­se­pa­rá­vel Ilha do Ca­bo, on­de viu os fi­lhos cres­ce­rem e ago­ra re­ce­be o ca­lor dos ne­tos. Es­tes, na mais ima­cu­la­da das ino­cên­ci­as, ao che­ga­rem ale­gre­men­te da es­co­la, in­ter­rom­pem a fa­la do nos­so in­ter­lo­cu­tor com a se­guin­te per­gun­ta: “Avô, vis­te o teu jor­nal?”. An­tes de qual­quer pa­la­vra, Man­be­lé res­pon­de-os com um sor­ri­so man­so, de­se­nha­do no ros­to já fus­ti­ga­do pe­lo tem­po. Os me­ni­nos apro­xi­mam-se mais do avô e des­fru­tam da sua do­ci­li­da­de, di­a­ri­a­men­te re­car­re­ga­da com a bri­sa do mar que lhe la­va a al­ma e de­vol­ve as to­na­li­da­des do na­tu­ral co­ra­ção hu­ma­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.