“An­go­la tem tu­do pa­ra po­der mar­char co­mo qui­ser”

Jornal de Angola - - ESPECIAL - Nhu­ca Jú­ni­or

In­flu­en­ci­a­da pe­lo pro­gra­ma "An­go­la Com­ba­ten­te", ade­riu à lu­ta ar­ma­da con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês aos 12 anos, jun­tan­do-se a um gru­po de mais de 70 pes­so­as que che­ga­ram à III Re­gião Po­lí­ti­co-Mi­li­tar, aber­ta pe­lo Mo­vi­men­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la (MPLA). Rodeth Gil, a pes­soa de quem se fa­la, des­ta­pou o seu baú de me­mó­ri­as nu­ma con­ver­sa, aber­ta e dis­ten­di­da, com o Jor­nal de An­go­la, du­ran­te a qual fa­lou tam­bém do pre­sen­te e do fu­tu­ro de um po­vo que não tem ne­ces­si­da­de de vi­ver na con­di­ção de po­bre­za. "Nós te­mos pos­si­bi­li­da­des de ter as mí­ni­mas con­di­ções des­de que es­te­ja­mos uni­dos em tor­no da mesma ideia e da mesma an­si­e­da­de de aca­bar­mos com a po­bre­za", afir­mou Rodeth Gil. À lei­tu­ra.

On­de es­te­ve no dia da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia? Esta per­gun­ta foi-me fei­ta, há pou­co tem­po, quan­do vi­nha pa­ra o Jor­nal

de An­go­la. Lem­bro-me mui­to bem, por­que é uma da­ta que me mar­cou mui­to, não só por ser da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia, mas tam­bém pe­la mis­são que es­ta­va a cum­prir nes­se dia. Qual era a mis­são? A di­rec­ção do par­ti­do, na voz do ca­ma­ra­da Pre­si­den­te Ne­to, deu­me a mis­são de cui­dar do ca­ma­ra­da Aní­bal de Me­lo, que es­ta­va in­co­mo­da­do de­vi­do a um aci­den­te de vi­a­ção que so­freu. Ele es­ta­va aca­ma­do, por is­so fui in­cum­bi­da pa­ra o cui­dar nes­se dia. Es­ta­va a cui­dá-lo na con­di­ção de en­fer­mei­ra? Sim, co­mo en­fer­mei­ra mi­li­tar. Nós tí­nha­mos um pos­to mé­di­co na Vi­la Alice. Na al­tu­ra, o MPLA aca­ba­va de en­trar e to­da a des­con­fi­an­ça era pou­ca. O pos­to mé­di­co es­ta­va on­de é ho­je o Co­mi­té Provincial de Lu­an­da do MPLA? Es­ta­va no lado opos­to. O pos­to mé­di­co fun­ci­o­na­va pra­ti­ca­men­te co­mo SAMM (Ser­vi­ço de As­sis­tên­cia Mé­di­ca Mi­li­tar). Co­mo cor­reu o tra­ba­lho nes­se dia? Eu es­ta­va a cui­dar de um dos lí­de­res do MPLA. Aní­bal de Me­lo de­sa­pa­re­ceu fi­si­ca­men­te nes­se dia. Acho que não acei­tou a po­si­ção de imo­bi­li­da­de em que se en­con­tra­va e por não po­der es­tar pre­sen­te na ce­ri­mó­nia de pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia. A da­da al­tu­ra, cha­mou-me pa­ra me di­zer pa­ra ir a casa bus­car os meus fi­lhos, uma ra­pa­ri­ga e um ra­paz, por­que, se­gun­do ele, não de­vi­am fi­car so­zi­nhos na­que­le dia. Eu fui, por­que tam­bém era só atra­ves­sar a es­tra­da pa­ra che­gar a casa.

No regresso, com os miúdos, já não en­con­trei o che­fe na sa­la on­de o ha­via dei­xa­do. Fi­quei à sua pro­cu­ra e, quan­do vou pa­ra a va­ran­da, en­con­tro-o es­ten­di­do no chão. Ati­rou-se do pri­mei­ro an­dar da vi­ven­da. Acho que ele não acei­tou as con­di­ções fí­si­cas em que se en­con­tra­va e por não po­der es­tar no ac­to de pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia. Já o en­con­trou mor­to? Sim, já es­ta­va mor­to quan­do re­gres­sei ao lo­cal. Já não hou­ve so­cor­ro. Pro­cu­rei os ca­ma­ra­das Luí­sa Vas­tock, en­fer­mei­ra che­fe, Cha­ma­vo, Cas­ses­sa e Mu­am­ba­ka. Os dou­to­res Cas­ses­sa e Mu­am­ba­ka eram gran­des mé­di­cos na guer­ri­lha. Au­sen­tou-se du­ran­te qu­an­to tem­po? Fo­ram ape­nas dez mi­nu­tos, por­que vi­via mesmo ao lado da casa on­de cui­da­va do ca­ma­ra­da Aní­bal de Me­lo. Du­ran­te o tem­po que es­te­ve com Aní­bal de Me­lo con­ver­sa­ram bas­tan­te so­fre o fim da co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa em An­go­la, que es­ta­va pres­tes a acon­te­cer? Com o ca­ma­ra­da Ani­bal de Me­lo con­ver­sei bas­tan­te en­quan­to cui­da­va de­le. Ele sa­bia dos pre­pa­ra­ti­vos que es­ta­vam a ser fei­tos pa­ra a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia. Quan­do ou­vía­mos o ba­ru­lho que vi­nha de Ki­fan­gon­do, ele di­zia "pa­ra quê es­se ti­ro­teio to­do?" "Pa­ra quê es­ses obu­ses?" "É pa­ra não ser­mos in­de­pen­den­tes?" "Não vão con­se­guir!" Ho­je, va­mos ser in­de­pen­den­tes". O aci­den­te de vi­a­ção ocor­reu na Tan­zâ­nia ou nu­ma zo­na da III Re­gião Po­lí­ti­co-Mi­li­tar? O aci­den­te de vi­a­ção acon­te­ceu na Tan­zâ­nia, on­de o ca­ma­ra­da Aní­bal de Me­lo era re­pre­sen­tan­te do MPLA. No dia do aci­den­te es­te­ve com o ca­ma­ra­da Afon­so Van-Dú­nem "Mbin­da", que era quem con­du­zia a vi­a­tu­ra. Co­me­cei a cui­dar do ca­ma­ra­da Aní­bal de Me­lo seis di­as an­tes da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia. Rodeth Gil dei­xou de ter, há anos, vi­da pú­bli­ca, de­pois de ter dei­xa­do de exer­cer o car­go de se­cre­tá­ria de Es­ta­do dos As­sun­tos So­ci­ais. O que faz, ac­tu­al­men­te? Fi­quei à fren­te da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do dos As­sun­tos So­ci­ais du­ran­te 12 anos - de Mar­ço de 1980 a Abril de 1992. Por ter acha­do que já es­ta­va há mui­to tem­po a di­ri­gir um sec­tor e es­tar con­vic­ta de que o sec­tor já po­de­ria ser li­de­ra­da por uma outra pes­soa, de­ci­di ter che­ga­do a hora de dei­xar o car­go, de­ci­são que trans­mi­ti ao Pre­si­den­te José Edu­ar­do dos San­tos. Nu­ma reu­nião do Con­se­lho de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, o Pre­si­den­te dis­se-me que eu não po­de­ria dei­xar ain­da a di­rec­ção da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do dos As­sun­tos So­ci­ais. Na reu­nião, de­ci­diu-se que eu de­ve­ria cri­ar as con­di­ções pa­ra que a Se­cre­ta­ria fos­se ele­va­da a Mi­nis­té­rio, ten­do em con­ta os pas­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos e a evo­lu­ção que o sec­tor co­nhe­ceu. De­ram-me um tem­po e, an­tes do fim do pra­zo, foi cri­a­do o Mi­nis­té­rio da Rein­ser­ção So­ci­al. Apre­sen­tei o do­cu­men­to que deu cor­po à cri­a­ção do Mi­nis­té­rio. A par­tir daí, o Pre­si­den­te acei­tou a mi­nha re­ti­ra­da. Pa­ra on­de foi? Quis apren­der a lín­gua in­gle­sa e ter uma outra formação que me per­mi­tis­se dar ou­tros pas­sos a ní­vel do co­nhe­ci­men­to. O Pre­si­den­te acei­tou. Fui pa­ra a In­gla­ter­ra, on­de fiz um ano de lín­gua, no Me­tro­po­le Col­le­ge e, de­pois, en­ge­nha­ria in­for­má­ti­ca. Quan­do de­sem­pe­nhou o car­go, An­go­la aco­lhia mi­lha­res de re­fu­gi­a­dos sul-afri­ca­nos e na­mi­bi­a­nos, além de dar as­sis­tên­cia a des­lo­ca­dos que, saí­dos das áre­as de ori­gem, pro­cu­ra­vam re­fú­gio nas ca­pi­tais de pro­vín­cia, on­de ha­via mai­or se­gu­ran­ça. Quais eram en­tão as prin­ci­pais li­nhas de for­ça da po­lí­ti­ca de as­sis­tên­cia so­ci­al? Nes­te pe­río­do, o que, re­al­men­te, acha­va ne­ces­sá­rio era en­trar em con­tac­to e tra­ba­lhar di­rec­ta­men­te com as agências das Na­ções Uni­das e mo­bi­li­zar outras or­ga­ni­za­ções hu­ma­ni­tá­ri­as pa­ra apoi­a­rem An­go­la. Par­ti­ci­pei em vá­ri­as con­fe­rên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais. Nu­ma reu­nião, no Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, o Pre­si­den­te José Edu­ar­do dos San­tos dis­se pa­ra mim: "a ca­ma­ra­da Rodeth Gil, na qua­li­da­de de se­cre­tá­ria de Es­ta­do dos As­sun­tos So­ci­ais, tem de ser agres­si­va pa­ra fa­zer­mos fa­ce à guer­ra que estamos a vi­ver". Com esta “pa­la­vra de or­dem”, re­do­brei os con­tac­tos com or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais, so­li­ci­tan­do-lhes to­do o ti­po de apoio, em me­di­ca­men­to, co­mi­da e ma­te­ri­al de en­si­no. Com o am­pa­ro das FAPLA, tí­nha­mos a cer­te­za ab­so­lu­ta de que, nas zo­nas on­de es­ta­vam des­lo­ca­dos e re­fu­gi­a­dos, o ini­mi­go não po­de­ria pi­sar. E não con­se­guiu mesmo, por­que o pró­prio po­vo es­ta­va tam­bém mu­ni­do de mei­os de se­gu­ran­ça. Ti­ve­mos pro­ble­mas, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, mas não fal­tou co­mi­da nem me­di­ca­men­to. E as es­co­las fo­ram lan­ça­das, al­gu­mas mesmo de­bai­xo de ár­vo­res. Mas ha­via sempre au­las. Que le­ga­do acha ter dei­xa­do na Se­cre­ta­ria de Es­ta­do dos As­sun­tos So­ci­ais? Quan­do as­su­mi a liderança da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do dos As­sun­tos So­ci­ais en­con­trei ape­nas três assistentes so­ci­ais. Pa­ra tra­ba­lhar com des­lo­ca­dos, com po­pu­la­ção vul­ne­rá­vel, o qua­dro so­ci­al é fun­da­men­tal. En­con­trei os ca­ma­ra­das José An­tó­nio Martins, Ma­ria da Luz e Te­re­sa Rocha. Quan­do che­guei à se­cre­ta­ria, o pri­mei­ro tra­ba­lho que fiz, pa­ra po­der co­nhe­cer me­lhor o sec­tor, foi li­dar com o pes­so­al de ba­se, des­de o tra­ba­lha­dor da lim­pe­za ao es­ti­va­dor, até che­gar ao di­rec­tor na­ci­o­nal. Quan­do en­trei hou­ve aque­la lin­gua­gem de que ela não é dou­to­ra­da, não tem cur­so su­pe­ri­or, por is­so não vai con­se­guir di­ri­gir. Não se fa­la­va disso den­tro do ser­vi­ço. Mas al­gu­mas pes­so­as alhei­as ao sec­tor es­pe­cu­la­vam. Afi­nal, fo­mos bem su­ce­di­dos. Fi­quei com a im­pres­são, no dia em que acer­tá­mos a re­a­li­za­ção da en­tre­vis­ta, de que, ul­ti­ma­men­te, a prá­ti­ca da agri­cul­tu­ra é um dos seus afa­ze­res. Es­tá a pra­ti­car agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar ou em­pre­sa­ri­al? (ri­sos)Qu­e­ro pra­ti­car agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar. A agri­cul­tu­ra em­pre­sa­ri­al re­quer pes­so­al e mei­os. Não te­mos mei­os. Es­tou a ten­tar fa­zer agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, mas tam­bém preciso de mei­os. Quan­do li­gou pa­ra mim, es­ta­va a lu­tar pa­ra pôr o meu trac­tor a an­dar. Não con­se­gui por­que es­tá com pro­ble­mas na bom­ba in­jec­to­ra. Eu fre­quen­tei, co­mo mi­li­tar, um cur­so de me­câ­ni­ca, por seis me­ses,

- é mui­to pou­co tem­po -, por is­so gos­to de es­tar ao lado dos me­câ­ni­cos pa­ra acom­pa­nhar o tra­ba­lho. Ain­da acre­di­ta na má­xi­ma de Agos­ti­nho Ne­to, se­gun­do a qual "a agri­cul­tu­ra é a ba­se e a in­dús­tria o fac­tor de­ci­si­vo"? Sempre di­go que não po­de­mos subs­ti­tuir esta pa­la­vra por qual­quer pa­la­vra no­va que se­ja. Não foi em vão que Agos­ti­nho Ne­to lan­çou esta pa­la­vra de or­dem. O pre­si­den­te Ne­to ti­nha ex­pe­ri­ên­cia. O po­vo em ge­ral sa­be que, sem a agri­cul­tu­ra, não se po­de vi­ver. Co­mo é que se po­de di­zer que, pa­ra aca­bar com a fo­me, vo­cê de­ve le­var a vi­da a com­prar (im­por­tar)? A mai­o­ria dos an­go­la­nos con­ti­nua mer­gu­lha­da na po­bre­za 43 anos de­pois da In­de­pen­dên­cia. Do pon­to de vis­ta de exe­cu­ção, o que fal­tou ao Pro­gra­ma Mai­or do MPLA? Não gos­ta­ria de fa­zer gran­des co­men­tá­ri­os so­bre esta si­tu­a­ção. Não gos­to de “cho­rar so­bre o lei­te der­ra­ma­do”. De­ve­mos pen­sar que pa­ra a fren­te é o ca­mi­nho. Se co­me­te­mos er­ros, va­mos co­lo­car os er­ros no pas­sa­do. De­ve­mos es­tar é com a ac­tu­al di­rec­ção do Go­ver­no e do par­ti­do pa­ra fa­zer­mos o me­lhor. An­go­la não é po­bre. Ain­da ontem ou­vi que, no Cu­ro­ca, pro­vín­cia do Cu­ne­ne, foi des­co­ber­to gra­ni­to ne­gro. O que nós pre­ci­sa­mos é pôr as nos­sas ca­be­ças a fun­ci­o­nar. O ca­ma­ra­da Agos­ti­nho Ne­to di­zia "por on­de não pas­sa o seu braço, põe lá o seu mi­o­lo". Se o nos­so braço não en­tra num bu­ra­co, a nos­sa in­te­li­gên­cia po­de en­trar. Com que sen­ti­men­to fi­ca quan­do sai à rua e vê que, na prá­ti­ca, al­guns dos mo­ti­vos pe­los quais mi­lha­res de pes­so­as da sua ge­ra­ção lu­ta­ram con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês ain­da es­tão pre­sen­tes na vi­da de ci­da­dãos de um país po­ten­ci­al­men­te ri­co? Eu di­ria que a pa­la­vra in­de­pen­dên­cia diz tu­do. Se com­pa­rar­mos o ho­mem es­cra­vo e o ho­mem in­de­pen­den­te, o ho­mem in­de­pen­den­te tem tu­do pa­ra po­der mar­char co­mo qui­ser. É só uma ques­tão de uti­li­zar a in­te­li­gên­cia e sa­ber o que quer pa­ra o seu fu­tu­ro. Nós te­mos pos­si­bi­li­da­des de ter as mí­ni­mas con­di­ções des­de que es­te­ja­mos uni­dos em tor­no da mesma ideia, da mesma an­si­e­da­de de aca­bar­mos com a po­bre­za. Os an­go­la­nos não têm ne­ces­si­da­de de vi­ver na con­di­ção de po­bre­za. O MPLA te­ve uma for­te pre­sen­ça no les­te de An­go­la, ten­do, por esta ra­zão, ar­ras­ta­do pa­ra as su­as fi­lei­ras cen­te­nas de jovens lo­cais, que par­ti­ci­pa­ram na lu­ta ar­ma­da pe­la In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. Rodeth Gil in­te­grou um gru­po de 79 pes­so­as, en­tre as quais qua­tro mu­lhe­res. Con­te-nos, de for­ma su­cin­ta, o per­cur­so des­te gru­po. Este gru­po mo­bi­li­za-se a par­tir de Tei­xei­ra de Sou­sa (ac­tu­al Lu­au, no Mo­xi­co), em 1962. O che­fe da equi­pa que in­cen­ti­va este gru­po de cri­an­ci­nhas é um ca­ma­ra­da que era ad­mi­nis­tra­dor na era co­lo­ni­al em Ma­lan­je, a quem cha­má­va­mos “pa­dri­nho Miguel”. No gru­po não ha­via nin­guém com mais de 20 anos. Eu ti­nha 12. O che­fe da equi­pa en­con­trou uma for­ma de re­ti­ra­da des­te gru­po de Tei­xei­ra de Sou­sa, fa­zen­do-o atra­ves­sar a fron­tei­ra, pa­ra en­trar no Congo Kinsha­sa e da­li pa­ra a Zâm­bia, on­de se en­con­tra­va o ca­ma­ra­da Aní­bal de Me­lo co­mo re­pre­sen­tan­te do MPLA. A an­si­e­da­de era de lu­ta pa­ra a li­ber­ta­ção na­ci­o­nal. Uma pes­soa não li­vre não con­se­gue tri­lhar outras ideias. Esta equi­pa de 70 e tal ca­ma­ra­das foi re­ce­bi­da pe­lo ca­ma­ra­da Aní­bal de Me­lo e, de­pois, pe­lo Pre­si­den­te Ne­to. O gru­po foi abrir de­pois a III Re­gião Po­lí­ti­co-Mi­li­tar. Quem são as outras mu­lhe­res? São as ca­ma­ra­das Ma­ria Fá­ti­ma, Alice Gui­lher­me Wan­dun­du, mi­nha pri­ma, já fa­le­ci­das, e Amé­lia, mu­lher do ca­ma­ra­da Jam­ba Ya­mi­na. A ca­ma­ra­da Amé­lia era a mais ve­lha do gru­po. Uma cri­an­ça de 12 anos já ti­nha cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca? Uma cri­an­ça de 12 anos da­que­le tem­po não é igual a uma cri­an­ça de ho­je. O fac­to de ser fi­lha de pas­tor con­tri­buiu pa­ra que ti­ves­se a ca­pa­ci­da­de de ter esta no­ção. Os pas­to­res de­ram um im­pul­so mai­or à lu­ta ar­ma­da con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês e en­ten­di­am a pa­la­vra li­ber­da­de. A III Re­gião Po­lí­ti­co-Mi­li­tar não foi aber­ta por Da­ni­el Chi­pen­da? Não é verdade! Foi aber­ta pe­lo Pre­si­den­te Ne­to. O Da­ni­el Chi­pen­da vem de­pois. Este gru­po do Chi­pen­da, do qual fa­ço par­te, é di­ri­gi­do pe­lo pró­prio Pre­si­den­te Ne­to. En­con­trá­mos na zo­na que já es­ta­va aber­ta os ca­ma­ra­das Di­lolwa, Pe­troff, Nga­ku­mo­no e um outro ca­ma­ra­da que de­pois vai pa­ra a fac­ção Chi­pen­da. Com a en­tra­da des­tes ca­ma­ra­das, hou­ve uma mo­bi­li­za­ção mas­si­va de jovens na Zo­na A, da III Re­gião Po­lí­ti­co-Mi­li­tar. Hou­ve o pri­mei­ro cur­so no CIR - Cen­tro de Ins­tru­ção Re­vo­lu­ci­o­ná­ria. O pri­mei­ro cur­so ter­mi­na com a par­ti­ci­pa­ção de mui­ta gen­te. Es­tes de­pois são es­pa­lha­dos por vá­ri­as zo­nas e abri­ram a IV Re­gião Po­lí­ti­co-Mi­li­tar.

MO­TA AMBRÓSIO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.