“Mui­tos pe­ga­ram em ar­mas na al­tu­ra por­que a mú­si­ca aju­dou a mo­bi­li­zá-los”

A mú­si­ca de in­ter­ven­ção jo­gou um pa­pel im­por­tan­te na mo­bi­li­za­ção dos an­go­la­nos na lu­ta pe­la con­quis­ta da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. O Jor­nal de An­go­la ou­viu qua­tro mú­si­cos que fa­la­ram das cir­cuns­tân­ci­as e emo­ções vi­vi­das na ma­dru­ga­da de ter­ça­fei­ra, 11 de Nov

Jornal de Angola - - ESPECIAL - Ma­nu­el Al­ba­no

Fi­gu­ras his­tó­ri­cas da mú­si­ca ur­ba­na an­go­la­na re­cor­dam os prin­ci­pais mo­men­tos pe­lo que pas­sa­ram na al­tu­ra da pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia no país. As su­as mú­si­cas aju­da­ram a mo­bi­li­zar os jovens pa­ra as fren­tes de com­ba­te e sempre tiveram co­mo pro­pó­si­to a mo­bi­li­za­ção, não ape­nas a cons­ci­en­ci­a­li­za­ção so­ci­al, mas so­bre­tu­do a in­ter­ven­ção po­lí­ti­ca. An­tó­nio Se­bas­tião Vi­cen­te, co­nhe­ci­do nas li­des ar­tís­ti­cas por “Santocas” lem­bra sempre com emo­ção quan­do o as­sun­to se re­fe­re à con­quis­ta da li­ber­da­de do po­vo an­go­la­no con­tra a opres­são co­lo­ni­al. Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, por oca­sião das co­me­mo­ra­ções do 43º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, que se co­me­mo­ra ho­je, Santocas con­tou o qu­an­to as su­as can­ções e de ou­tros co­le­gas fo­ram de­ter­mi­nan­tes pa­ra a con­quis­ta da au­to­de­ter­mi­na­ção do po­vo an­go­la­no. Sempre bem dis­pos­to ao fa­lar à im­pren­sa, Santocas, au­tor de su­ces­sos que mar­ca­ram uma épo­ca, co­mo “Va­ló­dia”, “Bair­ro In­dí­ge­na”, “Mar­çal”, “Mas­sa­cres de Ki­fan­gon­do”, “Po­der Po­pu­lar” e de outras can­ções de mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca e so­ci­al dis­se que os “an­go­la­nos fi­ze­ram tu­do pa­ra con­se­gui­rem con­quis­tar a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.” Ago­ra com 64 anos, Santocas con­ta que se “fos­se fa­zer as coisas por di­nhei­ro, ho­je, se ca­lhar, es­ta­va bem de vi­da”, mas o sen­ti­men­to pa­trió­ti­co fa­lou mais al­to em to­dos os mo­men­tos, por­que “es­tá­va­mos to­dos sen­si­bi­li­za­dos por uma cau­sa co­mum.” Santocas dis­se que es­ta­va no Lar­go 1º de Maio quan­do se pro­cla­mou a in­de­pen­dên­cia. “Mui­tos pe­ga­ram em ar­mas na al­tu­ra por­que a mú­si­ca aju­dou a mo­bi­li­zá-los.” A vi­da dos an­go­la­nos, en­fa­ti­zou, es­ta­va em cons­tan­te perigo, mas mesmo as­sim “não dei­xa­mos de cum­prir o nos­so de­ver co­mo pa­tri­o­ta. Fi­ze­mos tu­do pe­la Na­ção, era a nos­sa li­ber­da­de que es­ta­va em cau­sa.”

“Não dei­xa­mos de cum­prir o nos­so de­ver co­mo pa­tri­o­ta. Fi­ze­mos tu­do pe­la Na­ção, era a nos­sa li­ber­da­de que es­ta­va em cau­sa”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.