Prag­ma­tis­mo man­te­ve So­nan­gol co­mo em­pre­sa ca­pi­ta­lis­ta

Jornal de Angola - - ESPECIAL -

A So­nan­gol, na­que­le ce­ná­rio po­lí­ti­co e ide­o­ló­gi­co dog­má­ti­co do fim dos anos 70, era uma em­pre­sa ca­pi­ta­lis­ta?

Era e não po­dia de ser de outra ma­nei­ra. A em­pre­sa não po­dia per­der di­nhei­ro e ti­nha que ser ge­ri­da co­mo uma em­pre­sa efi­ci­en­te. Hou­ve dis­cus­sões in­te­res­san­tes a es­se res­pei­to e o pró­prio Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to, aí, to­mou po­si­ção. A ques­tão que se pu­nha era a se­guin­te: ou ir bus­car tec­no­lo­gia ou apoio téc­ni­co na Europa e nos Es­ta­dos Uni­dos, ou ir bus­car à Rús­sia. A es­co­lha pen­deu pa­ra o lado das em­pre­sas que es­ta­vam no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal e que nos in­te­res­sa­vam, que eram as em­pre­sas do Oci­den­te, que eram as que tí­nha­mos que atrair pa­ra o país. Acho que hou­ve mais prag­ma­tis­mo do que pro­pri­a­men­te dog­ma em re­la­ção à ges­tão do sec­tor do pe­tró­leo. Cla­ro que não dei­xá­mos de con­sul­tar a Ar­gé­lia e ou­tros paí­ses que nos aju­da­vam a pen­sar, co­mo a Ju­gos­lá­via e a Ro­mé­nia, mas a pos­si­bi­li­da­de de eles nos apoi­a­rem na ex­pan­são do sec­tor pe­tró­leo era mui­to pe­que­na.

DR

Op­ção tec­no­ló­gi­ca da So­nan­gol es­ta­va no Oci­den­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.