Or­gu­lho na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A re­cen­te con­quis­ta con­se­gui­da no Mé­xi­co por um gru­po de bra­vos an­go­la­nos, no Mun­di­al de Fu­te­bol Adaptado, é da­que­le ti­po de fei­tos que en­che de or­gu­lho to­dos os an­go­la­nos e um exem­plo de su­pe­ra­ção das di­fi­cul­da­des que nos de­ve ins­pi­rar a vencer os obs­tá­cu­los do quo­ti­di­a­no.

Tra­ta-se de um triun­fo que ul­tra­pas­sa o cam­po me­ra­men­te des­por­ti­vo, pois cons­ti­tui um exem­plo de vi­da, de for­ça e de que­rer bra­va­men­te as­su­mi­do por ho­mens a quem a vi­da, a de­ter­mi­na­da al­tu­ra foi ad­ver­sa, mas que sou­be­ram su­pe­rar com brio, gar­ra e de­ter­mi­na­ção a opor­tu­ni­da­de que tiveram ele­van­do o no­me de An­go­la ao pa­ta­mar mais ele­va­do na com­pe­ti­ção em que par­ti­ci­pa­ram.

Nu­ma al­tu­ra em que o país ten­ta re­en­trar nu­ma nor­ma­li­da­de em que o res­ga­te dos valores é um fac­tor in­con­tor­ná­vel, o exem­plo da­do por es­tes ra­pa­zes de­ve ser por to­dos as­su­mi­do co­mo um en­si­na­men­to de vi­da, com o acen­to tó­ni­co no or­gu­lho de ser­mos an­go­la­nos.

Nes­te mo­men­to de di­fi­cul­da­des de vá­ri­as es­pé­ci­es, on­de to­dos so­mos chamados a fa­zer mais com me­nos, que me­lhor li­ção nos po­de­ria ter si­do da­da se­não a que veio do Mé­xi­co e ser­viu co­mo um elo de união en­tre to­dos os fi­lhos des­ta Pá­tria, con­for­me fi­cou ex­pres­so du­ran­te a re­cep­ção e pos­te­ri­or pas­se­a­ta dos cam­peões do mun­do quan­do re­gres­sa­ram ao país.

Hu­mil­des, não pe­di­ram be­nes­ses pe­lo êxi­to al­can­ça­do, ape­nas su­bli­nhan­do a ideia e a von­ta­de de que se ti­nham que pre­pa­rar des­por­ti­va­men­te pa­ra hon­rar e de­fen­der o ti­tu­lo mun­di­al que aca­ba­ram de con­quis­tar.

Por is­so, jus­ti­fi­ca-se per­fei­ta­men­te a dis­tin­ção que lhes foi fei­ta pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que em no­me de to­dos os an­go­la­nos os agra­ci­ou ofi­ci­al­men­te por oca­sião das co­me­mo­ra­ções dos 43 anos da nos­sa In­de­pen­dên­cia, co­mo tam­bém se jus­ti­fi­ca­rá o seu en­qua­dra­men­to nos di­fe­ren­tes pro­gra­mas na­ci­o­nais de apoio so­ci­al, vis­to que to­dos eles são pro­ve­ni­en­tes de fa­mí­li­as que vi­vem si­tu­a­ções de ca­rên­cia.

Nes­te mo­men­to, se­ria in­jus­to não su­bli­nhar a im­por­tân­cia do pa­pel que o Co­mi­té Pa­ra-Olím­pi­co an­go­la­no tem de­sen­vol­vi­do na de­fe­sa e pro­mo­ção do des­por­to pa­ra pes­so­as com ca­pa­ci­da­des fí­si­cas re­du­zi­das.

Este or­ga­nis­mo, com a li­mi­ta­ção de re­cur­sos que se lhe re­co­nhe­ce, tem sa­bi­do hon­rar o seu pa­pel ca­ben­do-lhe igual­men­te uma par­te im­por­tan­te no qui­nhão de res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo su­ces­so aca­ba­do de al­can­çar.

A ac­tu­al equi­pa go­ver­na­ti­va que ge­re o des­por­to em An­go­la, tam­bém ela obri­ga­da pe­las cir­cuns­tân­ci­as a fa­zer mais com me­nos, é ago­ra “obri­ga­da” a en­ca­rar a res­pon­sa­bi­li­da­de de man­ter uma pos­tu­ra po­si­ti­va não só pe­ran­te esta equi­pa co­mo tam­bém pa­ra com to­dos aque­les que em to­do o país não se dei­xam ver­gar pe­las di­fi­cul­da­des nem de­sis­tem de se as­su­mir co­mo ci­da­dãos de cor­po in­tei­ro da prá­ti­ca des­por­ti­va a sua for­ma de re­a­li­za­ção pes­so­al.

Este triun­fo é, so­bre­tu­do, um fei­to ca­ta­li­sa­dor da mo­bi­li­za­ção na­ci­o­nal pa­ra hon­rar to­dos aque­les que ele­vam o no­me do país, se­ja na es­fe­ra des­por­ti­va, so­ci­al, cul­tu­ral ou nu­ma outra qual­quer.

Por is­so, a so­ci­e­da­de tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de res­pon­der ao de­sa­fio lan­ça­do por es­tes cam­peões do mun­do, dan­do tam­bém de si um exem­plo de em­pe­nha­men­to na de­fe­sa e va­lo­ri­za­ção da iden­ti­da­de na­ci­o­nal as­su­min­do ple­na­men­te a sua ci­da­da­nia.

A opor­tu­ni­da­de es­tá aí, com o de­sen­vol­vi­men­to da Ope­ra­ção Res­ga­te on­de to­dos so­mos chamados a par­ti­ci­par de mo­do ac­ti­vo pa­ra aca­bar com ví­ci­os que se ti­nham ins­ta­la­do en­tre nós e que es­ta­vam a cor­ro­er as es­tru­tu­ras eco­nó­mi­cas do país, de­la­pi­dan­do os re­cur­sos que de­vem ser de to­dos e não pa­ra uso ex­clu­si­vo de al­guns.

Se ca­da um de nós fi­zer a sua par­te, lá on­de es­ti­ver so­ci­al­men­te in­se­ri­do, tal co­mo fi­ze­ram es­tes bra­vos cam­peões do mun­do, fi­ca­rá mais fá­cil o res­ga­te dos valores que se es­ta­vam a per­der e mais ra­zão te­re­mos pa­ra rei­vin­di­car um fu­tu­ro me­lhor, tan­to pa­ra nós co­mo pa­ra os nos­sos fi­lhos.

Pa­ra is­so te­re­mos de me­ter des­de já mãos à obra pa­ra a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de me­lhor, dan­do ca­da um o me­lhor de si pa­ra que o país, de­pois, pos­sa re­dis­tri­buir mais equi­ta­ti­va­men­te os seus re­cur­sos.

Os cam­peões do mun­do de fu­te­bol pa­ra am­pu­ta­dos já de­ram o pon­ta­pé de saí­da, sai­ba­mos tam­bém nós dar o nos­so exem­plo de ci­da­da­nia pa­ra que o sonho de uma An­go­la me­lhor se pos­sa tor­nar uma re­a­li­da­de ca­da vez mais efec­ti­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.