Bre­ves

Jornal de Angola - - MUNDO - Os­val­do Gon­çal­ves

ERDOGAN AFIR­MA TER PAR­TI­LHA­DO GRA­VA­ÇÕES COM RIADE WASHING­TON E PA­RIS

O Pre­si­den­te tur­co, Re­cep Tayyip Erdogan, con­fir­mou ontem a exis­tên­cia de gra­va­ções do as­sas­si­na­to do jor­na­lis­ta Ja­mal Khashog­gi a 2 de Ou­tu­bro no con­su­la­do sau­di­ta em Is­tam­bul, ale­gan­do ter par­ti­lha­do com Riade, Washing­ton e Pa­ris. “Nós de­mos as gra­va­ções à Ará­bia Sau­di­ta, a Washing­ton, aos ale­mães, aos fran­ce­ses, e aos in­gle­ses”, dis­se o Che­fe de Es­ta­do nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa. A Pre­si­dên­cia es­cla­re­ceu em se­gui­da que as gra­va­ções fo­ram ou­vi­das, mas que não fo­ram par­ti­lha­dos do­cu­men­tos es­cri­tos. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co tur­co de­cla­rou re­cen­te­men­te que Ja­mal Khashog­gi, de 59 anos, foi es­tran­gu­la­do e pos­te­ri­or­men­te des­mem­bra­do no con­su­la­do sau­di­ta em Is­tam­bul, no dia 2 de Ou­tu­bro, on­de ti­nha en­tra­do pa­ra ob­ter um do­cu­men­to pa­ra se ca­sar com uma ci­da­dã tur­ca. O jor­na­lis­ta era es­pe­ra­do no con­su­la­do por um co­man­do de 15 agen­tes sau­di­tas que vi­a­ja­ram pa­ra a ci­da­de tur­ca al­gu­mas ho­ras an­tes.

FOR­ÇAS MI­LI­TA­RES PRÓ-GO­VER­NA­MEN­TAIS IE­ME­NI­TAS TO­MAM HOS­PI­TAL DE HO­DEI­DA

As for­ças mi­li­ta­res pró­go­ver­na­men­tais ie­me­ni­tas to­ma­ram o mai­or hos­pi­tal da ci­da­de es­tra­té­gi­ca por­tuá­ria de Ho­dei­da, ten­do fei­to pe­lo me­nos dois pri­si­o­nei­ros re­bel­des huthi, afir­ma­ram ontem fon­tes ofi­ci­ais mi­li­ta­res. Os mi­li­ta­res pró­go­ver­na­men­tais, apoi­a­dos por ata­ques da avi­a­ção sau­di­ta, en­tra­ram na ci­da­de de Ho­dei­da, ten­do avan­ça­do al­guns qui­ló­me­tros pa­ra sul e pa­ra les­te em di­rec­ção ao por­to e, na noi­te de sex­ta-fei­ra, to­ma­ram o Hos­pi­tal de 22 Maio aos re­bel­des, se­gun­do as mes­mas fon­tes. O Hos­pi­tal 22 de Maio é a prin­ci­pal ins­ta­la­ção de saú­de da ci­da­de e ser­ve de pla­ta­for­ma pa­ra que os aviões mé­di­cos ater­rem e le­van­tem. A ofen­si­va mi­li­tar em Ho­dei­da foi sus­pen­sa em Ju­lho pa­ra dar tem­po aos es­for­ços dos me­di­a­do­res da ONU - Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das.

Após o fra­cas­so, em Se­tem­bro, da me­di­a­ção da ONU pa­ra che­gar a um acor­do po­lí­ti­co, a co­li­ga­ção anun­ci­ou que re­to­ma­va o as­sal­to à ci­da­de de Ho­dei­da, o que se in­ten­si­fi­cou a par­tir de 1 de No­vem­bro. Des­de 2015 que as for­ças le­a­lis­tas, que fa­zem par­te da co­li­ga­ção mi­li­tar li­de­ra­da pe­la Ará­bia Sau­di­ta, ten­tam der­ro­tar os huthis em vas­tas re­giões no nor­te e do cen­tro do país, in­cluin­do a ca­pi­tal Sa­a­na, e que são apoi­a­dos pe­lo Irão. O País in­tei­ro ce­le­bra, ho­je, 11 de No­vem­bro, o Dia da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal e o cen­té­si­mo ani­ver­sá­rio do Ar­mis­tí­cio da I Gran­de Guer­ra. Em Por­tu­gal, por exem­plo, as fes­ti­vi­da­des en­glo­ba­ram, no pas­sa­do domingo, a re­a­li­za­ção, na Ave­ni­da da Li­ber­da­de, em Lis­boa, de um desfile mi­li­tar de gran­des di­men­sões, con­si­de­ra­do o mai­or de sempre, as­sis­ti­do, além do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, do Pri­mei­ro-Mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, do pre­si­den­te da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, Edu­ar­do Ferro Ro­dri­gues, do mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, João Go­mes Cra­vi­nho, pe­los ex-Pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca An­tó­nio Ra­ma­lho Ea­nes e Jor­ge Sam­paio.

Es­ti­ve­ram ain­da re­pre­sen­ta­das as For­ças Ar­ma­das da Ale­ma­nha, EUA, França e Rei­no Uni­do, com 80 mi­li­ta­res, e o Co­lé­gio Mi­li­tar e os Pu­pi­los do Exér­ci­to, com 180 alu­nos. O desfile foi or­ga­ni­za­do pe­la Li­ga dos Com­ba­ten­tes e pe­lo EMGFA e obri­gou a me­di­das es­pe­ci­ais de se­gu­ran­ça e a res­tri­ções de trân­si­to na ci­da­de. Em An­go­la, a mai­o­ria dos ci­da­dãos des­co­nhe­ce a to­tal abran­gên­cia da da­ta. Tal­vez al­guns até no­tem que se tra­ta tam­bém Dia de São Mar­ti­nho em Por­tu­gal, em que tra­di­ci­o­nal­men­te as ade­gas são aber­tas e se prova o vi­nho no­vo. A 11 de No­vem­bro ce­le­bra-se tam­bém o Ar­mis­tí­cio de Com­piég­ne, as­si­na­do en­tre os Ali­a­dos e o Im­pé­rio Ale­mão na­que­la lo­ca­li­da­de fran­ce­sa, pon­do fim às hos­ti­li­da­des na Fren­te Oci­den­tal.

Há quem di­ga que a es­co­lha da da­ta de 11 de No­vem­bro de 1975 de­veu-se ao MPLA e, em par­ti­cu­lar, a Agos­ti­nho Ne­to, co­nhe­ci­do ho­mem de le­tras. Ho­je, ca­da vez mais ha­bi­tu­a­dos à Paz, com uma de­mo­cra­cia que se es­ta­be­le­ce, re­do­bra­mos a cons­ci­ên­cia so­bre os be­ne­fí­ci­os do fim da guer­ra e os 10 mi­lhões de sol­da­dos e 21 mi­lhões de ci­vis mor­tos du­ran­te a Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al dei­xam de ser me­ra es­ta­tís­ti­ca, pa­ra tra­zer-nos à me­mó­ria os cer­ca de 4,8 mi­lhões de fi­lhos tom­ba­dos du­ran­te a “nos­sa” guer­ra.

O Mun­do vi­ve ho­je si­tu­a­ções de con­fli­to em vá­ri­as re­giões, umas no­vas, outras antigas, que ca­re­cem de atenção re­do­bra­da, sob pe­na de vir­mos des­cam­bar to­do o es­for­ço de paz, man­ti­do des­de a II Guer­ra Mun­di­al (1939-1945), pa­ra o qual te­rá con­tri­buí­do, so­bre­ma­nei­ra, a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das, pro­cla­ma­da há 73 anos, pre­ci­sa­men­te com o fim des­se con­fli­to que re­sul­tou na mor­te de 50 mi­lhões de pes­so­as.

Por for­ça dos mui­tos con­fli­tos que se re­gis­tam e das ca­tás­tro­fes cau­sa­das pe­las mu­dan­ças cli­má­ti­cas, a ONU e or­ga­ni­za­ções que com­põem o sis­te­ma mun­di­al são chamados a fa­zer fa­ce a no­vos de­sa­fi­os. Ape­sar disso, a Hu­ma­ni­da­de de­mons­tra in­ca­pa­ci­da­de em re­sol­ver pe­que­nas si­tu­a­ções anó­ma­las que ra­pi­da­men­te de­ge­ne­ram em cri­ses in­ter­nas e re­gi­o­nais.

A ma­nu­ten­ção da paz é o mai­or de­sa­fio de to­dos, pois a guer­ra é a prin­ci­pal cau­sa dos pro­ble­mas. Con­tu­do, há uma pre­o­cu­pa­ção ca­da vez mai­or em re­la­ção às ori­gens dos con­fli­tos. O de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, os di­rei­tos hu­ma­nos, o de­sar­ma­men­to, a igual­da­de de gé­ne­ro e ou­tros de­sa­fi­os não po­dem es­tar dis­so­ci­a­dos do trá­fi­co de dro­ga, de ar­mas e de se­res hu­ma­nos, mui­to me­nos do ter­ro­ris­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.