Fis­cais es­tão sem mei­os pa­ra o controlo da fau­na

Jornal de Angola - - REGIÕES -

O Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF) no mu­ni­cí­pio do Lo­bi­to, pro­vín­cia de Ben­gue­la, es­tá há cer­ca de três me­ses sem fis­ca­li­zar os pro­du­to­res ar­te­sa­nais de car­vão nem os ca­ça­do­res fur­ti­vos, de­vi­do à fal­ta de mei­os de trans­por­te e de pes­so­al, apu­rou ontem a Angop.

O res­pon­sá­vel mu­ni­ci­pal da­que­la ins­ti­tui­ção no Lo­bi­to, Carlos Cor­reia, dis­se que não exis­te in­ter­ven­ção di­rec­ta do IDF na zo­na com­pre­en­di­da en­tre a po­vo­a­ção do Cu­lan­go e a co­mu­na da Can­ja­la, tu­do por­que es­tá des­pro­vi­da de trans­por­te.

Carlos Cor­reia adi­an­tou que a vi­a­tu­ra, que até en­tão os fis­cais uti­li­za­vam pa­ra o controlo das re­fe­ri­das áre­as, en­con­tra-se ava­ri­a­da há mui­to tem­po e, não obs­tan­te es­se cons­tran­gi­men­to, a Di­rec­ção Provincial de Ben­gue­la do IDF dei­xou de prestar apoio em trans­por­te à re­pre­sen­ta­ção mu­ni­ci­pal do Lo­bi­to.

O fo­co da ac­ção de fis­ca­li­za­ção, se­gun­do Carlos Cor­reia, tem si­do no Cu­lan­go e na Can­ja­la, cer­ca de 80 qui­ló­me­tros da ci­da­de do Lo­bi­to, on­de exis­tem áre­as con­ce­di­das pa­ra ex­plo­ra­ção de car­vão, da qual de­pen­de o sus­ten­to de “mui­ta gen­te”, pois, o pro­du­to é co­mer­ci­a­li­za­do à bei­ra da Es­tra­da Na­ci­o­nal 100 ou em mer­ca­dos in­for­mais.

O res­pon­sá­vel, que tra­ba­lha há 26 anos no IDF, dis­se que es­tes pro­du­to­res ar­te­sa­nais de car­vão ve­ge­tal não pa­gam qual­quer ta­xa e, por is­so, o Es­ta­do tem ti­do enor­mes pre­juí­zos, na me­di­da em que não ar­re­ca­da re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes des­sa ac­ti­vi­da­de.

É nes­se con­tex­to que Carlos Cor­reia ad­ver­te que há co­bran­ça de ta­xas pa­ra pro­du­ção de car­vão, em con­for­mi­da­de com a Lei 6/17 de 24 de Ja­nei­ro 2017, que re­gu­la a ac­ti­vi­da­de flo­res­tal em to­do o país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.