Rei de Om­ba­la Na­luhe­que ape­la à re­a­bi­li­ta­ção dos po­ços de água

Jornal de Angola - - REGIÕES - Arão Martins | Lu­ban­go

O rei de Om­ba­la ya Na­luhe­que, Má­rio Sha­ti­pam­ba, de­fen­deu, ontem, a re­a­bi­li­ta­ção dos po­ços de água na re­gião, cu­jas de­bi­li­da­des dos sis­te­mas de dis­tri­bui­ção es­tão a im­pe­dir que a po­pu­la­ção e o ga­do te­nham água cons­tan­te­men­te.

Em de­cla­ra­ções à Angop, o so­be­ra­no dis­se que a fal­ta de ma­nu­ten­ção dos ins­tru­men­tos faz com que a água exis­ten­te nos po­ços se­que num cur­to es­pa­ço de tem­po, obri­gan­do a po­pu­la­ção a con­su­mir água im­pró­pria na épo­ca de Ca­cim­bo.

A po­pu­la­ção con­so­me água ex­traí­da de ca­cim­bas, chim­pa­cas (re­ser­va­tó­rio de água plu­vi­o­mé­tri­ca a céu aber­to). O mesmo se ve­ri­fi­ca com o ga­do e ou­tros ani­mais do­més­ti­cos.

O rei dis­se que a re­cu­pe­ra­ção dos fu­ros cons­truí­dos no pe­río­do co­lo­ni­al po­de­ria su­prir al­gu­mas di­fi­cul­da­des re­sul­tan­tes da es­ti­a­gem, uma vez que a po­pu­la­ção lo­cal é obri­ga­da a per­cor­rer di­a­ri­a­men­te lar­gos qui­ló­me­tros em busca da água. Na óp­ti­ca de Má­rio Sha­ti­pam­ba, a Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de­ve in­cluir, no seu Pro­gra­ma de Com­ba­te à Po­bre­za, a cons­tru­ção do sis­te­ma de água, não pa­ra ate­nu­ar o so­fri­men­to da po­pu­la­ção que se des­lo­ca gran­des dis­tân­ci­as em busca de água, mas tam­bém pa­ra pre­ve­nir do­en­ças in­fec­ci­o­sas pro­vo­ca­das por este lí­qui­do ti­ra­do de ca­cim­bas e la­go­as.

Lo­ca­li­za­do a 149 qui­ló­me­tros da ci­da­de de Ond­ji­va, ca­pi­tal do Cu­ne­ne, a co­mu­na de Om­ba­la yo Mun­go si­tua-se no mu­ni­cí­pio de Om­bad­ja e tem 29 mil e 812 ha­bi­tan­tes. O go­ver­na­dor provincial da Huí­la, Luís Nu­nes, de­fen­deu a par­ti­ci­pa­ção das instituições do en­si­no su­pe­ri­or lo­cais na so­lu­ção dos pro­ble­mas so­ci­ais fre­quen­tes nas co­mu­ni­da­des.

Luís Nu­nes, que pro­fe­riu es­tas de­cla­ra­ções de­pois de uma vi­si­ta a vá­ri­as instituições de en­si­no su­pe­ri­or na ci­da­de do Lu­ban­go, dis­se que as uni­ver­si­da­des, por se­rem gran­des pro­pul­so­ras do co­nhe­ci­men­to e da formação pro­fis­si­o­nal, têm res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das na ga­ran­tia do be­mes­tar das po­pu­la­ções.

“A pro­vín­cia da Huí­la tem tra­di­ção na formação de qua­dros, pe­lo que de­ve­mos in­cen­ti­var as instituições de en­si­no a co­la­bo­ra­rem com o Go­ver­no na so­lu­ção dos pro­ble­mas que em­per­ram o pro­gres­so da so­ci­e­da­de”, dis­se.

“As uni­ver­si­da­des de­vem en­con­trar fór­mu­las pa­ra aju­dar o Go­ver­no Provincial da Huí­la a im­ple­men­tar vá­ri­os pro­gra­mas, co­mo o Com­ba­te à Fo­me e à Po­bre­za, Er­ra­di­ca­ção do Anal­fa­be­tis­mo, Ras­ga­te dos Valores Mo­rais e Cí­vi­cos, en­tre ou­tros”, adi­an­tou o go­ver­na­dor que se ma­ni­fes­tou re­go­zi­ja­do por a rei­to­ria da Uni­ver­si­da­de Man­du­me ya Nde­mu­fayo (UMN) e do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção (ISCED) da Huí­la, “es­ta­rem a co­o­pe­rar com o ac­tu­al Go­ver­no da Huí­la na re­so­lu­ção de vá­ri­os pro­ble­mas que as­so­lam as po­pu­la­ções”.

“Se es­ti­ver­mos uni­dos é mais fá­cil re­sol­ver­mos os pro­ble­mas que atra­pa­lham o bom an­da­men­to da nos­sa pro­vín­cia”, re­al­çou o go­ver­na­dor, que vi­si­tou que in­tei­rou-se das di­fi­cul­da­des que im­pe­dem o bom fun­ci­o­na­men­to da Uni­ver­si­da­de Man­du­me ya Nde­mu­fayo (UMN), que agre­ga as Fa­cul­da­des de Di­rei­to, Eco­no­mia e Me­di­ci­na. Luís Nu­nes es­te­ve igual­men­te nas ins­ta­la­ções do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção (ISCED).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.