Ál­va­ro Hol­den Ro­ber­to

Jornal de Angola - - ESPECIAL -

Nas­ceu em Mban­za Kon­go, pro­vín­cia do Zai­re, aos 12 de Ja­nei­ro de 1923. Fi­lho de Gar­cia Di­a­siwa Ro­ber­to e de Jo­a­na He­le­na La­la Ne­ka­ka, fez os es­tu­dos pri­má­ri­os e se­cun­dá­ri­os em Léo­pold­vil­le. Fre­quen­tou cur­sos po­lí­ti­cos no Gha­na e na Gui­né Co­na­kry, en­tre ou­tros paí­ses. O po­lí­ti­co foi pro­fun­da­men­te in­flu­en­ci­a­do pe­lo seu avô ma­ter­no, Miguel Ne­ka­ka, co­nhe­ci­do por ter tra­du­zi­do par­tes sig­ni­fi­ca­ti­vas da Bí­blia de in­glês pa­ra o ki­kon­go e pe­la com­po­si­ção de hi­nos pro­tes­tan­tes. O Avô de Hol­den con­quis­tou o res­pei­to dos seus con­tem­po­râ­ne­os e dos mis­si­o­ná­ri­os bap­tis­tas bri­tâ­ni­cos, mas foi hos­ti­li­za­do pe­lo po­der co­lo­ni­al por­tu­guês, que o acu­sou de ligação aos pre­pa­ra­ti­vos da de­no­mi­na­da Re­vol­ta dos An­go­la­nos.

Já en­vol­vi­do na Lu­ta de Li­ber­ta­ção de An­go­la, fez­se ou­vir vá­ri­as ve­zes na As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das, on­de de­fen­deu a cau­sa da des­co­lo­ni­za­ção. Sempre que apa­re­ces­se, a de­le­ga­ção por­tu­gue­sa re­ti­ra­va-se da sa­la, em si­nal de pro­tes­to. Por­tu­gal, no au­ge do Es­ta­do No­vo, não con­si­de­ra­va as su­as co­ló­ni­as co­mo tal, mas sim co­mo pro­vín­ci­as ul­tra­ma­ri­nas.

Em 1960, foi elei­to Pre­si­den­te da União das Po­pu­la­ções de An­go­la (UPA) fun­da­da a 7 de De­zem­bro de 1958.

Nes­sa con­di­ção, par­ti­ci­pou na pri­mei­ra Con­fe­rên­cia dos Po­vos Afri­ca­nos, re­a­li­za­da em De­zem­bro de 1958, no Gha­na. Ali co­nhe­ceu lí­de­res da di­men­são do zam­bi­a­no Ken­neth Kaun­da, Joshua Nko­mo, do Zim­babwe, e Tom Mboya, do Qué­nia. Ami­go de Pa­tri­ce Lu­mum­ba, com quem es­te­ve em Ac­cra, par­ti­ci­pou com o lí­der con­go­lês num en­con­tro com Frantz Fa­non, do Go­ver­no Pro­vi­só­rio da Ar­gé­lia. Fa­non, nas­ci­do na Mar­ti­ni­ca e na­tu­ra­li­za­do ar­ge­li­no, foi um dos prin­ci­pais im­pul­si­o­na­do­res do pan-afri­ca­nis­mo.

Sob sua liderança, a UPA de­sen­ca­deia, a 15 de Mar­ço de 1961, o ata­que que cha­mou a atenção do mun­do pa­ra a si­tu­a­ção em An­go­la. Com a formação do Go­ver­no Re­vo­lu­ci­o­ná­rio de An­go­la no Exí­lio (GRAE), em 5 de Abril de 1962, Hol­den Ro­ber­to tor­na-se Pri­mei­ro Mi­nis­tro da es­tru­tu­ra po­lí­ti­ca, re­co­nhe­ci­do em Agos­to do mesmo ano por 32 paí­ses afri­ca­nos e 2 asiá­ti­cos. Subs­cre­veu, pe­la FNLA, os Acor­dos de Al­vor, en­tre­tan­to in­ter­rom­pi­dos pe­lo cur­so da his­tó­ria. No­va­men­te exi­la­do de­pois da In­de­pen­dên­cia, re­gres­sou ao país nos anos oi­ten­ta, dan­do pros­se­gui­men­to à ac­ti­vi­da­de po­lí­ti­ca.

Ál­va­ro Hol­den Ro­ber­to fa­le­ceu em Lu­an­da, no dia 2 de Agos­to de 2007. Foi en­ter­ra­do com hon­ras de Es­ta­do na sua ter­ra na­tal.

Com a formação do Go­ver­no Re­vo­lu­ci­o­ná­rio de An­go­la no Exí­lio (GRAE), em 5 de Abril de 1962, Hol­den Ro­ber­to tor­na-se Pri­mei­ro Mi­nis­tro da es­tru­tu­ra po­lí­ti­ca, re­co­nhe­ci­do em Agos­to do mesmo ano por 32 paí­ses afri­ca­nos e 2 asiá­ti­cos

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.