TAAG, per­cur­so mar­ca­do pe­la tran­qui­li­da­de

Jornal de Angola - - DESTAQUE - OG com An­gop

- Li­nhas Aé­re­as de An­go­la, com­pa­nhia estatal, trans­por­ta por ano 1,5 mi­lhões de pas­sa­gei­ros. É considerada pe­las au­to­ri­da­des e por uten­tes uma com­pa­nhia se­gu­ra, sem nun­ca ter re­gis­ta­do aci­den­tes gra­ves, com mor­tos ou fe­ri­dos.

A his­tó­ria da TAAG con­fun­de-se com a da aviação ci­vil em An­go­la, que co­me­ça em 1918, com o so­bre­voo de dois aviões em par­te do que é ho­je o ter­ri­tó­rio an­go­la­no. Em 1938, por De­cre­to-Lei do en­tão Go­ver­no-Ge­ral de An­go­la, é cri­a­da a Divisão de Ex­plo­ra­ção dos Trans­por­tes Aé­re­os de An­go­la (DTA), que, em 1973, se trans­for­ma em em­pre­sa de ca­pi­tal mis­to com a de­sig­na­ção de TAAG - Trans­por­tes Aé­re­os de An­go­la, S.A.R.L., ten­do co­mo ac­ci­o­nis­tas o Go­ver­no, a TAP e em­pre­sas pri­va­das. Além dos vo­os do­més­ti­cos, ini­cia as car­rei­ras re­gi­o­nais pa­ra São To­mé e Windho­ek.

Após a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, a 11 de No­vem­bro de 1975, ti­ve­ram lu­gar ne­go­ci­a­ções com a TAP, pa­ra a par­ti­ci­pa­ção da TAAG - co­mo com­pa­nhia aé­rea de ban­dei­ra - nas li­ga­ções Luanda - Lis­boa, ten­do os vo­os en­tre as du­as ca­pi­tais pas­sa­do a ser ope­ra­dos por aviões da TAP com a si­gla DT das Li­nhas Aé­re­as de An­go­la. Nos vo­os Lu­an­daLis­boa, os pas­sa­gei­ros co­me­ça­ram a ser as­sis­ti­dos por pes­so­al de ca­bi­ne da TAAG e fo­ram en­tão no­me­a­dos os pri­mei­ros an­go­la­nos pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa.

Com a pu­bli­ca­ção no Diário da Re­pú­bli­ca, a 13 de Fe­ve­rei­ro de 1980, do De­cre­to Nº 15/80, foi cri­a­da a TAAG, Li­nhas Aé­re­as de An­go­la, U.E.E. Ac­tu­al­men­te, a com­pa­nhia pers­pec­ti­va no­va era, que lhe per­mi­ta atin­gir uma fro­ta de 21 ae­ro­na­ves em 2019. Pa­ra is­so, vem ad­qui­rin­do vá­ri­os apa­re­lhos que a tor­nam na mai­or ope­ra­do­ra da Bo­eing “Tri­ple Se­ven” (777) na Áfri­ca Aus­tral.

Com vis­ta à sua ren­ta­bi­li­za­ção, a TAAG tem na mi­ra o mer­ca­do re­gi­o­nal. Pa­ra tal, con­ta com for­tes in­ves­ti­men­tos do Es­ta­do, na cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras ae­ro­por­tuá­ri­as, co­mo o No­vo Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Luanda, em cons­tru­ção na co­mu­na do Bom Je­sus, mu­ni­cí­pio de Ico­lo e Ben­go, que, em Ja­nei­ro des­te ano, “en­can­tou” o pre­si­den­te da IATA.

O fran­cês Ale­xan­der de Ju­ni­ac afir­mou que a no­va in­fra-es­tru­tu­ra, cons­truí­da nu­ma área de 19.5 qui­ló­me­tros qua­dra­dos, é uma im­po­nen­te obra, que co­lo­ca­rá An­go­la num pa­ta­mar de re­le­vo no con­tex­to da aviação ci­vil in­ter­na­ci­o­nal e que con­tri­bui­rá pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co do país.

O No­vo Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Luanda é par­te da ci­da­de ae­ro­por­tuá­ria da ca­pi­tal, de­no­mi­na­da “Ae­ro­tro­po­lis de Luanda”, em im­plan­ta­ção nu­ma área to­tal de 75.5 qui­ló­me­tros qua­dra­dos, in­te­gran­do áre­as de con­tro­lo de trá­fe­go, ins­ta­la­ções de apoio, zo­na de voo e du­as pis­tas du­plas. A pri­mei­ra pis­ta, si­tu­a­da a Nor­te, com 3.800 me­tros de com­pri­men­to e 60 de lar­gu­ra, te­rá ca­pa­ci­da­de pa­ra aco­lher aviões do ti­po Bo­eing 747, en­quan­to a ou­tra, a Sul, com qu­a­tro mil me­tros de com­pri­men­to e 75 de lar­gu­ra, po­de re­ce­ber o Air­bus 380, mai­or ae­ro­na­ve de pas­sa­gei­ros do mun­do, de acor­do com a fi­cha téc­ni­ca do em­pre­en­di­men­to.

Qu­an­do con­cluí­do, o ae­ro­por­to po­de­rá aco­lher até 15 mi­lhões de pas­sa­gei­ros e pro­ces­sar 600 mil to­ne­la­das de car­ga por ano, con­tra os 3,6 mi­lhões de pas­sa­gei­ros/ano que o “4 de Fe­ve­rei­ro” mo­vi­men­ta ac­tu­al­men­te.

A TAAG

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.