Pa­la­vra ma­rim­bon­do

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A ex­pres­são "ma­rim­bon­do", subs­tan­ti­vo que de­sig­na um ti­po de abe­lha, en­trou de­fi­ni­ti­va­men­te pa­ra o lé­xi­co po­lí­ti­co an­go­la­no. E ao con­trá­rio do que mui­tos gos­tam de fa­zer, atri­buir à ex­pres­são uma exis­tên­cia fí­si­ca, pen­so que a pre­ten­são do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço foi de ca­rac­te­ri­zar um es­ta­do de coi­sas. Ma­rim­bon­do, na in­ter­pre­ta­ção que fa­ço das pa­la­vras do Che­fe de Es­ta­do, é to­do um con­jun­to de coi­sas que pre­ci­sam de ser des­man­te­la­das ago­ra pa­ra que in­di­ca­do­res me­nos bons con­ti­nu­em a in­vi­a­bi­li­zar a nor­ma­li­za­ção da vi­da eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra de An­go­la. A cor­rup­ção, o trá­fi­co de in­fluên­cia, o ne­po­tis­mo e ou­tras más prá­ti­cas po­dem ser con­si­de­ra­das co­mo "ma­rim­bon­do". Em vez de olha­rem pa­ra in­di­vi­du­a­li­da­des cu­ja acção no pas­sa­do re­cen­te pos­sa ge­rar al­gu­ma se­me­lhan­ça com o que pre­ten­de des­cre­ver a ex­pres­são "ma­rim­bon­do", pas­se­mos a pres­tar mais aten­ção no que to­dos po­de­mos e de­ve­mos fa­zer pa­ra in­ver­ter o qua­dro her­da­do da go­ver­na­ção an­te­ri­or. Afi­nal, in­clu­si­ve as ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais es­cru­ti­nam o que se faz em An­go­la, acom­pa­nham os re­sul­ta­dos e to­mam de­ci­são re­la­ti­va­men­te ao in­ves­ti­men­to e ou­tras par­ce­ri­as. E que a pa­la­vra sir­va co­mo um mar­co por via do qual An­go­la po­de mar­car passos na di­rec­ção cer­ta. ANICETO MEN­DES

Bair­ro Ope­rá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.