Com­ba­te sem tré­guas à cor­rup­ção

Pro­cu­ra­dor Ge­ral da Re­pú­bli­ca e o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos es­ti­ve­ram on­tem no Lar­go da In­de­pen­dên­cia a dis­tri­buir car­ti­lhas com men­sa­gens de apelo à re­jei­ção de prá­ti­cas de cor­rup­ção

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ed­na Da­la e Car­la Bum­ba

A Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) deu on­tem iní­cio, em to­do o país, a uma am­pla cam­pa­nha de com­ba­te à cor­rup­ção, com o slo­gan “Di­ga não à cor­rup­ção”, na qual es­tão a ser dis­tri­buí­das car­ti­lhas com in­for­ma­ções úteis que de­sen­co­ra­jam es­sa prá­ti­ca.

Na pro­vín­cia de Luanda, hou­ve con­cen­tra­ção de mo­bi­li­za­do­res con­tra a cor­rup­ção na Mu­tam­ba e no Lar­go da In­de­pen­dên­cia, on­de fo­ram dis­tri­buí­das cen­te­nas de car­ti­lhas pre­pa­ra­das pe­la Pro­cu­ra­do­ri­aGe­ral da Re­pú­bli­ca e pelo Ministério da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos.

No Lar­go da In­de­pen­dên­cia es­ti­ve­ram o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Hél­der Pit­ta Groz, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, Fran­cis­co Qu­ei­roz, e um re­pre­sen­tan­te do mi­nis­tro do In­te­ri­or, a dis­tri­buir car­ti­lhas.

A par­tir do Lar­go da In­de­pen­dên­cia, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça se­guiu em di­rec­ção ao hi­per­mer­ca­do Jum­bo, em cu­jo tra­jec­to foi ob­ser­va­do a dis­tri­buir car­ti­lhas a peões e a au­to­mo­bi­lis­tas.

No Lar­go da Mu­tam­ba es­te­ve o vi­ce-pro­cu­ra­dor­ge­ral da Re­pú­bli­ca, Mo­ta Liz, que, com os agen­tes so­ci­ais mo­bi­li­za­dos pa­ra a cam­pa­nha, dis­tri­buiu car­ti­lhas.

O por­ta-voz da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ál­va­ro João, dis­se on­tem ao Jor­nal de An­go­la que a cam­pa­nha não tem data pa­ra ter­mi­nar e es­tá a ser de­sen­vol­vi­da com o ob­jec­ti­vo de mo­ra­li­zar a so­ci­e­da­de e in­cu­tir as bo­as prá­ti­cas na ges­tão da coi­sa pú­bli­ca e uma cul­tu­ra de trans­pa­rên­cia.

A cam­pa­nha es­tá in­se­ri­da no Pla­no Es­tra­té­gi­co de Com­ba­te à Cor­rup­ção, acen­tu­ou Ál­va­ro João, que dis­se es­ta­rem a co­la­bo­rar com a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca na ini­ci­a­ti­va vá­ri­os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais. A cam­pa­nha foi aber­ta na vés­pe­ra da co­me­mo­ra­ção do Dia In­ter­na­ci­o­nal do Com­ba­te à Cor­rup­ção, que ho­je se as­si­na­la. A efe­mé­ri­de foi ins­ti­tuí­da a 9 de De­zem­bro de 2003 pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das.

“A cam­pa­nha con­tra a cor­rup­ção é con­tí­nua e foi cri­a­da pa­ra vi­go­rar du­ran­te o pe­río­do de 2018 a 2022”, ex­pli­cou o di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Comunicação Ins­ti­tu­ci­o­nal e Im­pren­sa da Pro­cu­ra­do­ri­aGe­ral da Re­pú­bli­ca.

Ál­va­ro João in­for­mou que on­tem hou­ve tam­bém dis­tri­bui­ção de car­ti­lhas no Qu­ar­tel Ge­ne­ral do Exér­ci­to e no Co­man­do Ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, es­tan­do a ac­ti­vi­da­de a de­cor­rer em to­do o país. Abor­da­do pelo Jor­nal de

An­go­la, o jo­vem Adão Pedro, que es­ta­va com uma car­ti­lha na mão, dis­se es­tar satisfeito com a ini­ci­a­ti­va da PGR, por­que, no seu en­ten­der, “o com­ba­te à cor­rup­ção vi­sa me­lho­rar a vi­da da po­pu­la­ção”.

Adão Pedro de­fen­deu que a aten­ção tem de es­tar tam­bém vi­ra­da pa­ra o que cha­mou de “pe­que­na cor­rup­ção”, pro­ta­go­ni­za­da por fun­ci­o­ná­ri­os da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, on­de, pa­ra tra­tar um do­cu­men­to, “é pre­ci­so dar ga­so­sa”.

On­tem, fo­ram dis­tri­buí­dos dois ti­pos de car­ti­lhas, uma da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca e ou­tra do Ministério da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. Na car­ti­lha do Ministério da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos es­tá uma fo­to­gra­fia su­ges­ti­va em que apa­re­cem mãos de du­as pes­so­as, uma a ten­tar en­tre­gar um ma­ço de no­tas e ou­tra a re­cu­sar as mes­mas no­tas, com os di­ze­res “Di­ga não à cor­rup­ção. Es­tá na sua mão. Pro­te­ja a sua dig­ni­da­de, não a co­lo­que na mão de cor­rup­tos. Di­ga sim à trans­pa­rên­cia, à le­al­da­de e ao ri­gor”. Na car­ti­lha da PGR es­tá o nú­me­ro 922706070 e o email dnpc­cp­[email protected], pa­ra se­rem uti­li­za­dos por ci­da­dãos que quei­ram fa­zer de­nún­ci­as. A car­ti­lha da PGR traz res­pos­tas às per­gun­tas “O que é a cor­rup­ção?” e “Quais são os cri­mes de cor­rup­ção?”

A cor­rup­ção é o ac­to pelo qual um fun­ci­o­ná­rio so­li­ci­ta ou acei­ta, de for­ma di­rec­ta ou in­di­rec­ta, um benefício in­de­vi­do pa­ra seu pro­vei­to ou de ou­tra pes­soa ou en­ti­da­de, com o fim de que o mes­mo ac­tue ou se abs­te­nha de actuar no cum­pri­men­to das su­as fun­ções le­gais.

Os cri­mes de cor­rup­ção, pre­vis­tos na Lei so­bre a Cri­mi­na­li­za­ção das In­frac­ções Sub­ja­cen­tes ao Bran­que­a­men­to de Ca­pi­tais são, en­tre ou­tros, o re­ce­bi­men­to in­de­vi­do de van­ta­gem, cor­rup­ção pas­si­va, cor­rup­ção ac­ti­va, par­ti­ci­pa­ção eco­nó­mi­ca em ne­gó­cio e trá­fi­co de in­fluên­ci­as.

A cam­pa­nha es­tá in­se­ri­da no Pla­no Es­tra­té­gi­co de Com­ba­te à Cor­rup­ção da Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca e tem a co­la­bo­ra­ção de vá­ri­os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais

KINDALA MA­NU­EL | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Ma­gis­tra­dos do Ministério Pú­bli­co in­te­ra­gi­ram on­tem com a po­pu­la­ção em vá­ri­os pon­tos da ci­da­de de Luanda

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.