Breves

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Rui Ra­mos

MEN­SA­GEM DE SÍLVA LUTUCUTA À FA­MÍ­LIA DE AD­VO­GA­DA AS­SAS­SI­NA­DA

A mi­nis­tra da Saú­de, Síl­via Lutucuta, en­vi­ou uma men­sa­gem de con­do­lên­ci­as à fa­mí­lia da ad­vo­ga­da Ca­ro­li­na de Sou­sa da Silva, as­sas­si­na­da há di­as em Luanda, cu­jo cor­po foi des­co­ber­to na fos­sa sép­ti­ca da mo­ra­dia em que vi­via, no Zan­go III. Na men­sa­gem, a mi­nis­tra da Saú­de dis­se ter to­ma­do co­nhe­ci­men­to com pro­fun­da dor e cons­ter­na­ção da mor­te pre­ma­tu­ra, por as­sas­si­na­to bru­tal, da jo­vem Ca­ro­li­na Jo­a­quim de Sou­sa da Silva, fi­lha de Sou­sa Di­o­go, um an­ti­go qua­dro do Ministério da Saú­de.

A mi­nis­tra da Saú­de de­fen­deu uma re­fle­xão pro­fun­da so­bre a ne­ces­si­da­de de ma­nu­ten­ção da har­mo­nia social, pre­ser­van­do a vi­da das fa­mí­li­as an­go­la­nas, pa­ra que cri­mes de tal na­tu­re­za não vol­tem a ser co­me­ti­dos.

O sus­pei­to do as­sas­si­na­to da ad­vo­ga­da é o pró­prio ma­ri­do, já de­ti­do, com quem con­traiu ma­tri­mó­nio em 2016, quan­do ti­nha 24 anos. O as­sas­si­na­to acon­te­ceu um dia an­tes de o ma­ri­do ter co­mu­ni­ca­do, por via dos ór­gãos de comunicação social e das redes so­ci­ais, o de­sa­pa­re­ci­men­to da mu­lher. O sus­pei­to ale­gou que ha­via acom­pa­nha­do a mu­lher a uma pa­ra­gem de tá­xi pa­ra che­gar ao ser­vi­ço. Na ver­da­de, a mu­lher nun­ca saiu de ca­sa. O Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) en­con­trou o cor­po da ad­vo­ga­da na fos­sa sép­ti­ca da pró­pria ca­sa.

SE­GU­RAN­ÇA INS­TI­TU­CI­O­NAL ANALISADA NO CUNENE

O co­man­dan­te da Po­lí­cia Na­ci­o­nal na pro­vín­cia do Cunene, co­mis­sá­rio Ti­to Mu­na­na, de­cla­rou sex­ta­fei­ra, na ci­da­de de Ond­ji­va, que o ac­tu­al con­tex­to que o país vi­ve exi­ge de to­das as or­ga­ni­za­ções mai­or ob­ser­vân­cia na se­gu­ran­ça das pes­so­as e bens pa­tri­mo­ni­ais. Ti­to Mu­na­na, que fa­la­va na aber­tu­ra do pri­mei­ro se­mi­ná­rio so­bre Se­gu­ran­ça Ins­ti­tu­ci­o­nal, su­bli­nhou que os ob­jec­ti­vos das or­ga­ni­za­ções es­tão vol­ta­dos pa­ra uma pers­pec­ti­va de­fen­si­va, vi­san­do o bem-es­tar social de to­dos. “Ho­je, te­mos que saber que des­truir qual­quer in­fra-es­tru­tu­ra social é um ata­que eco­nó­mi­co”, acen­tu­ou o tam­bém de­le­ga­do pro­vin­ci­al do Ministério do In­te­ri­or. No seu en­ten­der, pa­ra o bem-es­tar de to­dos, de­ve ha­ver in­ves­ti­men­to, em pri­mei­ro lu­gar, na se­gu­ran­ça das pes­so­as e na re­a­li­za­ção dos pro­jec­tos. Ti­to Mu­na­na pe­diu aos par­ti­ci­pan­tes no en­con­tro mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de e es­pí­ri­to de mis­são. Bus­su­lo Do­li­vro nas­ceu na ci­da­de do Cui­to, Bié, e te­ve a sua in­fân­cia di­vi­di­da en­tre as ci­da­des de Ca­xi­to e Luanda. Ca­xi­to foi o lo­cal de re­fú­gio da gu­er­ra fra­tri­ci­da que as­so­la­va o país nos anos no­ven­ta.

Bus­su­loDo­li­vro não re­ve­la a sua ida­de mas ela co­me­çou, sem dú­vi­da, na­que­les anos que vi­e­ram do rei­ní­cio da gu­er­ra, de­pois de 1992. E tam­bém não nos elu­ci­da se tem ou­tro no­me, além de Bus­su­lo Do­li­vro, nem se­quer o no­me dos pais. É ele, só ele pe­ran­te a vi­da, re­le­van­do a im­por­tân­cia da es­cri­ta no seu vi­ver diário.

Em Por­to Ki­pi­ri, em ca­sa de ca­pim, ain­da em ten­ra ida­de, Bus­su­lo Do­li­vro apren­deu a pes­car, a ca­çar e a con­fec­ci­o­nar ma­te­ri­al de pes­ca com os seus avós e apren­deu tam­bém a cui­dar dos ani­mais e a cul­ti­var a ter­ra.

Bus­su­lo Do­li­vro, des­de mui­to no­vo, par­ti­lha­va a res­pon­sa­bi­li­da­de na plan­ta­ção de hor­tí­co­las e no pro­ces­so de co­lhei­ta e ven­da na ci­da­de de Luanda.

Mas o ob­jec­ti­vo do jo­vem do Cui­to es­ta­va de­fi­ni­do, não era ape­nas um so­nho, pou­par di­nhei­ro pa­ra ar­ren­dar uma ca­sa em Luanda e aí co­me­çar uma no­va vi­da, pois a dis­tân­cia de Ca­xi­to a Luanda pre­ju­di­ca­va o pro­ces­so de aqui­si­ção e ven­da dos pro­du­tos agrí­co­las, as­sim co­mo a ali­men­ta­ção, que es­cas­se­a­va.

Em Ca­xi­to, Bus­su­lo Do­li­vro te­ve as pri­mei­ras no­ções de es­co­la­ri­da­de. "O meu pai era tam­bém meu pro­fes­sor na es­co­la e meu ca­te­quis­ta na igre­ja. Fo­ram mo­men­tos ex­tre­mos vi­vi­dos nos anos 1990, en­tre 1991 e 1993, o meu pai era pas­tor da igre­ja tra­di­ci­o­nal na mar­gem do Rio Dan­de, no bair­ro Sun­gue em Por­to Ki­pi­ri e aí ini­ci­ei a mi­nha edu­ca­ção es­co­lar."

Em 1994 Bus­su­lo Do­li­vro aban­do­na Ca­xi­to e vai pa­ra Luanda com os pais. Na ca­pi­tal, as di­fi­cul­da­des pa­re­ci­am, pa­ra Bus­su­lo, mai­o­res em re­la­ção à vi­da cam­pes­tre de Ca­xi­to.

A gu­er­ra foi o mo­ti­vo da fu­ga, pois a sua al­deia ti­nha si­do si­ti­a­da e a po­pu­la­ção co­me­ça­va a vi­ver na in­di­gên­cia e mui­tas pes­so­as fu­gi­am, cor­ri­am ao lon­go da es­tra­da de­ses­pe­ran­do um apoio que não vi­nha, as cri­an­ças fo­ram en­tre­gues a si pró­pri­as, era um tem­po de hor­ror.

Já em Luanda, Bus­su­lo Do­li­vro te­ve de aju­dar no­va­men­te os pais, de­sem­pre­ga­dos e sem re­cur­sos pa­ra sus­ten­ta­rem a fa­mí­lia. “Ven­di água pa­ra com­prar ba­ta, ca­der­nos, li­vros e o res­to dos va­lo­res da­va à mi­nha mãe, a quem de­vo mui­to.”

Com o pou­co di­nhei­ro ar­re­ca­da­do na ven­da de água no mer­ca­do do Ki­ko­lo, Bus­su­lo Do­li­vro con­se­guiu par­ti­lhar o in­ves­ti­men­to com a sua mãe, que pos­te­ri­or­men­te o obri­gou a dei­xar a ven­da pa­ra se de­di­car ex­clu­si­va­men­te à es­co­la­ri­da­de.

Bus­su­lo Do­li­vro fez carros de la­ta pa­ra ven­der aos ou­tros ra­pa­zes, pin­tou e de­se­nhou pa­ra co­le­gas da es­co­la pa­ra so­bre­vi­ver. Em Luanda fre­quen­tou as es­co­las Ca­tó­li­cas de São Pedro no bair­ro Boa Es­pe­ran­ça III, Sa­ba­ti­nas no bair­ro Boa Es­pe­ran­ça II e Ne­o­pen­te­cos­tal, na qual fre­quen­tou o en­si­no pré-uni­ver­si­tá­rio, no cur­so de Ci­ên­ci­as Ju­rí­di­cas e Eco­nó­mi­cas. Ape­sar de di­fi­cul­da­des ex­tre­mas, Bus­su­lo Do­li­vro re­ce­beu um cer­ti­fi­ca­do de mé­ri­to no en­si­no pri­má­rio (quar­to ano) e no en­si­no mé­dio (12.º ano).

Bus­su­lo Do­li­vro en­trou na Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to em 2006 com 14 va­lo­res. Era o iní­cio de uma no­va fa­se no en­tão Ins­ti­tu­to Superior de Ci­ên­ci­as de Edu­ca­ção, ISCED, de Luanda, ho­je uni­da­de or­gâ­ni­ca in­de­pen­den­te da UAN. “No Ins­ti­tu­to Superior de Ci­ên­ci­as de Edu­ca­ção es­pe­ci­a­li­zei-me em En­si­no de His­tó­ria, ti­ve um per­cur­so aca­dé­mi­co di­fí­cil, li­ga­do ao mo­de­lo de en­si­no de al­guns pro­fes­so­res, e tam­bém ti­ve mo­men­tos fe­li­zes, fui um dos pri­mei­ros es­tu­dan­tes a ob­ter a clas­si­fi­ca­ção de 15 e 19 va­lo­res em ca­dei­ras se­mes­trais.”

Du­ran­te a sua for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria Bus­su­lo Do­li­vro fez des­per­tar em si o que há mui­to es­ta­va in­cu­ba­do, o gos­to pe­la ar­te poé­ti­ca e pe­la es­cri­ta.

En­tre os anos 2005 e 2007 Bus­su­lo Do­li­vro foi elei­to o me­lhor lei­tor do se­ma­ná­rio "In­de­pen­den­te" de Luanda e aí es­cre­veu os seus pri­mei­ros con­tos, po­e­mas e cró­ni­cas no Su­ple­men­to Cul­tu­ral.

Em 2009 e 2013 pu­bli­cou as obra poé­ti­cas "Gri­tos e Pe­num­bras" e "La­ços de Emo­ções".

Bus­su­lo Do­li­vro foi um dos ven­ce­do­res do con­cur­so de po­e­sia em rá­dio "Gen­te e Ar­te" pa­tro­ci­na­do por uma es­ta­ção pri­va­da de rá­dio, num pro­jec­to que cul­mi­nou com a edi­ção de um CD de po­e­sia, em 2007.

Bus­su­lo Do­li­vro for­mou­se em Jor­na­lis­mo no Ce­fo­jor em 2010 e foi se­lec­ci­o­na­do pa­ra co­la­bo­rar no jor­nal "Fac­tu­al" e pos­te­ri­or­men­te te­ve uma pas­sa­gem na rá­dio.

Bus­su­lo Do­li­vro é pro­fes­sor es­pe­ci­a­lis­ta em en­si­no de His­tó­ria li­cen­ci­a­do pelo Ins­ti­tu­to Superior de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção (ISCED), de Luanda

No dia 25 de Ou­tu­bro des­te ano, Bus­su­lo Do­li­vro lan­çou a sua ter­cei­ra obra li­te­rá­ria, "Um Car­ro de La­ta no fim da Lua".

Du­ran­te a for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria Bus­su­lo Do­li­vro fez des­per­tar em si o que há mui­to es­ta­va in­cu­ba­do, o gos­to pe­la ar­te poé­ti­ca e pe­la es­cri­ta

DR

Bas­su­lo Do­li­vro já venceu um con­cur­so de po­e­sia em rá­dio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.